Histórico da Aceias

10341854_267711416745965_3233395107886859842_nACEIAS – Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social, esta nova entidade nasce da necessidade de um reordenamento jurídico da COMAM – Comissão Municipal de Assistência ao Menor, entidade que vem desenvolvendo suas ações em Caçador, desde 1971, quando foi criada com o objetivo de atender meninos de rua e  encaminhá-los ao mercado de trabalho, como uma iniciativa do Juizado e Promotoria Pública, juntamente com a Associação Comercial, Prefeito e Presidente da Câmara de Vereadores da época.

Ao longo desses 45 anos, a Instituição trabalhou e expandiu suas ações desenvolvendo a política pública junto à criança e ao adolescente de Caçador, em diversos programas abrangendo as idades de 0 a 18 anos. A mesma COMAM, a partir de 1991, sofreu uma adequação ao ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente, que também gerou necessidade de adequação estatutária e passou a chamar-se COMAI – Comissão Municipal de Assistência à Infância e Adolescência.

Em consenso com a Diretoria, o Conselho Administrativo e Fiscal, optam em transformar a COMAI – Comissão Municipal de Assistência à Infância e Adolescência, em uma “Associação” com o intuito de continuar esse reordenamento jurídico, buscando maior agilidade e articulação com o poder público e fortalecendo-se à medida que se concretiza o nascimento de mais uma organização não governamental, ampliando a malha do Terceiro Setor.

A ACEIAS – Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social, nasce em 2001, com um patrimônio que compreende uma sede administrativa, um terreno, sete bases físicas, onde atendemos crianças de 0 à 6 anos, denominadas CEI – Centro de Educação Infantil e dois espaços físicos onde funcionam Projetos Sociais de adolescentes, uma Casa Lar, com capacidade para abrigar até 10 crianças  e adolescentes e um Centro de Internamento Provisório –CIP, com capacidade para 08 adolescentes autores de ato infracional. Mais a estrutura de pessoas e de convênios que permitem o atendimento de 800 (oitocentas) crianças / adolescentes.

Mas é em 2002 que a ACEIAS – Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social, se concretiza quando seu principal mantenedor, a Prefeitura Municipal, firma convênio para repasse de subvenção social e inicia a contabilidade que registra sua vida financeira.

Adota como MISSÃO: “Garantir os direitos das crianças e adolescentes caçadorenses e a promoção social de suas famílias, caracterizadas pela situação de vulnerabilidades pessoal e social, através da execução de programas de atendimento conforme preconiza as leis vigentes – em parceria com o poder público e sociedade civil”.

Diante dos indicadores que caracterizam a sociedade contemporânea a instituição ACEIAS que se legitima como oñg, pois reflete uma organização da sociedade civil e de interesses comuns, que contribui  no contexto do fortalecimento de uma cidadania participativa de forma protagonista na construção de resultados concretos para o enfrentamento das múltiplas expressões que incidem na realidade social, pautada na legalidade e amparada na política pública cuja finalidade representa a legitimidade da defesa e garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes e suas famílias, fomentando o atendimento e contribuição para qualidade de vida ou para os mínimos sociais.

Em 2005, dando mais um passo importante para consecução dos seus objetivos, encaminhou-se a documentação exigida pelo CNAS – Conselho Nacional de Assistência Social, tendo conquistado o título de Entidade Beneficente da Assistência Social, em  2007.

Outro momento importante foi o prêmio Itaú – Unicef, quando  o projeto da ACEIAS , Reciclando e Construindo Cidadania, foi classificado como semi-finalista, em 2005.

A ACEIAS obedece a uma estrutura administrativa, conforme reza seu estatuto, composta por um Conselho Administrativo, Conselho Fiscal e Diretoria (Presidente, vice-Presidente e Secretário), sendo que esta é eleita a  cada dois anos, pelos representantes do Conselho Administrativo que por sua vez é composto por 13 entidades: (Prefeitura Municipal, Associação médica de Caçador, Associação dos Dentistas de Caçador, Associação Comercial e Industrial, Associação das Assistentes Sociais de Caçador, SESI/CAT/Caçador, OAB / Sub-seção Caçador, CMDCA, CMAS, Universidade do Contestado, Gerencia Regional de Educação de Caçador, SENAC e União das Associações de Moradores dos Bairros de Caçador.)

Essa Diretoria é auxiliada por uma Coordenadora Executiva que tem sub sua responsabilidade e equipe técnica formada por: Contador, Assistentes Sociais, Psicólogas, Pedagogas e demais pessoal da área administrativa.

A ACEIAS – Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social, está inserida no município de Caçador/SC, que vive hoje as conseqüências da sua história e economia.

Caçador teve decretado sua emancipação político administrativa em 25 de março de 1934, está localizado na região sul do Brasil, e no meio oeste catarinense, sendo o município mais populoso da região do alto vale do Rio do Peixe com cerca de 70.000 habitantes, integrando a microrregião do Contestado com uma área de 1009,80 Km2. Desponta na economia catarinense como o 17º em arrecadação e o 5º maior exportador do Estado detendo, entretanto, o IDH de número 0,793 PNUD/2000, o que corresponde ao 160º lugar no ranking do Estado de Santa Catarina, e detém o PIB per capita de nº 50, do Estado, com r$ 15.211,78, segundo dados do IBGE, conforme informação do jornal local, nessa semana, Jornal Informe,  que declara “devido aos baixos salários pagos pelas empresas caçadorenses devido à crise que abate o setor madeireiro, temos muitos habitantes que ganham pouco.” economia@jornalinforme.com.br

A vocação natural do município está ligada com a indústria madeireira onde o município possui o título de Capital Brasileira da Madeira, e também conhecido como Capital Industrial do Oeste, seu parque industrial tem como atividades: madeireiro, moveleiro, papel, papelão, celulose, plástico, calçados, metalurgia, confecção e outros. O Comércio e o setor de serviços juntos correspondem com mais de 3.400 estabelecimentos. Já na agricultura que no passado tinha como principais produtos à uva e o trigo, hoje desponta como produtor de hortifrutigrangeiros, tendo como principal produto o tomate.

Nessa região, que era então disputada pelos Estados de Santa Catarina e Paraná e por isso denominada de Região do Contestado, houve grande conflito que tomou proporções de extrema violência. Os sertanejos revoltaram-se com o governo estadual que promovia a concentração da terra nas mãos de poucos e com o governo federal que concedeu uma extensa área, por eles habitados, à empresa norte-americana responsável pela construção da estrada de ferro. Sendo que no ano de 1912 os caboclos deram início a uma luta pela posse das terras, enfrentando as forças militares dos dois Estados e do Exército Nacional, estes encarregados da repressão. Caracterizando assim nossa origem histórica de povo lutador”. História do Contestado. Thomé, Nilson.