Plano Politico Pedagógico – Acolhimento Institucional

ASSOCIAÇÃO CAÇADORENSE DE EDUCAÇÃO INFANTIL E ASSISTÊNCIA SOCIAL – ACEIAS

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

CAÇADOR, 2019

Apresentação 1

CAPÍTULO I 3

1.2.1 Missão 4

1.2.2 Visão 4

1.2.3 Valores 4

1.3 Histórico da Instituição 5

1.4 Objetivo Geral do Documento 7

1.4.1 Objetivos Específicos 7

1.5 Organização Institucional 7

1.5.1 Regimento Interno 8

1.5.2 Sistema de Contratação 10

1.5.3 Sistema de Capacitação de Colaboradoras 10

1.5.4 Atribuições 12

1.5.4.1 Coordenadora Executiva 12

1.5.4.2 Atribuições da Equipe Pedagógica 13

1.5.4.2.1 Pedagoga 13

1.5.4.2.2 Coordenadora Pedagógica 14

1.5.4.2.3 Supervisoras de Ensino 17

1.5.4.3 Tecnólogo em Secretariado Escolar 20

1.5.4.4 Professora/ Coordenadora 20

1.5.4.5 Professoras 22

1.5.4.6 Professoras de Atendimento Educacional Especializado. (AEE) 24

1.5.4.7 Profissional de Apoio 25

1.5.4.8 Atribuições das Auxiliares do Desenvolvimento Infantil. (ADI) 26

1.5.4.9 Merendeiras 27

1.5.4.10 Serventes 28

1.6 Quadro de Funcionários da Sede Administrativa 30

1.6.1. Equipe Administrativa 30

1.6. 2  Equipe Pedagógica 31

1.7 Sistema de Avaliação e Acompanhamento de Funcionárias 32

1.8 Sistema de Matrícula 33

1.8.1 Sistema de Rematrículas 33

1.9 Sistema de Transferência 34

1.10 Organização da Demanda Reprimida 34

CAPÍTULO II 35

2.1 Concepções 35

2.1.1 Desenvolvimento Infantil 35

2.1.2 Aprendizagem 36

2.1.3 Educação Inclusiva 37

2.1.4 Criança 39

2.1.5 Perfil do Profissional da Educação Infantil 40

2.2 Regimento de Funcionamento aos Pais 41

2.3 Proposta de Articulação Escola – Família – Comunidade 46

2.4 Organização das Horas Atividades 47

2.4.1 Hora Atividade 47

2.5 Associação de Pais E Professores – APP 48

2.5.1 Regimento Interno da Associação de Pais E Professores – APP 48

2.6 Organização de Funcionamento da Sala Multifuncional 49

2.6.1 Objetivos do Atendimento Educacional Especializado (A.E.E) 49

2.6.2 Alunos não Matriculados em Sala de Recursos Multifuncional (SRM) 50

2.6.3 Alunos Matriculados em Sala de Recurso Multifuncional – SRM 51

2.6.4 Proposta de Articulação Escola – Família 52

2.6.5. Regimento Interno da Sala de Recursos Multifuncional/ Secretaria Da Educação 54

2.6.5.1 Disposições Gerais. 54

2.6.5.2 Objetivos Princípios e Finalidades 54

2.6.5.3 Composição 55

2.6.5.4 Supervisão 55

2.6.5.5 Professor 56

2.6.5.7 Família 58

2.6.5.8 Funcionamento 58

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL TIO PATINHAS 59

2.7 Identificação 60

2.7.1 Histórico do Centro de Educação Infantil 61

2.7.2Histórico do Bairro Gioppo 62

2.7.3 Características da População Atendida 63

2.7.4 Missão/ Visão/ Valores 64

2.7.4.1 Missão 64

2.7.4.2Visão 64

2.7.4.3 Valores 64

2.7.5 Organização do Funcionamento do Trabalho 65

2.7.6 Organização do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 Meses 65

2.7.6.1 Organizações do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II 65

2.7.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II 67

2.7.7 Quadro com números de colaboradoras por função 69

2.7.7.1Quadro de funcionárias em 08/19 71

2.7.8 Organização das Turmas com número de vagas 71

2.7.9 Quadro de organização das horas atividades 72

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MINNIE 73

2.8 Identificação 74

2.8.2 História do Bairro Bello 76

2.8.3 Características da População Atendida 77

2.8.4 Missão/ Visão/ Valores 78

2.8.4.1Missão 78

2.8.4.2 Visão 78

2.8.4.3 Valores 78

2.8.5 Organização do Funcionamento do Trabalho 79

2.8.6 Organização do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses 79

2.8.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II 79

2.8.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II 81

2.8.7 Estrutura Organizacional do CEI 83

2.8.7.1 Quadro com números de colaboradoras por função 83

2.8.7.2 Quadro de Organização de Horários 84

2.8.8 Organização das Turmas com Números de Vagas 84

2.8.9 Quadro de organização das horas atividades 85

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DILETA BOLSONI TESSER 86

2.9 Identificação 87

2.9.1 Histórico do CEI Dileta Bolsoni Tesser 88

2.9.2 História do Bairro Martello 89

2.9.3 Características da População Atendida 90

2.9.4 Missão/ Visão/ Valores 91

2.9.4.1 Missão 91

2.9.4.2 Visão 91

2.9.4.3 Valores 91

2.9.5 Organização do Funcionamento do Trabalho 91

2.9.6 Organizações do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses 92

2.9.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II. 92

2.9.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I E Maternal II. 94

2.9.7 Estrutura Organizacional do CEI 95

2.9.7.1 Quadro com números de colaboradoras por Função 95

2.9.7.2 Quadro De Organização De Horários 97

2.9.8 Organização das Turmas com Números de Vagas 97

2.9.9 Quadro de organização das horas atividades 97

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL JOÃO MARIA FERNANDES 98

2.10 Identificação 99

2.10.1 Histórico do CEI João Maria Fernandes 100

2.10.2  História do Bairro Martello 101

2.10.3 Características da População Atendida 102

2.10.4 Missão/ Visão/ Valores 103

2.10.4.1 Missão 103

2.10.4.2 Visão 103

2.10.4.3 Valores 103

2.10.5 Organização do Funcionamento do Trabalho 104

2.10.6 Organização do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses 104

2.10.6.1Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II 104

2.10.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e maternal II 106

2.10.7 Estrutura Organizacional do CEI 108

2.10.7.1 Quadro com números de colaboradoras por função 108

2.10.7.2 Quadro de Organização de Horários. 109

2.10.8 Organização das Turmas com Números de Vagas 109

2.10.9 Quadro de organização das horas atividades 110

Centro de Educação Infantil Pequena Sereia 111

2.11 Identificação 112

2.11.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Pequena Sereia 113

2.11.2 Histórico do Bairro Figueroa 113

2.11.3 Características da População Atendida 114

  1. 11.4 Missão/ Visão/ Valores 115

2.11.4.1 Missão 115

2.11.4.2 Visão 115

2.11.4.3 Valores 115

2..11.5 Organização do Funcionamento do Trabalho 116

2.11.6 Organização do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e onze meses 116

2.11.6.1 Organizações do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II 116

2.11.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II 119

2.11.7 Estrutura Organizacional 121

2.11.7.1 Colaboradores 121

2.11.7.2. Quadro de organização dos horários das colaboradoras 122

2.11.8 Organização das turmas com número de vagas 122

2.11.9 Quadro de organização das horas atividades 123

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL SONHO ENCANTADO 124

2.12 Identificação 125

2.12.1 Histórico do Centro de Educação Infantil 126

2.12.1 Histórico Do Bairro Bom Sucesso 127

2.12.2 Características da População Atendida 127

  1. 12.4 Missão/ Visão/ Valores 129

2.12.4.1 Missão 129

2.12.4.2 Visão 129

2.12.4.3 Valores 129

2.12.5 Organização do Funcionamento do Trabalho 129

2.12.6 Organização do Cotidiano da Criança de 0 a 3 anos e onze meses 130

2.12.6.1 Organizações do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II. 130

2.12.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II. 132

2.12.7 Estrutura Organizacional 134

2.12.7.1 Colaboradores 134

2.12.7.2. Quadro de organização dos horários das colaboradoras 135

2.12.8 Organização das turmas com número de vagas 135

2.12.9 Quadro de organização das horas atividades 136

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSOR PARDAL 137

2.13 Identificação 138

2.13.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Professor Pardal 139

2.13.2 História do Bairro Vila Santa Catarina 140

2.13.3 Características da População Atendida 140

2.13.4 Missão/ Visão/ Valores 141

2.13.4.1 Missão 141

2.13.4.2 Visão 141

2.13.4.3 Valores 141

2.13.5 Organização do Funcionamento do Trabalho 142

2.13.6 Organizações do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses 142

2.13.7 Estrutura Organizacional do CEI 146

2.13.7.1 Quadro de Colaboradores do CEI 146

2.13.9 Quadro de organização das horas atividades 149

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 150

DONA GLADIS VARGAS ROESCH – ARCO IRIS 150

2.14 Identificação 151

Nome: Centro de Educação Infantil Dona Gladis Vargas Roesch – Arco-Iris 151

2.14.5 Organização Funcionamento do Trabalho 155

2.14.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II 156

2.14.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II 157

2.14.7 Estrutura Organizacional do Centro de Educação Infantil 159

2.14.7.1 Quadro de Colaboradores do CEI 159

2.14.7.2 Quadro de Organização de Horários 160

2.14.9 Quadro de organização das horas atividades 161

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PEDACINHO DO CÉU 162

2.15.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Pedacinho do Céu 164

2.15.2 História do Bairro 165

2.15.3 Características da População Atendida 165

2.15.4 Missão/ Visão/ Valores 166

2.15.4.1 Missão 166

2.15.4.2 Visão 166

2.15.4.3 Valores 167

2.15.5 Organização do Funcionamento do Trabalho 167

2.15.7 Estrutura Organizacional do CEI 171

2.15.8 organização das turmas com números de vagas 173

2.15.9 Quadro de organização das horas atividades 174

Centro de Educação Infantil Educar é Tudo 175

2.16 Identificação 176

2.16.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Educar é Tudo 177

2.16.2 Histórico do Bairro Berger 178

2.16.3  Características da População Atendida 179

2.16.4 Missão/ Visão/ Valores 181

2.16.4.1 Missão 181

2.16.4.2 Visão 181

2.16.4.3 Valores 181

2.16.5 Organização do Funcionamento de Trabalho 182

2.16.6 Organização do Cotidiano da Criança de zero a três anos e onze meses 182

2.15.6.1 Organizações do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II 182

2.16.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II 184

2.16.7 Estrutura Organizacional 187

2.16.7.1 Colaboradores 187

2.16.7.2 Quadro de Organização de Horários 188

2.16.8 Organização das Turmas com número de vagas 188

2.16.9 Quadro de organização das horas atividades 189

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PEQUENO PRÍNCIPE 190

2.17 Identificação 191

2.17.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Pequeno Príncipe 191

2.17.2 História do Bairro Berger 192

2.17.3 Características da População Atendida 194

2.17.4 Missão, Visão e Valores 195

2.17.4.1 Missão 195

2.17.4.2 Visão 196

2.17.4.3 Valores 196

2.17.5  Organização do Funcionamento do Trabalho 196

2.17.6 Organização do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses 196

2.17.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II 197

2.17.6.2 Organização do Cotidiano das crianças de Maternal I e Maternal II 199

2.17.7 Estrutura Organizacional do Centro de Educação Infantil 201

2.17.7.1 Quadro de Colaboradores do Centro de Educação Infantil 201

2.17.7.1 Quadro de Organização de Horários 202

2.17.8  Organização das Turmas com Números de Vagas 202

2.17.9 Quadro de organização das horas atividades 203

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL CINDERELA 204

2.18  Identificação 205

2.18.4 Missão/ Visão/ Valores 208

2.18.5 Organização do Funcionamento do Trabalho 209

2.18.7 Estrutura Organizacional do CEI 214

2.18.9 Quadro de organização das horas atividades 216

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL TAQUARA VERDE 217

2.19 Identificação 218

2.19.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Taquara Verde 218

2.19.2 História do Distrito de Taquara Verde 219

2.19.3 Características da População Atendida 221

2.19.4.1 Missão 222

2.19.4.2 Visão 222

2.19.4.3 Valores 222

2.19.5 Organização do Funcionamento do Trabalho 223

2.19.6 Organizações do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 Anos e 11 Meses 223

2.19.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal II 224

2.19.6.2 Organização do Cotidiano das crianças de Pré I e Pré II 226

2.19.7 Estrutura Organizacional do Centro de Educação Infantil 227

2.19.7.1 Quadro de Colaboradores do Centro de Educação Infantil 227

2.19.7.2 Quadro de Organização de Horários 228

2.19.8 Organização das turmas com números de vagas 228

2.19.9 Quadro de horas atividades 229

PEQUENO POLEGAR 230

2.20.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Pierina Adami 231

2.20.2 História do Bairro Martello 232

2.20.3 Características da População Atendida 234

2.20.4 Missão/ Visão/ Valores 234

2.20.5 Organização do Funcionamento do Trabalho 235

2.20.7 Estrutura Organizacional do CEI 240

2.20.9 Quadro horas atividades 243

CAPÍTULO III 244

3.1. Estrutura Curricular 244

3.1.1. Introdução 245

3.2. Objetivos do Plano Curricular 245

3.3. Estrutura do Currículo 246

3.4. Eixos Centrais 247

3.4.1. Interações 247

3.4.2. Brincadeiras 248

3.5. Organização das Turmas 249

3.6 Introdução dos Campos de Experiências Anuais 250

3.7. Objetivos e Aprendizagem e Desenvolvimento 254

3.8. Organização de Planejamento dos Campos de Experiências 259

3.9. Competências / Saberes e Conhecimentos Possíveis de Construção nos Campos de Experiências 259

3.10. Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento na Educação Infantil 261

3.11 Organização do Projeto 261

3.11.1 Objetivo Geral: Anual 261

3.11.2 Experiências 262

3.11.3 Sistema de Planejamento do Projeto (Anexo 4.8) 262

3.11.4 Planejamento Diário 262

3.12 Processo de Avaliação do Desenvolvimento das Crianças 263

3.12. 1 Turmas de Berçário a Maternal II 263

3.12.2 Processo de Avaliação para Sala de Recurso Multifuncional / SRM 264

3.13. Processo de Articulação da Passagem da Educação Infantil para Educação Básica – Desligamento 264

  1. ANEXOS 266

4.1 Documentos de responsabilidade da professora/ coordenadora. 266

4.1.1 Ficha de registro de hora atividade da professora/coordenadora 266

4.1.2 Ficha de prestação de contas aos pais e colaboradoras 266

4.1.3 Ficha de Confirmação de recebimentos para os pais 267

4.1.4 Ficha de controle da A.P.P por turma. 268

4.1.5 Ficha de encaminhamento para sede administrativa 268

4.2 Documentos de responsabilidade da professora 269

4.2.1 Mapa de freqüência 269

4.2.2 Estatístico 269

4.2.3 Antropometria 270

4.2.4 Boletim 270

4.2.5 Ficha de Incidência 271

4.2.6 Controle de faltas 272

4.2.7 Controle de atraso 272

4.2.8 Ficha de alimentação dos Bebês 272

4.2.9 Ficha de planejamento e avaliação diária 273

4.2.10 Ficha de Hora Atividade 273

4.2.11 Histórico escolar. 274

4.3 Documentos de responsabilidade das professoras de Atendimento Educacional Especializado. 275

4.3.1 Plano Anual Individual 275

4.3.2 Diário de classe Atendimento Educacional Especializado 276

4.3.3 Boletim 277

4.3.3.1 Ficha de avaliação do Atendimento Educacional Especializado 277

4.3.4 Ficha de Anamnese 278

4.4 Documentos de responsabilidade das Auxiliares de Desenvolvimento Infantil (A.D.I) 278

4.4.1 Ficha de controle de esterilização do trocador 278

4.4.2 Ficha de controle de esterilização das mamadeiras e bicos. 279

4.4.3 Fichas de controle de esterilização dos brinquedos 280

4.4.4 Ficha de avaliação semanal 280

4.5 Documentos de responsabilidade da Merendeira 281

4.5.1 Manual de boas práticas para cozinha 281

4.5.2 Cardápio para crianças de 9 meses a 3 anos e 11 meses. 281

4.5.2.1 Cardápio para bebês de 6 a 8 meses 284

4.5.3 Lista de compras 285

4.5.4 Lista de controle de refeição 286

4.5.4.1 Ficha de controle de recebimento de carnes, leite, ovos e gás. 287

4.6 Documentos de responsabilidade de Serviços Gerais. 288

4.6.1 Normas de boas práticas para higiene e esterilização de ambientes 288

4.6.2 Controle de esterilização dos colchões 291

4.7 Ficha de matrícula 292

4.7.1 Ficha de estudo social 293

4.8 Projetos 294

4.8.1 Projeto para berçário I e II. 294




Apresentação

O presente documento trata-se do Projeto – Político – Pedagógico da Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social – ACEIAS, localizada no Município de Caçador- SC.

Este documento está dividido em três capítulos, o primeiro faz uma abordagem histórica e administrativa da instituição a qual é responsável por gerir quinze centros de educação infantil, projetos sociais e casa lar, o segundo capítulo trata-se do histórico dos centros de educação infantil, suas organizações e características. E o terceiro capítulo traz a estrutura curricular adota para todos os centros de educação infantil da instituição com base na (BNCC) Base Nacional Comum Curricular. 

  • CAPÍTULO I

1.1 Identificação 

ACEIAS – Associação Caçadorense de Educação Infantil e 

Assistência Social.

Rua João Remílio Rigo 296 

Bairro Gioppo.

CNPJ: 04.774.643/0001-43

Ato normativo de autorização de funcionamento das escolas: Em tramitação.

1.2 Missão Visão e Valores

1.2.1 Missão

Garantir os direitos da criança e adolescente e sua família, em situação de vulnerabilidade pessoal e social, através da execução de serviços, programas e projetos de atendimentos, conforme preconizam as leis vigentes.

1.2.2 Visão

Ser referência no atendimento da educação infantil creche e nos serviços, programas e projetos socioassistenciais, destacando como entidade filantrópica.

1.2.3 Valores

Transparência, Comprometimento, Alegria. 

1.3 Histórico da Instituição 

ACEIAS – Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social nasceu da necessidade de um reordenamento jurídico da COMAM – Comissão Municipal de Assistência ao Menor, entidade que vem desenvolvendo suas ações em Caçador, desde 1971, quando foi criada com o objetivo de atender meninos de rua e  encaminhá-los ao mercado de trabalho, com iniciativa do Juizado e Promotoria Pública, junto a Associação Comercial, Prefeito e Presidente da Câmara de Vereadores da época.

Ao longo desses 45 anos, a Instituição trabalhou e expandiu suas ações desenvolvendo políticas públicas junto à criança e ao adolescente de Caçador, em diversos programas abrangendo as idades de 0 a 18 anos.

  A COMAM, a partir de 1991, sofreu uma adequação ao ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente, que também gerou necessidade de adequação estatutária e passou a chamar-se COMAI – Comissão Municipal de Assistência à Infância e Adolescência.

Em 2001 buscando maior agilidade e articulação com o poder público e fortalecendo-se à medida que se concretiza o surgimento de mais uma organização não governamental, nasce a ACEIAS – Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social. Nos dias atuais conta com um patrimônio que compreende uma sede administrativa cita rua: João Remílio Rigo 296, Bairro Gioppo, quinze bases físicas, onde atendemos crianças de 0 a 3 anos e 11 meses denominadas CEI – Centro de Educação Infantil e dois espaços físicos onde funcionam Projetos Sociais de adolescentes, uma Casa Lar, com capacidade para abrigar até 10 crianças  e adolescentes. Mais a estrutura de pessoas e de convênios que permitem o atendimento de 1300 (mil e trezentas) crianças / adolescentes.

Mas é em 2002 que a ACEIAS – Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social se concretiza quando seu principal mantenedor, a Prefeitura Municipal, firma convênio para repasse de subvenção social e inicia a contabilidade que registra sua vida financeira.

Em 2005, dando mais um passo importante para consecução dos seus objetivos, encaminhou-se a documentação exigida pelo CNAS – Conselho Nacional de Assistência Social, tendo conquistado o título de Entidade Beneficente da Assistência Social, em  2007.

A ACEIAS obedece a uma estrutura administrativa, conforme reza seu estatuto, composta por um Conselho Administrativo, Conselho Fiscal e Diretoria (Presidente, vice-presidente e Secretário), sendo que esta é eleita a  cada dois anos, pelos representantes do Conselho Administrativo que por sua vez é composto por 13 entidades: (Prefeitura Municipal, Associação médica de Caçador, Associação dos Dentistas de Caçador, Associação Comercial e Industrial, Associação das Assistentes Sociais de Caçador, SESI/CAT/Caçador, OAB / Subseção Caçador, CMDCA, CMAS, UNIARP, Gerência Regional de Educação de Caçador, SENAC e União das Associações de Moradores dos Bairros de Caçador.)

Essa Diretoria é auxiliada por uma Coordenadora Executiva que tem sob sua responsabilidade e equipe técnica formada por: Pedagogas, Assistentes Sociais, Psicólogas, secretárias, setor administrativo, setor financeiro, setor de compras e manutenção.

Ao longo destes anos a ACEIAS passou por várias reordenações e vem em uma escala crescente de desenvolvimento do trabalho com crianças e adolescentes do município tendo como maior objetivo vir de encontro com sua missão, visão e valores.

Cabe lembrar que por muitos anos essa instituição trabalhou como assistencialista na relação com o cuidado da criança, assim como foi historicamente no cenário nacional, as crianças chegavam a creche como era conhecida na época, tomavam banho e eram vestidas com roupas do CEI, parecidas com um uniforme que levava o slogan da “COMAM” com a expansão dos centros de educação houve a necessidade de mais roupas optou-se pelo uso de conjuntos de moletom, agasalhos e pijaminhas todos comprados pela instituição, isso permaneceu até aproximadamente 2010. As atividades desenvolvidas com as crianças eram planejadas, mas é a partir de 96 com a LDB que muitas conquistas foram alcançadas até mesmo no que diz respeito com a formação docente exigida para atuar na educação infantil, antes as profissionais que atendiam as crianças eram chamadas de recreadoras, e assim houve a passagem do assistencialismo para educação infantil.

O assistencialismo ainda se faz presente em alguns Centro de Educação atendidos pela Aceias, no que se refere a higiene e alimentação por atender a famílias de baixa renda, com vulnerabilidade social, sabe-se que por vezes não tem saneamento básico e nem alimentação para uma vida digna.

1.4 Objetivo Geral do Documento

Nortear as práticas pedagógicas junto aos docentes desenvolvendo um compromisso com a qualidade e responsabilidade social, preocupando-se com a excelência na educação infantil. 

1.4.1 Objetivos Específicos

  • Proporcionar ao corpo docente e comunidade escolar o conhecimento da organização do trabalho desenvolvido.
  • Propor momentos de discussão e análise do documento junto a escola X comunidade.
  • Organizar e normatizar a instituição escolar, estabelecendo direitos e deveres de cada seguimento e definindo finalidades e atribuições;
  • Descrever de forma clara os objetivos de todas as ações pedagógicas desenvolvidas.
  • Apresentar um documento que solidifique as ações pedagógicas e administrativas a serem desenvolvidas contribuindo para uma sociedade justa e solidária.

1.5 Organização Institucional

Para um melhor funcionamento dos trabalhos desenvolvidos a Aceias está organizada através de setores: educação infantil, projeto social e programa de serviços de alta complexibilidade. Os trabalhos referentes a estes setores estão centralizados em sua sede administrativa com equipes específicas para cada fim, compostas por coordenadora administrativa, pedagogas, assistentes sociais, psicólogas, secretárias, e profissionais de apoio.

Na educação infantil a Aceias desenvolve seu trabalho em quinze Centros de Educação Infantil, distribuídos em diferentes bairros do município, atendendo crianças de zero a três anos e onze meses de idade.

Essas crianças na sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe precisa desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral aos seus filhos. 

Para o desenvolvimento de um trabalho de qualidade os funcionários seguem normas estabelecidas e descritas em seu regimento interno de funcionamento tendo algumas determinações descritas a seguir;

1.5.1 Regimento Interno 

  • Horário de funcionamento dos Centros de Educação Infantil: 06hrs30min/ 6hrs45min as 18hrs00min/ 18hrs30min;
  • Ser pontual no seu horário trabalho;
  • Quando houver necessidade imperativa de se ausentar do trabalho, avisar 1º a coordenadora, com antecedência, bem como a sede administrativa, primando pela boa comunicação; a funcionária não poderá retornar ao CEI sem comparecer a sede administrativa, justificar a falta para o departamento de pessoal. A folha de justificativa deve ser entregue a coordenadora no momento do retorno;
  • Nunca deixar as crianças sozinhas em nenhum local (sala, banheiro, pátio, parquinho etc.);
  • Ser dinâmica, criativa e alto-astral;
  • Solicitações feitas pela coordenação deverão ser cumpridas de imediato, observando datas pré definidas de entrega de relatórios;
  • Professoras não estão autorizadas a suspender ou dispensar as crianças, sem autorização da sede administrativa;
  • Primar pelo bom relacionamento com colegas de trabalho e com pais, avos, etc., no momento de recebimento e entrega das crianças no CEI;
  • Todo o pedido de material, conserto, etc., deverá ser feito por escrito, no bloco de pedidos, devendo ter o nome de quem solicita, e encaminhados para a sede, recados verbais não serão atendidos ao menos que haja alguma emergência de vazamento de água ou gás, circuito elétrico que ponha em risco a segurança das crianças e colaboradoras;
  • Os passeios fora do CEI não deverão ser realizados sem a autorização da Sede Administrativa;
  • Nunca sair apenas uma professora para passeio com sua turma;
  • Pessoas que não são responsáveis pela alimentação não devem circular pela cozinha;
  • É indispensável o uso de jalecos para todas as funcionárias. Para as merendeiras o uso de toca de cabeça; professoras e auxiliares é obrigatório o uso das mesmas em momentos de alimentação; 
  • Funcionárias devem estar atentas para evitar desperdício de alimentação, material de limpeza e didático, assim como luz e água;
  • Funcionárias devem manter e priorizar em seu local de trabalho: organização; planejamento, responsabilidade e respeito com as crianças, com os pais e entre si;
  • É obrigatório o uso de EPI (Equipamento de Proteção Individual), disponibilizado pela entidade, de acordo com PPRA (programa de prevenção de risco ambiental), exemplo: no serviço de limpeza o uso de luva e bota sempre que necessário, de acordo com as normas de boas práticas da vigilância sanitária;
  • Preservar as bases físicas, pátios, materiais permanentes e equipamentos como mesas, cadeiras, eletrodomésticos, maquinários, paredes, etc;
  • Doações: avisar por escrito sempre que receber doações, registrando o nome do doador e objeto doado ou encaminhá-los para sede administrativa;
  • Funcionário e aluno com parentesco em primeiro grau, não poderão permanecer no mesmo CEI, sendo que o funcionário será transferido, pois a criança tem prioridade e o direito de permanecer no CEI mais próximo da sua residência;
  • O horário de pátio deverá ser seguido conforme calendário estabelecido; Obs.: Nunca sair para o pátio duas turmas juntas; somente nos casos em que o cronograma prevê duas turmas no mesmo horário (creche grande), mas em espaços diferentes;
  • Lembrem – se que folha de pagamento é documento pessoal e deve ser devidamente guardada, o departamento de pessoal não tem obrigação de fornecer a 2a via;
  • Transferência: todo funcionário da ACEIAS deve ter clareza que é contratado para trabalhar na entidade e não em um CEI específico assim, sempre que se fizer necessário poderá ser transferido de local de trabalho, podendo haver mudança de horário, sempre priorizando o bom atendimento das crianças;
  • A TV deverá ser usada somente no momento de recepção e entrega das crianças. Como recurso pedagógico, sua programação deverá constar em planejamento, com tempo que não exceda 30 minutos ao dia;
  • É expressamente proibida a presença de vendedores ou pessoas estranhas ao quadro de funcionários nas dependências do C.E.I. exceto os que apresentarem autorização por escrito à coordenadora;
  • É proibido o uso de celular particular dentro do C.E.I., em horário de trabalho, conforme Lei Estadual nº 14.363 de 25\01\2008. O mesmo deverá ficar na bolsa ou no armário destinado para esse fim. Caso os familiares precisem se comunicar com o funcionário, deverão ligar na sede Administrativa que será passado o recado. É proibido celular no bolso no horário de trabalho.

1.5.2 Sistema de Contratação

Todas as colaboradoras possuem vínculo empregatício através da CLT (Consolidações das Leis Trabalhistas), sendo que sua contratação se dá através de: 

  • Análise de currículo;
  • Entrevista;
  • Testes escritos de conhecimento dentro de cada cargo a ser preenchido.

Após o término dos procedimentos seletivos; é feita uma análise individual de cada candidata com média a ser atingida nos três quesitos para sua devida aprovação.

As candidatas aptas ao cargo são encaminhadas ao departamento pessoal para os procedimentos de contratação. Para elas é designado antes do início dos seus trabalhos um momento de integração, onde as mesmas recebem orientação e explanação de toda a organização de trabalho da instituição.

1.5.3 Sistema de Capacitação de Colaboradoras

A globalização e a revolução tecnológica têm causado um enorme impacto em todos os setores de nossa sociedade, criando um novo padrão de conhecimento.

 Assim, todas as mudanças ocorridas a partir desse novo cenário fizeram surgir muitas pressões sobre a escola e sobre os profissionais que nela atuam, e, consequentemente, para o direcionamento das políticas educacionais.

 O que se vê atualmente é um momento histórico onde as maneiras de se perceber o mundo a nossa volta são abruptamente diversas das formas vivenciadas pelas gerações passadas e, certamente, daquelas da grande maioria dos professores que ministram aulas no presente.

 Então, faz parte desse contexto recente o aumento de investimentos no processo de melhoria da qualidade da Educação. Para alcançar tal qualidade a educação está focada na inclusão e baseia-se na efetiva aprendizagem das competências, habilidades e conhecimentos necessários para plena cidadania.

Diante disso a Instituição obtém em seu calendário anual trabalhos voltados para a capacitação de seus profissionais tendo como objetivo:

  • Proporcionar aos profissionais da educação por meio de diversas atividades a aquisição e construção crítica de conhecimentos, habilidades e valores, contribuindo assim para que se tornem competentes e se qualifiquem como pessoas, como cidadãos e como gestores de um determinado espaço escolar;
  • Discutir e desenvolver práticas pedagógicas eficazes que permitam o trabalho didático de qualidade na educação infantil;
  • Capacitar e aperfeiçoar os profissionais da educação para que possam desenvolver seus alunos, proporcionando a reflexão sobre a importância dos mesmos na formação destas crianças;
  • Proporcionar um conjunto de atividades teórico-práticas, investigativas e reflexivas para a formação das colaboradoras que atuam na alimentação escolar e higiene;

O desenvolvimento das atividades para a capacitação das colaboradoras é desenvolvido pela equipe Pedagógica e está organizada em:

  • Reuniões pedagógicas
  • Reuniões com serventes e merendeiras.
  • Reuniões com a coordenadora de cada local.
  • Atendimento individual
  • Reunião com as equipes para avaliação e solução de problemas.
  • Participação de cursos, seminários, palestras voltados a educação, alimentação e saúde.

1.5.4 Atribuições

1.5.4.1 Coordenadora Executiva

  • Participar das reuniões do Conselho Administrativo, quando convocado;
  • Movimentar as contas bancárias da ACEIAS, junto com a assistente administrativa;
  • Gerenciar os recursos humanos da ACEIAS;
  • Prestar contas da sua administração;
  • Prestar informações, solicitados pelos órgãos competentes, pelo Presidente da ACEIAS, e pelos Conselhos Administrativos e Fiscais;
  • Apresentar trimestralmente ao Conselho Fiscal cópia dos balancetes mensais, contendo a receita e despesa do período, prestação de contas de convênios, saldos bancários e de caixa, elaborados pela assistente administrativa;
  • Apresentar ao Conselho Administrativo e Fiscal, em conjunto com a  assistente administrativa até segunda quinzena de março, relatório dos trabalhos realizados no ano anterior, bem como prestação de contas;
  • Admitir e demitir funcionários;
  • Dirigir e responder pela execução dos programas e trabalhos da ACEIAS, de acordo com a política e diretrizes estabelecidas;
  • Assistir ao Presidente da ACEIAS no desempenho de suas atribuições;
  • Praticar os atos de gestão necessários para assegurar a consecução dos objetivos da ACEIAS;
  • Cumprir e fazer cumprir todas as demais normas e disposições legais disciplinadores das atividades da ACEIAS;
  • Estudar com o presidente da ACEIAS e em conjunto com o assistente administrativo, reajustamento de elementos de receita e despesas quaisquer atos administrativos, visando assegurar o equilíbrio econômico-financeiro da ACEIAS;
  • Coordenar todos os trabalhos afetos à estrutura administrativa e operacional da ACEIAS;
  • Zelar pela conservação e manutenção do patrimônio da entidade;
  • Desenvolver plano de captação de recursos;
  • Realizar outras atribuições determinadas pelo presidente da ACEIAS.

1.5.4.2 Atribuições da Equipe Pedagógica

1.5.4.2.1 Pedagoga

  • Participar do planejamento global das atividades da creche;
  • Elaborar e apresentar à equipe seu plano de trabalho; 
  • Entrosar-se continuamente com os diferentes membros da equipe visando o atendimento centrado na criança;
  • Prestar à direção (geral) informações significativas através de sua área de ação;
  • Participar das atividades da creche junto à família;
  • Participar do treinamento de pessoal tanto em cursos regulares como em serviço;
  • Comparecer a reuniões quando convocado pela direção e promover reuniões com o pessoal de usa área;
  • Organizar programas para estagiários supervisioná-los e/ ou acompanhá-los em visitas;
  • Promover um ambiente acolhedor e afetivo para todos e, em especial para as crianças com a finalidade de preencher suas necessidades afetivas e educacionais;
  • Participar das reuniões periódicas e extraordinárias com a equipe pedagógica, a fim de manter o processo em curso;
  • Estabelecer o calendário dos eventos e atividades da creche e zelar pelo seu cumprimento;
  • Zelar pela manutenção de um bom clima de relações humanas dentro da creche, entre todos os seus membros, crianças e seus pais ou responsáveis;
  • Manter a equipe da creche consciente e atualizada sobre as medidas de primeiros socorros que deverá empregar em casos de necessidade;
  • Zelar pelo cumprimento do cardápio alimentar prescrito pela nutricionista, em especial pelo do bebê até um ano de idade;
  • Selecionar e providenciar materiais, jogos e demais materiais pedagógicos;
  • Zelar pelo cumprimento das determinações emanadas da direção e assessores junto as professoras e auxiliares de desenvolvimento infantil;
  • Zelar pela manutenção das comunicações entre os membros de toda a equipe;
  • Manter sempre atualizado o registro de ocorrências e sugestões relacionadas às ações pedagógicas;
  • Participar do recrutamento e seleção de educadores, serventes e merendeiras;
  • Zelar pelo cumprimento das determinações da direção junto às colaboradoras, quanto às rotinas, horários, alimentação, higiene e limpeza das instalações;
  • Prestar esclarecimentos aos estagiários sobre os objetivos, filosofia e atividades pedagógicas da creche, bem como supervisionar estagiários de observação;
  • Elaborar, no mínimo um planejamento e um relatório anual das atividades pedagógicas da creche e entregá-los à direção;
  • Mediar conflitos entre professores, serventes, merendeiras e outros membros da comunidade; 
  • Prestar assessoria e orientação às dificuldades apresentadas pelas colaboradoras.;
  • Realização de atendimento individual das colaboradoras para orientação e reorganização do trabalho pedagógico, quando necessário;

1.5.4.2.2 Coordenadora Pedagógica

  • Participar do planejamento global das atividades da creche;
  • Participar e elaborar junto à comunidade escolar o Projeto Político Pedagógico;  
  • Elaborar e apresentar à equipe seu plano de trabalho; 
  • Entrosar-se continuamente com os diferentes membros da equipe visando o atendimento centrado na criança; 
  • Prestar à direção (geral) informações significativas através de sua área de ação;
  • Participar nas decisões referentes à matrícula transferências e desligamento, e reordenamento das turmas;
  • Participar das atividades da creche junto à família;
  • Participar do treinamento de pessoal tanto em cursos regulares como em serviço;
  • Comparecer a reuniões quando convocado pela direção e promover reuniões com o pessoal de sua área;
  • Promover um ambiente acolhedor e afetivo para todos e, em especial para as crianças, com a finalidade de preencher suas necessidades afetivas e educacionais; 
  • Determinar a linha filosófica do trabalho na creche;
  • Coordenar a execução de projetos aprovados pela equipe sugerindo modificações quando necessário;
  • Promover reuniões periódicas e extraordinárias com a equipe pedagógica, a fim de manter o processo em curso;
  • Estabelecer o calendário dos eventos e atividades da creche e zelar pelo seu cumprimento;
  • Estabelecer os horários e rotinas de trabalho assessorado pela equipe pedagógica, e zelar pelo seu cumprimento;
  • Promover reuniões periódicas e extraordinárias com responsáveis e familiares das crianças da creche;
  • Zelar pela manutenção de um bom clima de relações humanas dentro da creche, entre todos os seus membros, crianças e seus pais ou responsáveis.
  • Realizar o atendimento das emergências quando necessário; 
  • Manter a equipe da creche consciente e atualizada sobre as medidas de primeiros socorros que deverá empregar em casos de necessidade;
  • Acompanhar o desenvolvimento de cada criança zelando por sua saúde física e mental;
  • Orientar a família quanto os aspectos patológicos da saúde da criança notadamente os relacionados com deficiências mentais, doenças congênitas e hereditárias;
  • Encaminhar os casos de urgência que não puderem ser atendidos na creche a hospitais ou unidades básicas de saúde dando conhecimento aos pais ou responsáveis;
  • Planejar junto aos professores as atividades pedagógicas de estimulação do desenvolvimento;
  • Selecionar e providenciar materiais, jogos e demais materiais pedagógicos;
  • Zelar pela manutenção do material pedagógico de propriedade da creche ou por ela tomado emprestado; 
  • Zelar pelo cumprimento das determinações emanadas da direção e assessores junto aos professores e ADI;
  • Zelar pela manutenção das comunicações entre os membros de toda a equipe;
  • Manter sempre atualizado o registro de ocorrências e sugestões relacionadas às ações pedagógicas;
  • Organizar e manter um cadastro de professores candidatos à admissão ou serviço da creche;
  • Realizar recrutamento e seleção de educadores, através de triagem de currículo, entrevistas das candidatas e supervisionando o período de experiências através da avaliação de desempenho;
  • Zelar pelo cumprimento das determinações da direção junto às colaboradoras, quanto às rotinas, horários, alimentação, higiene e limpeza das instalações;
  • Elaborar, no mínimo um planejamento e um relatório anual das atividades pedagógicas da creche e entregá-los à direção;
  • Organizar e manter atualizado registro de dados em informações colhidas sobre cada grupo, a fim de melhor orientar o trabalho a ser realizado;
  • Selecionar textos e temas de leitura e sugestões de atividades e divulgá-los entre os professores com a finalidade de enriquecer o trabalho pedagógico da creche;
  • Elaborar e acompanhar a execução da proposta pedagógica;
  • Mediar conflitos entre os membros da equipe do CEI e outros membros da comunidade;
  • Participar de estudo de caso dos alunos em situação de dificuldade quando necessário;
  • Colaborar no encaminhamento de alunos que apresentem dificuldades no desenvolvimento ou problemas de ajustamento psicossocial para o acompanhamento especializado no âmbito educacional e/ ou da saúde quando necessário;
  • Prestar assessoria e orientação às dificuldades apresentadas pelas colaboradoras; 
  • Orientar o funcionamento e excussão das leis vigentes para educação inclusiva/ sala de recursos multifuncionais (S.R.M ); 
  • Manter em ordem toda a documentação referente às salas de recurso multifuncional;
  • Elaborar e entregar avaliações, relatórios psicopedagógicos de alunos com dificuldades de aprendizagem sempre que solicitado;
  • Realizar atendimento individual das famílias das crianças atendidas em sala de recurso multifuncional ou em período de acompanhamento e avaliação; 
  • Realização de atendimento individual das colaboradoras para orientação e reorganização do trabalho pedagógico, quando necessário;
  • Solicitar junto ao departamento de pessoal, medidas cabíveis às funcionárias como advertências, suspensão e desligamento;
  • Realizar atendimento de desligamento do funcionário dando ciência dos fatos sempre que solicitado pela ex-funcionária;
  • Solicitar junto ao departamento de pessoal mudança de horários, transferências e promoções;
  • Conferir junto ao departamento de pessoal, pagamentos extras e descontos em folhas;
  • Colaborar junto ao departamento de pessoal para o cumprimento das normas ao que se refere a este setor; 

1.5.4.2.3 Supervisoras de Ensino

  • Participar do planejamento global da creche;
  • Participar e elaborar junto à comunidade escolar o Projeto Político Pedagógico; 
  • Planejar, executar, avaliar com a equipe, o programa de atividades;
  • Elaborar e apresentar à equipe seu plano de trabalho;
  • Entrosar-se, continuamente com os diferentes membros da equipe, visando o atendimento centrado na criança;
  • Prestar à direção (geral) informações significativas através de sua área de atuação;
  • Participar das atividades da creche junto à família;
  • Participar do treinamento de pessoal, tanto em cursos regulares quanto em serviços;
  • Comparecer a reuniões, quando convocada pela direção e promover reuniões com o pessoal de sua área;
  • Promover um ambiente acolhedor e afetivo para todos e, em especial, para as crianças, com a finalidade de preencher suas necessidades afetivas e educacionais;
  • Determinar a linha filosófica do trabalho na creche;
  • Coordenar a execução de projetos aprovados pela equipe, sugerindo modificações quando necessário;
  • Promover reuniões periódicas e extraordinárias com a equipe pedagógica, a fim de manter o processo em curso;
  • Estabelecer o calendário dos eventos e atividades da creche e zelar pelo seu cumprimento;
  • Estabelecer os horários e rotinas de trabalho, assessorado pela equipe pedagógica, e zelar pelo seu cumprimento;
  • Promover reuniões periódicas e extraordinárias com responsáveis e familiares das crianças da creche;
  • Zelar pela manutenção de um bom clima de relações humanas dentro da creche, entre todos os seus membros, crianças, seus pais ou responsáveis;
  • Manter a equipe da creche consciente e atualizada sobre as medidas de primeiros socorros que deverá empregar em casos de necessidades;
  • Acompanhar o desenvolvimento de cada criança zelando por sua saúde física e mental;
  • Planejar junto aos professores as atividades pedagógicas de estimulação do desenvolvimento através de reuniões pedagógicas e de planejamento;
  • Supervisionar o planejamento e sua realização avaliando seus resultados junto aos professores;
  • Orientar e acompanhar os registros de observação do desenvolvimento infantil;
  • Selecionar e providenciar materiais, jogos e demais materiais pedagógicos;
  • Zelar pela manutenção do material pedagógico de propriedade da creche ou por ela tomado emprestado;
  • Zelar pelo preenchimento dos diários de classe e demais registros relacionados à ação pedagógica da creche;
  • Zelar pelo cumprimento das determinações emanadas da direção e assessores junto aos professores e ADI;
  • Zelar pela manutenção das comunicações entre os membros de toda a equipe;
  • Manter sempre atualizado o registro de ocorrências e sugestões relacionadas às ações pedagógicas;
  • Zelar pelo cumprimento das determinações da direção junto às colaboradoras, quanto a rotinas, horários, alimentação, higiene e limpeza das instalações;
  • Elaborar, no mínimo um planejamento e um relatório das atividades pedagógicas da creche e entregá-los à direção; 
  • Supervisionar a elaboração dos planos semanais e cuidar do seu arquivamento para posteriores consultas e estudos;
  • Organizar e manter atualizado registro de dados e informações colhidas sobre cada grupo, a fim de melhor orientar o trabalho a ser realizado;
  • Selecionar textos e temas de leitura e sugestão de atividades e divulgá-los entre os professores com a finalidade de enriquecer o trabalho pedagógico da creche;
  • Elaborar e acompanhar a execução da proposta pedagógica;
  • Mediar conflitos entre os membros da equipe e outros membros da comunidade;
  • Prestar assessoria e orientação às dificuldades apresentadas pelas colaboradoras;
  • Realização de atendimento individual das colaboradoras para orientação e reorganização do trabalho pedagógico, quando necessário.

1.5.4.3 Tecnólogo em Secretariado Escolar

  • Atender diretamente com o publico para realizar matrículas, cadastro na lista de espera, agendamento para entrevistas, atendimento telefônico, recebimento de documentos, etc;
  • Preencher e realizar a movimentação do censo escolar.
  • Conferir, preencher e enviar relatórios para a Secretaria de Educação;
  • Verificar e realizar transferências de alunos dentro da própria instituição;
  •  Fornecer documentos aos pais;
  • Arquivar documentos de sua responsabilidade;
  • Receber, redigir e expedir a correspondência que lhe for confiada; 
  • Elaborar relatórios e processos de ordem administrativa a serem encaminhados às autoridades competentes; 
  • Prestar assessoramento as Associações de Pais e Professores – APP, quanto à aquisição de bens e a prestação de conta junto ao setor financeiro do Programa Dinheiro Direto na Escola – PDDE.
  • Preencher o Sistema Integrado de Monitoramento Execução e Controle do Ministério da Educação – SIMEC, dos Centros de Educação Infantil junto ao MEC.

1.5.4.4 Professora/ Coordenadora

  • Manter uma postura de dialogo e confiança da coordenadora com a equipe pedagógica e direção;
  • Assumir os trabalhos pedagógicos em sala em momento de hora atividade da professora regente;
  • Conhecer a instituição em que atua sua missão e visão e valores;
  • Conhecer a comunidade onde trabalha, bem como seus recursos disponíveis;
  • Manter contato com as famílias realizando atendimento junto ao professor, esclarecendo para os pais como funciona o CEI, e o que significa o trabalho da ACEIAS;
  • Assumir um relacionamento positivo com os pais e a comunidade;
  • Assumir um relacionamento de franqueza e dialogo com toda a equipe de trabalho;
  • Desencadear um clima de responsabilidade, abertura e maturidade entre a equipe de trabalho, criando um ambiente agradável permitindo que seu desempenho no CEI, seja um exemplo para toda a equipe;
  • Zelar pela saúde e bem-estar de todas as crianças do CEI;
  • Registrar seu ponto diariamente bem como, realizar a conferência do registro das demais funcionárias enviando relatório ao departamento de pessoal (RH).
  • Acompanhar diariamente o trabalho realizado no CEI;
  • Assinar o diário de todas as professoras do CEI diariamente;
  • Participar de todo o planejamento realizado na sede administrativa, quando solicitada bem como reuniões estabelecidas em calendário letivo;
  • Realizar reuniões de equipe mensalmente, repassando as orientações recebidas na reunião de coordenação que for comum a todas e individualmente quando se fizer necessário;
  • Coordenar reunião de pais, conforme calendário letivo e quando se fizer necessária reunião extraordinária;
  • Conferir a limpeza e higiene do local diariamente;
  • Ficar atentas à execução do cardápio junta à cozinheira e repassar a pedagoga quando necessário às dificuldades encontradas;
  • Entregar os relatórios mensalmente, na data pré – estabelecida;
  •  Tomar as seguintes medidas junto às funcionárias que não desempenham com seriedade, suas funções:
    • 1º Advertência verbal com registro em ata;
    • 2º Comunicar à direção do fato ocorrido;
  • Motivar as crianças e equipe de trabalho para a conservação e ordem do CEI, bem com jardim e horta;
  • Coordenar e orientar as atividades recreativas nas datas festivas;
  • Preencher e apresentar a supervisora a cada visita, ficha de registro correspondente a hora atividade. (anexo 4.1.1)
  • Preencher ficha de prestação de contas da A.P. P, dando ciência aos pais e colaboradoras fixando as prestações nos murais de avisos; (Anexo 4.1.2)
  • Preencher e enviar aos pais os bilhetes de confirmação do recebimento da contribuição espontânea da A.P. P; (Anexo 4.1.3)
  • Preencher a ficha de cada turma com os valores da contribuição espontânea da A.P. P; (Anexo 4.1.4)
  • Preencher a ficha de encaminhamento dos pais para atendimento na sede administrativa. (Anexo 4.1.5)

1.5.4.5 Professoras

  • Estabelecer como prioridade de seu trabalho, o desenvolvimento da individualização, da autoestima e da segurança emocional da criança, base sobre a qual deverá se assentar o seu desenvolvimento intelectual;
  • Zelar pela segurança física, pela higiene e alimentação da criança, sem, contudo forçá-la ou submetê-la a humilhação;
  •  Oferecer satisfação às necessidades básicas afetivas e intelectuais da criança;
  • Estabelecer laços de comunicação, de ordem afetiva, com a criança, procurando interpretar seus gestos, expressão fisionômica, corporal e diversos tipos de choro;
  • Estimular a comunicação da criança nas suas mais diversas manifestações: corporal, musical, plástica e verbal;
  • Estimular a investigação por iniciativa da criança e sua capacidade exploratória (dos objetos, pessoas, e elementos da natureza);
  • Tentar obter reações de prazer da criança no contato com sua pessoa;
  • Despertar a atenção da criança através do uso de brinquedos, contato físico carinhoso e emprego de voz suave;
  • Sem renunciar ao conhecimento técnico profissional, deixar-se guiar pelas percepções intuitivas do comportamento infantil, objetivando sempre a melhor compreensão dos sentimentos da criança;
  • Estimular experiências físicas, sociais e intelectuais através de atividades espontâneas de escolha, em decorrência das quais a criança deverá conseguir:
  • Construir e ampliar o seu mundo de ideias;
  • Concretizar a imagem do ser eu social;
  • Descobrir e ampliar aptidões e interesses;
  • Organizar sua própria experiência;
  • Adequar a experiência ao seu nível de desenvolvimento;
  • Concretizar a aceitação de si mesma com suas capacidades e/ou deficiências inatas ou adquiridas;
  • Observar, criteriosa e continuamente, cada criança e fazer registro do seu desenvolvimento em fichas de avaliação diária e boletim;
  • Planejar, realizar e avaliar experiências de estimulação que propiciem o desenvolvimento integral e harmonioso da criança;
  • Estar alerta para detectar eventuais desvios de comportamento e desenvolvimento e levá-los ao conhecimento da equipe pedagógica, através de registros escritos e contatos pessoais;
  • Elaborar planos diários e entregá-los à coordenadora/supervisora, conforme estabelecido pela equipe pedagógica ou em momentos de supervisão;
  • Executar uma avaliação diária, com o propósito de acompanhar o desenvolvimento da criança e ter parâmetros para seus próximos planejamentos;
  • Preencher corretamente todos os documentos de sua responsabilidade (chamada, estatístico, antropometria, boletim, histórico, ficha de incidência, controle de faltas, controle de atraso, ficha de alimentação dos bebes, planos diários, avaliações diárias, projetos, avaliação do projeto, folha da A.P., ficha de hora atividade, etc.) Mantendo atualizados todos os registros sob sua responsabilidade, sem erros, e sem rasuras; (Anexo 4.2)
  • Selecionar ou adaptar métodos, técnicas e materiais pedagógicos de estimulação;
  • Responsabilizar-se pela conservação do material pedagógico, utilizado nas atividades de estimulação; bem como todo o espaço físico do C.E.I;
  • Participar ativamente das reuniões pedagógicas e reuniões de equipe convocadas pela direção;
  • Atender prontamente as solicitações da equipe pedagógica, mantendo entrosamento contínuo com esses elementos visando à troca de experiências e ao aperfeiçoamento do trabalho;
  • Solicitar com delicadeza, a cooperação da ADI e fazer-se acompanhar por seu exemplo na realização das atividades com as crianças;
  • Solicitar com delicadeza, o auxílio das demais colaboradoras, sempre que necessário, visando à manutenção e ao aprimoramento contínuo da qualidade do serviço prestado à criança;
  • Administrar medicamentos somente com receita médica;
  • Prestar primeiros socorros, sempre que necessários, avisando imediatamente a sede administrativa; dando ciência aos pais do fato ocorrido no final do dia;
  • Receber estagiários e prestar eventuais esclarecimentos durante o período em que estiver no C.E.I;
  • Junto à ADI, participar da higiene da criança; banho, escovação de dentes, lavagem de mãos, e uso do vaso sanitário.
  • Organizar e executar reuniões de pais, conforme calendário letivo;
  • Agendar e realizar atendimento aos pais, sempre que necessário;
  • Cumprir com as normas estabelecidas para a hora atividade.

1.5.4.6 Professoras de Atendimento Educacional Especializado. (AEE)

  • Atuar como docente nas atividades de complementação ou suplementação curricular especifica que constitui o atendimento educacional especializado dos alunos com deficiência;
  • Atuar de forma colaborativa com o professor da classe comum para a definição de estratégias pedagógicas que favoreçam o acesso do aluno com necessidades educacionais especiais ao currículo e a sua interação no grupo;
  • Promover as condições para a inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais em todas as atividades da escola;
  • Orientar as famílias para o seu envolvimento e a sua participação no processo educacional;
  • Informar a comunidade escolar acerca da legislação e normas educacionais vigentes que asseguram a inclusão educacional;
  • Participar efetivamente da identificação e tomada de decisões acerca do atendimento às necessidades educacionais especiais dos alunos;
  • Preparar material específico para uso dos alunos da Sala de Recurso Multifuncional;
  • Orientar a elaboração de materiais didáticos – pedagógicos que possam ser utilizados pelos alunos nas classes comuns do ensino regular;
  • Indicar e orientar o uso de equipamentos e materiais específicos e de outros recursos existentes na família e na comunidade;
  • Articular, com gestores e professores, para que o Projeto Político Pedagógico da Instituição de Ensino se organize coletivamente numa perspectiva de Educação Inclusiva;
  • Elaborar um plano individual anual para cada aluno, conforme suas potencialidades e necessidades para ser desenvolvido em sala de recurso; (Anexo 4.3.1)
  • Descrever as experiências na S.R.M no diário de classe em cada atendimento; (Anexo 4.3.2) 
  • Observar, criteriosamente e continuamente, cada criança e fazer registro do seu desenvolvimento em fichas de avaliação diária e boletim; (Anexo 4.3.3)
  • Elaboração de avaliações descritivas sempre que solicitado para área social e da saúde;
  • Acompanhar a realização de anamnese junto as famílias em parceria com a coordenadora pedagogia/psicopedagoga; (Anexo 4.3.4)
  • Manter organizado o portfólio de cada aluno com toda a documentação, tendo por obrigação o sigilo e a ética em torno de exames, laudos e demais registros.

1.5.4.7 Profissional de Apoio

  • Acompanhar o aluno no desenvolvimento de suas atividades de rotina diária, estimulando-os a realizar progressivamente de forma independente;
  • Acompanhar o aluno no desenvolvimento das experiências pedagógicas proposta pela professora, estimulando sua autonomia e oportunidades de desenvolvimento gradativo, respeitando suas necessidades e especificidades;
  • Organizar o aluno junto ao grupo e seus materiais para que possa desenvolver suas experiências auxiliando-o quando se fizer necessário. 
  • Interagir com o aluno e os demais da turma de forma a contribuir com sua inclusão;
  • Interagir com os demais alunos do grupo em momentos de atividade para que a professora possa acompanhá-lo individualmente, como forma de contribuição para suas avaliações e planejamentos futuros; 
  • Identificar necessidades específicas do aluno dando ciência à professora e juntas buscar metodologias para auxiliá-lo em seu desenvolvimento;
  • Auxiliar na locomoção dos alunos que fazem uso da cadeira de rodas, andadores, muletas e outros facilitadores, viabilizando a acessibilidade e a participação no ambiente escolar; 
  • Auxiliar os alunos com necessidades educacionais especiais quanto a alimentação, atendimento as necessidades básicas de higiene e as correspondentes ao uso do banheiro.

1.5.4.8 Atribuições das Auxiliares do Desenvolvimento Infantil. (ADI)

  • Acompanhar a professora na realização das atividades e experiências junto à criança, procurando imitá-la;
  • Substituir a professora ao atendimento à criança, sempre que necessário, procurando manter a linha de ação utilizada por essa profissional na realização das atividades e experiências;
  • Auxiliar a professora nas providências, controle e guarda do material pedagógico;
  • Colaborar com a professora no planejamento das experiências e na avaliação das crianças sempre que solicitada;
  • Participar das reuniões periódicas ou extraordinárias convocadas pela direção;
  • Trocar fraldas, dar banho e zelar pela higiene do bebê, bem como ser responsável pelas sacolas e seus pertences;
  • Dar mamadeira empregando a posição correta, com o bebê ao colo, obedecendo aos horários estabelecidos;
  • Lavar e enxugar a banheira após cada banho, bem como realizar a esterilização dos trocadores; (Anexo 4.4.1)
  • Ajudar a professora na hora das refeições, ajudando a dar alimentos às crianças que ainda não comem sozinhas;
  • Providenciar e zelar pela lavagem, esterilização de mamadeiras e chupetas, seguindo rigorosamente as orientações; (Anexo 4.4.2)
  • Providenciar e zelar pela lavagem, esterilização e troca de brinquedos após cada período de uso; (Anexo 4.4.3)
  • Acompanhar as experiências de estimulação dos bebês, completando sua ação junto à criança, em qualquer momento em que lide com ela;
  • Auxiliar, na confecção de material de estimulação, responsabilizar-se pela sua conservação e higiene;
  • Estar atenta as modificações de comportamento das crianças, e dar ciência ao professor;
  • Auxiliar, a professora na hora de repouso das crianças, providenciando colchonetes, lençóis e cobertores, e ajudar a arrumar esse material após seu uso;
  • Responsabilizar-se pelas crianças que aguardam os pais, após o horário regular de saída, zelando pela sua segurança e bem-estar;
  • Estar atenta à necessidade de sua presença, auxiliando sempre que solicitada;
  • Manter em dia, e no local de trabalho, sua pasta individual com suas avaliações semanais; (Anexo 4.4.4)
  • Arquivar seus documentos em pasta destinada a este fim ao término de cada mês.

1.5.4.9 Merendeiras

  • Zelar pelo ambiente da cozinha e por suas instalações e utensílios, cumprindo as normas estabelecidas na legislação sanitária em vigor; (Anexo 4.5.1)
  • Selecionar e preparar a merenda escolar balanceada, observando padrões de qualidade nutricional, seguindo o cardápio supervisionado e assinado por nutricionista específico para cada idade, realizando adequação para os bebês; (Anexo 4.5.2) 
  • Servir a merenda escolar, observando os cuidados básicos de higiene e segurança; 
  • Informar a coordenação, da necessidade de reposição do estoque da merenda escolar; 
  • Realizar conferência do estoque e solicitar alimentos preenchendo lista de compras mensal e enviar em data préestabelecida para sede administrativa. (Anexo 4.5.3) 
  • Conservar o local de preparação, manuseio e armazenamento da merenda escolar, conforme legislação sanitária em vigor; 
  • Zelar pela organização e limpeza do refeitório, da copa, da cozinha, e do depósito da merenda escolar; 
  • Receber, armazenar e prestar contas de todo material adquirido para a cozinha e alimentos da merenda escolar; (Anexo 4.5.4)
  • Cumprir integralmente seu horário de trabalho e as escalas previstas, respeitando o seu período de férias; 
  • Participar de eventos, cursos, reuniões sempre que convocado, visando ao aprimoramento profissional; 
  • Auxiliar nos demais serviços correlatos a sua função sempre que se fizer necessário; 
  • Respeitar as normas de segurança ao manusear fogões, aparelhos de preparação ou manipulação de gêneros alimentícios e de cardápio; 
  • Participar da avaliação do cardápio; 
  • Zelar pelo sigilo de informações pessoais de alunos, professores, funcionários e famílias; 
  • Manter e promover relacionamento cooperativo de trabalho com seus colegas, com alunos com pais e com os demais segmentos da comunidade escolar; 
  • Participar das atribuições decorrentes do regimento interno exercendo suas funções específicas; 
  • Respeitar o horário e tempo necessário de mastigação de cada criança; 
  • Adequar as quantidades ao número de criança, diariamente; 
  • Mandar o lanche dos bebês, já preparado para consumo; 
  • Organizar e armazenar frutas e verduras, no dia da entrega;
  • Realizar coleta de amostras de toda a alimentação armazenando em geladeira por 72 horas conforme orientação da vigilância sanitária.  

1.5.4.10 Serventes

Competem ao auxiliar operacional que atua na limpeza, organização e preservação do ambiente escolar e de seus utensílios e instalações:

  • Zelar pela higiene do ambiente físico da escola e de suas instalações, cumprindo as normas estabelecidas na legislação sanitária vigente, descritas e fixadas em todos os espaços; (Anexo 4.6.1)
  • Utilizar o material de limpeza sem desperdícios e comunicar a direção, com antecedência, a necessidade de reposição dos produtos; 
  • Zelar pela conservação do patrimônio escolar, salas, móveis, utensílios  e equipamentos, comunicando qualquer irregularidade à direção; 
  • Auxiliar na vigilância da movimentação dos alunos em quaisquer horários, mantendo a ordem e a segurança  das crianças; 
  • Atender adequadamente aos alunos com necessidades educacionais especiais temporárias ou permanentes, que demandam apoio de locomoção, higiene e alimentação; 
  • Auxiliar nos serviços correlatos a sua função, participando das diversas atividades escolares; 
  • Cumprir integralmente seu horário de trabalho e as escalas previstas, respeitando o seu período de férias; 
  • Participar de eventos, cursos, reuniões, sempre que convocado, visando ao aprimoramento profissional; 
  • Coletar lixo de todos os ambientes do estabelecimento de ensino, dando-lhe o devido destino, conforme exigências sanitárias; 
  • Zelar pelo sigilo de informações pessoais de alunos, professores, funcionários e famílias; 
  • Manter e promover relacionamento cooperativo de trabalho com seus colegas, com alunos, pais, e com os demais segmentos da comunidade escolar; 
  • Exercer as demais, atribuições decorrentes do regimento interno, cumprindo suas funções específicas;
  • Respeitar o horário e tempo necessário de mastigação de cada criança; 
  • Em relação ao lactário: Mantê-lo limpo e organizado após cada refeição, OBS: As auxiliares e professoras, cabe à esterilização das mamadeiras, bicos e brinquedos; 
  • Fazer semanalmente a esterilização dos colchões, bem como a lavagem das roupas de camas; (Anexo 4.6.2)
  • Auxiliar na organização dos colchões, na hora do soninho, quando solicitado; 
  • Limpar os banheiros após todas as turmas terem feito a higiene; 
  • Tirar o pó dos armários e ventiladores seguindo cronograma de limpeza; 
  • Limpar as salas dos berçários duas vezes ao dia;
  • Realizar conferência do estoque e solicitar materiais de limpeza preenchendo lista de compras mensal e enviar em data preestabelecida para sede administrativa. 

1.6 Quadro de Funcionários da Sede Administrativa

1.6.1. Equipe Administrativa

NOME FUNÇÃO CARGA HORARIA
Maria de Lourdes Roman Ross Ceratti Coordenadora Executiva 40 horas
Marelise Beher Voltoline  Assistente Administrativo 40 horas
Heloane Aparecida De Vergenes  Auxiliar de escritório  40 horas 
Giovana Burlin  Assistente administrativo  40 horas 
Eliane Maria R.S. Pereira  Auxiliar de escritório  40 horas 
Janice Aparecida Ignácio Auxiliar de escritório  40 horas
Vilson Santana Auxiliar de Manutenção Predial  40 horas
Vanderson Santana  Trabalhador de manutenção de edificações  40 horas
Cleiton Felipe da Silva  Pintor de obras  40 horas
João Maria S. Fogues Motorista de furgão  40 horas
Reinaldo Flores Trabalhador de Manutenção e edificação 40 horas
Madalena Aparecida Bendlin  Serviços Gerais  40 horas 
Míriam Romeiro Flores  Tecnóloga em secretariado escolar  40 horas

1.6. 2  Equipe Pedagógica

NOME FUNÇÃO GRAU DE ESCOLARIDADE CARGA HORARIA.
Nadir Miranda Racoski Pedagoga Curso Superior em Pedagogia, com Pós-Graduação em Supervisão Pedagógica. 30 horas
Adriana Faustino dos Santos Coordenadora Pedagógica Curso Superior em Pedagogia, com Pós em Psicopedagogia Clínica e Institucional, Psicologia Organizacional e do trabalho e especialização em

Gestão Estratégica de Pessoas.

40 horas
Kassieli Aparecida Pereira Supervisora de Ensino  Curso Superior em Pedagogia. Com Pós em Educação Infantil e Series iniciais.

Concluindo especialização em Gestão Escolar e  Cursando Psicologia.

40 horas
Juliana Aparecida Somenzi Supervisora de Ensino  Curso Superior em Pedagogia, com pós-graduação em Psicopedagogia e

Pós-Graduação em Educação com foco em violência, direitos humanos, diversidade e redes de proteção nos sistemas de educação. 

40 horas
Cristiane Patrícia Veber  Supervisora de Ensino  Curso Superior em Pedagogia.

Pós-Graduação em Práticas Pedagógicas.

Concluindo especialização em Gestão Escolar 

40 horas 

1.7 Sistema de Avaliação e Acompanhamento de Funcionárias

O setor pedagógico na área da educação infantil / creches tem grande preocupação com a qualidade do trabalho desenvolvido em seus Centros de Educação Infantil. Para acompanhar e avaliar os trabalhos a equipe pedagógica elabora estratégias com a finalidade de conhecer e estar atenta às necessidades de complementar suas ações para a efetivação de nossos objetivos. Composto por cinco pedagogas, com cargos e atribuições definidas e descritas neste documento, norteamos nosso trabalho em:

  • Visitas para leitura e avaliação dos planejamentos diários e avaliações dos trabalhos das professoras.
  • Acompanhamento em sala de aula com ficha avaliativa de todos os componentes pedagógicos (coerência de atividades, material, organização, tempo, etc). 
  • Acompanhamento e avaliação de desempenho junto à coordenadora de novas funcionárias.
  • Atendimentos individualizados em grupo para orientação.
  • Reuniões internas semanais para avaliação de cada CEI e planejamento dentro de suas dificuldades e avanços. 

1.8 Sistema de Matrícula

As matrículas são realizadas na Sede Administrativa da Instituição, em sistema informatizado, onde são impressas e entregues a cada professora em pasta ficando sobre a sua responsabilidade o manuseio, organização e arquivo das mesmas em sala.

A matrícula é para a Instituição um momento de contato direto com as famílias, e um levantamento de dados para um breve conhecimento da realidade vivenciada por elas uma vez que obtemos no questionário: (anexo 4.7) 

  • Nome da criança e data de nascimento, sexo.
  • Nomes dos pais e locais de trabalho, com telefones para contato e renda mensal da família.
  • Endereço.
  • Tipo de moradia e composição familiar.
  • Saúde e desenvolvimento da criança.

Junto à matrícula são anexados copia da certidão de nascimento, carteira de vacina, comprovante de residência, comprovante de trabalho dos pais, Xerox do cartão do SUS e Xerox do cadastro único.

Além da matrícula as famílias recebem para preenchimento um questionário denominado estudo social, pedagógico e familiar com o objetivo de conhecer melhor a criança e sua família contribuindo para efetivação de um trabalho de qualidade. (anexo 4.7.1) 

1.8.1 Sistema de Rematrículas

Ao final de cada ano os pais recebem um questionário para preenchimento sendo este, garantia de vaga e parâmetro para a organização das novas turmas. Em data estabelecida e comunicada com antecedência aos pais os mesmos realizam a entrega da cópia de todos os documentos para as professoras. Cada professora fica responsável em conferir, organizar e enviar a Sede Administrativa pasta com os documentos para a digitação das matrículas para o ano posterior.

1.9 Sistema de Transferência

Em caso de transferência dentro da própria instituição os pais são orientados a dirigir-se a sede administrativa para junto com a secretaria escolar averiguar a existência da vaga para o C.E.I. de destino. Caso haja a disponibilidade da mesma os pais deverão providenciar cópia de toda a documentação para a realização da mesma. No C.E.I. de origem, a professora realiza o arquivamento da matrícula e o desligamento da criança. Caso não haja a vaga a criança é cadastrada em sistema informatizado, e a transferência ocorrerá quando houver disposição da mesma, sendo dada a prioridade.

1.10 Organização da Demanda Reprimida

Assim como a realidade nacional ao que se refere às vagas para creches, no município de Caçador constatamos que são necessárias políticas públicas voltadas ao atendimento de crianças de zero a três anos e onze meses, em creches públicas, de forma a atingir no mínimo 50% da demanda.

Com o objetivo de contemplar as famílias que necessitam de atendimento em creches, sabendo de nossa defasagem ao que se refere ao número de vagas as quais disponibilizamos, a instituição possui um sistema informatizado de listas de espera com os dados necessários de cada família para posterior contato quando a vaga for disponibilizada. Sistema este organizado e disponibilizado pela Secretaria da Educação denominada lista única podendo ser acompanhada pelas famílias através do site.

  • CAPÍTULO II

O presente capítulo traz as concepções sobre criança, aprendizagem, desenvolvimento infantil, inclusão e o perfil do professor na educação infantil, aspectos necessários para que o trabalho de qualidade aconteça efetivamente.

A organização também é um elemento fundamental para o sucesso escolar é através dela que se constroem hábitos saudáveis e boa convivência, sabe-se também  que a diversidade é o que enriquece a cultura de um povo, portando é fundamental respeitar cada centro de educação e suas características que os fazem serem únicos.

  • 2.1 Concepções

2.1.1 Desenvolvimento Infantil

A importância do desenvolvimento infantil de forma saudável deve ser garantida desde a gestação proporcionando a criança um ambiente acolhedor e seguro dando-lhes condições de explorar e realizar descobertas necessárias para suas aprendizagens. 

Desde o nascimento as crianças necessitam da interação com o meio e as pessoas para auxiliar em seu processo de desenvolvimento físico, cognitivo, motor, afetivo e cultural. Assim os pais, demais familiares e a escola tem uma importância significativa neste processo.

O desenvolvimento físico acontece de forma muito rápida e natural contando com fatores que associados aos cuidados básicos e essências vão proporcionar o desenvolvimento ideal. Hereditariedade, hormônios, ambiente e nutrição devem ter um olhar atento da família e da escola. 

Para o desenvolvimento cognitivo o professor e a família tem o dever de proporcionar as mais diferentes experiências principalmente nos primeiros anos de vida por ser este o período de maiores mudanças cerebrais responsáveis pela capacidade de aprendizagem e controle emocional. Toda criança necessita de oportunidades para aprender e fazer uso de sua inteligência nas mais variadas situações do dia a dia. Piaget afirmou que as crianças compreendem o mundo através das experimentações.

O cume maior do desenvolvimento cognitivo da criança apresenta-se quando adquiri a linguagem verbal. Neste momento a criança substitui várias linguagens corporais como choro e birra e inicia sua elaboração de pensamento através da fala. 

Junto ao desenvolvimento físico e cognitivo o motor tem sua relevante importância ao percebermos que um bebê antes imóvel ou sujeita a um adulto, em sua progressão no desenvolvimento motor adquiri movimentos amplos, equilíbrio, agilidade demonstrando através do corpo suas capacidades de organização e pensamento. 

Aliado a todos estes processos de desenvolvimento e não menos importante está o desenvolvimento afetivo onde ao pensarmos em crianças precisamos proporcionar um ambiente favorável a troca de manifestações de sentimentos de alegria e tristezas, satisfações e insatisfações, agrado e desagrado. Muito mais do que desenvolvimento afetivo estamos falando no direito da criança a expressar seus sentimentos, para futuros envolvimentos com as pessoas e o mundo com relações de qualidade.

2.1.2 Aprendizagem

Aprendizagem é um processo de mudança de comportamento obtido através da experiência construída por fatores emocionais, neurológicos, relacionais e ambientais. Aprender é o resultado da interação entre estruturas mentais e o meio ambiente. De acordo com a nova ênfase educacional, centrada na aprendizagem, o professor é coautor do processo de aprendizagem dos alunos. Nesse enfoque centrado na aprendizagem, o conhecimento é construído e reconstruído continuamente.  

A aprendizagem caracteriza-se como a apropriação e a produção da cultura, dos modos de vida, das concepções, dos conhecimentos elaborados e sistematizados permeados pelas emoções, partilhadas significativamente com os diferentes grupos e sujeitos que compõe o contexto mais próximo à criança, de modo que, na relação com a realidade social mais ampla, possibilitam a ela elaborar seus sentimentos e significados sociais para compreender o mundo, agir sobre ele, transformá-lo e ser transformado.

Segundo Bassedas, Huguet e Solé (1999) o espaço físico e sua organização ainda que não sejam condições determinantes, influenciam direta e indiretamente na aprendizagem das crianças. O ambiente organizado e pensado para proporcionar momentos de interação e brincadeira favorece a construção de aprendizagem significativa onde as crianças possam usar de suas capacidades para explorar a sua maneira, favorecendo as necessidades de curiosidade.

Barbosa e Richter, (2015) o dia a dia na educação infantil precisa ser construído com sensibilidade e beleza, com crianças brincando, realizando investigações, com professores provocando aprendizagens.

Contudo os eixos norteadores das práticas na educação infantil são as interações e brincadeiras, com isso elas precisam estar bem claras, experiências soltas e longo tempo de espera para participação não trazem bons resultados, acaba que a criança perde o interesse e seu caráter desafiador, fundamental para promover a aprendizagem.

A aprendizagem diferente do desenvolvimento infantil, só ocorre quando há estímulos para esse fim, com experiências significativas onde a criança possa participar da construção do conhecimento, saindo da condição de meros receptores de informações. 

2.1.3 Educação Inclusiva

“A Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) uniu os povos do mundo todo, no reconhecimento de que “todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade” (Art.1).

A ideia de uma sociedade inclusiva se fundamenta numa filosofia que reconhece e valoriza a diversidade, como característica inerente à constituição de qualquer sociedade. Partindo desse princípio e tendo como horizonte o cenário ético dos Direitos Humanos, sinaliza a necessidade de garantir o acesso e a participação de todos, a todas as oportunidades, independentemente das peculiaridades de cada individuo e/ ou grupo social.

A família é o primeiro espaço social da criança, no qual ela constrói referências e valores e a comunidade é o espaço mais amplo, onde novas referências e valores se desenvolvem. A participação da família e da comunidade traz para a escola informações, críticas, sugestões, solicitações, desvelando necessidades e sinalizando rumos.

Este processo, resignifica os agentes e a prática educacional, aproximando a escola da realidade social nas quais seus alunos vivem.

A escola é um dos principais espaços de convivência social do ser humano, durante as primeiras fases de seu desenvolvimento. Ela tem papel primordial no desenvolvimento da consciência de cidadania e de direitos, já que é na escola que a criança e o adolescente começam a conviver num coletivo diversificado, fora do contexto familiar. 

  O olhar crítico para a história da humanidade revela, com muita clareza, que nenhuma sociedade se constitui bem-sucedida, se não oferecer, em todas as áreas da convivência humana, o direito a diversidade que a constitui.

Nenhum país alcança pleno desenvolvimento, se não garantir, a todos os cidadãos, em todas as etapas de sua existência, as condições para uma vida digna, de qualidade física, psicológica, social e econômica.

A educação tem nesse cenário, papel fundamental, sendo na escola o espaço no qual se deve oferecer, a todos os cidadãos, o acesso ao conhecimento e o desenvolvimento de competências, ou seja, a possibilidade de apreensão do conhecimento historicamente produzido pela humanidade e de sua utilização no exercício efetivo da cidadania.

Escola Inclusiva é aquela que garante a qualidade de ensino educacional a cada um de seus alunos, reconhecendo e respeitando a diversidade e respondendo a cada um de acordo com suas potencialidades e necessidades.

A proposta pedagógica dentro da Educação Inclusiva visa caminhar na busca da inclusão dos alunos com deficiência, entendendo-os como sujeitos capazes de realizar aprendizagens e trabalhar para que possam assumir este lugar de aprendiz.

Por conseguinte, entendemos que a inclusão educacional é um processo complexo que encontra diferentes origens e deve transformar cada situação em um caso singular. Desta forma, as propostas utilizadas devem ser formuladas, reformuladas e reconfiguradas em cada contexto apresentado.

Para ampliar os horizontes educacionais dentro da perspectiva da inclusão escolar, uma das propostas a ser desenvolvida é o Atendimento Educacional Especializado.

Este atendimento denominado Sala de Recursos Multifuncionais, completa e ou suplementa a formação do aluno visando sua autonomia na escola e fora dela, sendo sua oferta obrigatória pelos sistemas de ensino. Este serviço de educação especial […] identifica e elabora recursos pedagógicos.

O decreto nº 6571, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado, regulamenta o parágrafo único do artigo. 60 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 e acrescenta o dispositivo do Decreto nº 6.253, de 13 de novembro de 2007.

Art 1º A União prestará apoio técnico e financeiro aos sistemas públicos de ensino dos Estados, do Distrito Federal e os Municípios, na forma deste decreto, com a finalidade de ampliar a oferta do atendimento educacional especializado aos alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, matriculados na rede pública de ensino regular.

& 1º Considera-se atendimento educacional especializado o conjunto de atividades, recursos de acessibilidade e pedagógicos organizados institucionalmente, prestado de forma complementar ou suplementar à formação dos alunos do ensino regular.

Para tanto a escola necessita prever em seu Projeto Político Pedagógico formas de articular a escola comum, na perspectiva da inclusão a Educação Especial através do AEE cujo motivo principal é ser realizado dentro da própria escola dando-lhe possibilidades para que suas necessidades educacionais específicas possam ser atendidas e discutidas no dia a dia escolar e com todos que atuam no ensino regular e ou educação especial aproximando estes alunos dos ambientes de formação comum a todos. 

2.1.4 Criança

A criança como todo ser humano é um sujeito social e histórico e faz parte de uma organização familiar que está inserida em uma sociedade, com uma determinada cultura, em um determinado momento histórico. A criança tem na família biológica ou não, um ponto de referência fundamental, apesar da multiplicidade de interações sociais que estabelece com outras instituições sociais.

As crianças possuem uma natureza singular, que caracteriza como seres que sentem e pensam o mundo de um jeito muito próprio. Nas interações que estabelece desde cedo com as pessoas que lhe são próximas e com o meio em que estão inseridas, as crianças revelam seu esforço para compreender o mundo em que vivem as relações contraditórias que presenciam e, por meio de brincadeiras, explicitam as condições de vida a qual estão submetidas e seus anseios e desejos.

No processo de construção do conhecimento, as crianças se utilizam das mais diferentes linguagens e exercem a capacidade que possuem de terem ideias e hipóteses originais sobre aquilo que buscam desvendar.

Nesta perspectiva as crianças constroem o conhecimento a partir das interações e brincadeiras. 

Em síntese é imprescindível levar em conta que as crianças desde que nascem são:

  • Cidadãos de direito;
  • Indivíduos únicos, singulares;
  • Seres sociais e históricos;
  • Seres competentes, produtores de cultura;
  • Indivíduos humanos, parte da natureza.

2.1.5 Perfil do Profissional da Educação Infantil

A atuação do educador na Educação Infantil exige capacidades, habilidades e uma constante formação. O trabalhado de desenvolvimento de crianças de 0 a 5 é crucial para a formação da criança, tendo como a educação infantil o primeiro nível de educação básica, e um direito da criança.

O Professor precisa ter um perfil adequado para a função, pois o trabalho com crianças nesta faixa de idade exigirá capacidades e habilidades, compreendendo que cada criança é única e que cada uma delas possui seu tempo de maturação. O educador busca sempre atender a todos, compreendendo suas limitações e habilidades, e é este olhar um diferencial para o Professor de Educação Infantil, que ao aturar, seu envolvimento não se limita apenas ao aluno, mas também a família, e é essa relação CEI x família, que os resultados acontecem, pois na maioria das vezes é na instituição que a criança, aprende valores e hábitos.

Em sua formação o profissional que atua na educação infantil, precisa ter domínio das fases de desenvolvimento da criança, seja ela motora ou emocional. A graduação em pedagogia é necessária para que o professor tenha um conhecimento teórico, e referencial sobre o comportamento e desenvolvimento da criança, linhas e pensamentos que ajudam a compreender as manifestações que cada aluno demonstrará.

O bom professor da educação infantil deve respeitar acima de tudo as limitações de seus alunos, se esforça para atingir seus objetivos e busca sempre estar atualizado em relação ao universo infantil, faz uso da criatividade para se criar pontes que levem o conhecimento às crianças, utilizando recursos alternativos, criando e explorando materiais diversos, expondo uma didática dinâmica para se trabalhar em sala.

Cabe lembrar que não somente o professor tem importante papel nessa missão educacional, mas também os profissionais que atuam na coordenação do CEI, supervisão de ensino, direção, orientação pedagógica, merendeira, serviços gerais, motorista e na manutenção onde todos estão envolvidos com o único objetivo, proporcionar educação infantil de qualidade. A LDB/96 aborda os critérios para formação na área administrativa escolar em seu Art. 64. A formação de profissionais de educação para administração, planejamento, inspeção, supervisão e orientação educacional para a educação será feita em cursos de graduação em pedagogia ou em nível de pós-graduação, a critério da instituição de ensino, garantida, nesta formação, a base comum nacional.

2.2 Regimento de Funcionamento aos Pais

Para melhor funcionamento do C.E.Is, possuímos um regulamento a ser seguido entregue aos pais no momento da matrícula:

  • Atraso para levar a criança: Será tolerado o tempo máximo de 10 minutos duas vezes no mês. O pai deverá assinar o controle e justificar o atraso diretamente com a coordenadora. No terceiro atraso no mês, os pais serão encaminhados a sede administrativa. Caso exceda o tempo de tolerância a criança só será recebido no outro dia conforme regimento;
  • Atraso para buscar a criança: O pai deverá assinar o controle mediante justificativa a professora responsável pela criança no momento da entrega. Serão tolerados dois atrasos no mês. No terceiro atraso o pai deverá assinar o controle e será encaminhada a sede. No caso do transporte escolar o motorista é a pessoa responsável pela criança e deverá justificar os atrasos;
  • Faltas sem justificativa: Serão toleradas três faltas no mês. O pai ou responsável deverá assinar o controle de faltas. Na quarta falta sem justificativa os pais serão encaminhados a sede e a criança só poderá retornar mediante autorização por escrito. Caso exceda três faltas sem justificativa ou comparecimento dos pais na sede, haverá perca da vaga. Sempre que houver desistência os pais deverão avisar a professora o mais breve possível. Poderá ser considerado como justificativa declaração de atendimento do Pronto Atendimento ou receita médica com data da consulta;
  • Consultas médicas: O pai ou responsável deverá avisar a professora com antecedência justificando a saída antes do horário ou chegada mais tarde não necessitando comunicação interna da sede. Ao retornar ao CEI apresentar declaração de atendimento, atestado médico ou receita com a data de atendimento. Medicações serão ministradas somente com receita médica e os horários especificados na caixa ou agenda. Mesmo que a medicação não seja ministrada no CEI os pais deverão entregar cópia de receita para arquivar junta a matrícula (algumas medicações podem ocasionar reações);
  • Faltas com atestado: Os pais deverão respeitar o tempo de afastamento da criança específico no atestado. Caso as faltas ultrapassem os dias de atestado a criança será aceita e os pais deverão assinar o controle de faltas sem justificativa não havendo necessidade de encaminhar-se a sede, somente em caso destas faltas ultrapassarem três dias; 
  • Vacinação: O pai ou responsável deverá avisar a professora com antecedência justificando a saída antes do horário ou chegada mais tarde não necessitando comunicação interna da sede. Ao retornar ao CEI deverá apresentar carteira de vacina. Caso a criança seja vacinada no período da manhã e levada ao CEI e apresentar reações durante o dia, os pais serão solicitados a ir buscá-lo; 
  • Exames clínicos: O pai ou responsável deverá avisar a professora com antecedência justificando a saída antes do horário ou chegada mais tarde não necessitando comunicação interna da sede. Ao retornar ao CEI apresentar declaração de realização de exame ou protocolo com data de retirada do mesmo. As professoras não são responsáveis pela coleta de materiais para exames;
  • Acidentes: Em caso de acidentes, a sede administrativa será avisada, tomando imediatamente as providências cabíveis. Após os pais serão comunicados, dando-lhes ciência da situação, procedimentos e providências tomadas e solicitando o seu acompanhamento caso faça-se necessário. Toda vez que a criança chegar ao CEI com qualquer tipo de hematoma, corte, queimadura, etc, os pais têm por obrigação dar ciência as professoras e preencher a ficha de incidentes;
  • Saídas antes do horário: Em caso de necessidade de retirada da criança do CEI antes do horário, os pais deverão dirigir-se à sede administrativa para solicitar autorização por escrito. Autorizações não serão dadas via telefone e deverão ser solicitadas somente pelos pais da criança;
  • Em caso de febre: Ao suspeitar de febre tomar as seguintes medidas: Em caso de temperatura superior a 37.8C° os pais serão comunicados imediatamente e solicitados a buscar a criança para as providências cabíveis. Os pais deverão exigir a medição da febre no momento de sua chegada para que tenha ciência da real situação da saúde de seu filho. A criança só será aceita no outro dia mediante comprovação de atendimento médico (UPA ou posto de saúde). Atestados e receitas rasurados, adulterados é crime passível de punição.
  • Em casos de situações como: vômitos, diarréia, gripes fortes, respiração ofegante, tosse forte, feridas, os pais serão comunicados, solicitando as devidas providências. Caso haja percepção de negligência dos pais persistindo os sintomas, os mesmos serão solicitados a comparecer à sede administrativa. 

OBS: Se houver desrespeito quanto aos horários, poderá ser comunicado o Conselho Tutelar, pois, não vir buscar seu filho no horário representa negligência por parte dos pais. 

  • Os pais e funcionárias deverão tratar-se com respeito. Evitar reclamação ou discussão na porta em frente às crianças e demais pais, ou uso de meios de comunicação como facebook ou watsApp para reclamações;
  • Os pais deverão comparecer as reuniões ou atendimento individual sempre que forem convocados, caso não possam é necessário enviar um representante;
  • Os pais não deverão descuidar-se da higiene de seus filhos, mantendo sempre as unhas cortadas e os cabelos livres de piolhos;
  • Para todas as crianças mandar uma sacola grande (mochila).
Berçário I

  • 06 unidades de fraldas diariamente;
  • Roupas para trocas conforme estação, em quantidade suficiente;
  • Lenços umedecidos opcional dos pais;
  • Sacolinha plástica para roupas sujas;
  • Pomada para assadura;
  • Agenda ou caderno para comunicação escola, pais.
  • Calçados adequados para estimulação do caminhar. 
Berçário II

  • 04 unidades de fraldas diariamente;
  • Roupas para trocas conforme estação, em quantidade suficiente;
  • Lenços umedecidos opcional dos pais;
  • Sacolinha plástica para roupas sujas;
  • Pomada para assadura;
  • Agenda ou caderno para comunicação escola, pais.
  • Chinelo com elástico ou sandália;
  • Boné e prendedor de cabelo;
  • Crianças em período de desfralde mandar de 3 a 4 calcinhas ou cuecas.
Maternal I

  • Fralda se necessário, 04 unidades diariamente;
  • Roupas para trocas conforme estação, em quantidade suficiente;
  • Sacolinha plástica para roupas sujas;
  • Agenda ou caderno para comunicação escola, pais.
  • Chinelo com elástico ou sandália;
  • Boné e prendedor de cabelo;
  • Crianças em período de desfralde mandar de 3 a 4 calcinhas ou cuecas.
Maternal II

  • Roupas para trocas conforme estação, em quantidade suficiente;
  • Sacolinha plástica para roupas sujas;
  • Agenda ou caderno para comunicação escola, pais.
  • Chinelo com elástico ou sandália;
  • Boné e prendedor de cabelo;

  • Sempre que houver reclamações ou dúvidas, os pais deverão solicitar conversa com a professora ou coordenadora caso necessitar dirigir-se a Sede Administrativa da ACEIAS, para conversar com a Coordenação dos Centros de Educação Infantil, para esclarecimentos;
  • Caso necessitar a professora solicitará um colchonete encapado com napa, lençol com elástico, um travesseiro com fronha e um cobertor, para o repouso de seu filho na creche, com identificação da criança;
  • Criança diagnosticada com intolerância a alguns alimentos, trazer laudo médico na sede administrativa, para adaptação do cardápio;
  • As crianças deverão ser levadas ou retiradas do C.E.I., pelos pais ou responsáveis. Em casos eventuais de avós, tios, vizinhos ou qualquer parente precisar buscar a criança no final da tarde, os pais têm a necessidade de comunicar as professoras, preferencialmente com bilhetes registrados na agenda, dando ciência do grau de parentesco e o nome desta pessoa. Solicitar a pessoa que for buscar a criança que apresente um documento de identificação para a professora;
  •  As crianças não serão entregues para menores de 14 anos. No caso de irmãos ou adolescentes necessitarem retirar a criança do CEI os pais deverão preencher e assinar ficha de autorização;
  • Sempre que houver mudança de endereço, telefone ou local de trabalho é obrigatório informar a professora para atualização dos dados na matrícula.
  • Mediante autorização dos pais, o CEI usará a imagem das crianças no facebook e site da instituição. O facebook será usado como um feedback das experiências e as vivências do dia a dia. (Evitar usar este meio de comunicação para tirar duvida e realizar reclamações);
  • Evitar trazer a criança com alimentos para a sala de aula, brinquedos somente quando solicitado pela professora. Não trazer as crianças com pulseiras, anel e acessórios de cabelo que apresentam perigo;

Os aniversários serão comemorados conforme calendário estabelecido pela sede administrativa e será de forma coletiva, sendo proibido pela vigilância sanitária fazer festa individual na creche ou trazer algum tipo de alimento.

  • 2.3 Proposta de Articulação Escola – Família – Comunidade

As crianças atendidas pelo centro de educação infantil são provenientes de diversos tipos de família: sendo, família nuclear que é constituída pelo pai e mãe e filhos, proliferam-se as famílias monoparentais nas quais apenas a mãe ou o pai está presente. Existem ainda as famílias que se reconstituíram por meio de novos casamentos e possuem novos filhos advindos dessas relações. Há também as famílias extensas, nas quais convivem na mesma casa parentescos diversos. É possível ainda encontrar várias famílias coabitando em uma mesma casa.

A criança tem o direito a ser criada e educada no seio de sua família. O Estatuto da Criança e do Adolescente reafirma em seus termos que a família é a primeira instituição social responsável pela efetivação dos direitos básicos das crianças. Cabe, portanto às instituições estabelecerem um diálogo aberto com as famílias, considerando-as como parceiras e interlocutores no processo educativo infantil.

A família é o contexto que mais influência o desenvolvimento das crianças, razão pela qual ela deve estar bastante próxima das equipes escolares da educação infantil. Desse modo, o compartilhamento de responsabilidades sociais entre família e educadores tem sido cada vez mais necessários. 

Através de reuniões de pais, atendimento individual, o CEI procura compreender o que acontece com as famílias, suas dificuldades, seu anseio; ao mesmo tempo em que, lhes coloca a par de todos os procedimentos que ocorrem dentro da Instituição, referentes à educação de seus filhos.

As reuniões de pais são desenvolvidas pelo corpo docente dos centros de educação infantil. Contamos também com a colaboração de profissionais de diversas áreas os quais realizam um trabalho voluntário junto a Instituição através de palestras. Nelas são usadas diferentes metodologias visando um ambiente agradável e receptível aos pais. Dentre as atividades desenvolvidas podemos citar: debates, teatros, mensagens, reflexões e avaliações em torno do trabalho desenvolvido 

Em datas preestabelecidas em calendário letivo os pais são convidados a comparecer ao C.E.I, para entrega da ficha de avaliação individual, momento este em que a professora poderá realizar atendimento a família.

Os atendimentos individuais às famílias são realizados no próprio CEI pela professora ou coordenadora e em casos de necessidade recebe o suporte da supervisora ou coordenadora pedagógica. 

Cada situação vivenciada pela família é avaliada e após diagnóstico a profissional realiza o acompanhamento conforme a necessidade apresentada. 

Em datas comemorativas como dia das mães, dos pais, festa junina, Noite Cultural, dia da família na escola, família e comunidade são convidadas a interagir com a escola por meio de homenagens, oficinas, danças, teatro, cantos e poesia. 

O centro de educação infantil também interage com a comunidade Caçadorense através do trabalho voluntário de senhoras, as quais carinhosamente nomeamos “madrinhas” dos centros de educação. Em datas comemorativas como páscoa, dia das crianças são realizadas festas, com cardápio variado e presente proporcionando a alegria das crianças. 

Tendo em vista a importância desta relação família x escola, a educação infantil precisa manter uma política de parceria com as famílias, não só em eventos escolares, mas cotidianamente no compartilhamento das aprendizagens das crianças e na valorização das relações com a comunidade escolar, bem como em momentos pontuais de orientação e trocas de experiências relacionadas a questões educativas.   

  • 2.4 Organização das Horas Atividades

2.4.1 Hora Atividade

O PREFEITO MUNICIPAL DE CAÇADOR, usando das suas atribuições legais, nos termos do art. 79, inciso 8, da lei orgânica do município de Caçador, mais o previsto nas Leis n 9.394/1996, 11.738/2008 e Lei Complementar 286/2014, DECRETA:

Art. 1 A hora atividade extraclasse será implantada no âmbito do Magistério Publico Municipal de Caçador, observados os critérios e condições previstos na Lei de diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9.294, de 20 de dezembro de 1996), implementada pela Lei 11.738, de 16 de julho de 2008 e Lei complementar Municipal 286 de 16 de dezembro de 2014, no Projeto Politico Pedagógico das unidades Municipais de Educação, devidamente homologado pela secretaria municipal da educação e neste Regulamento;

Art. 2 Fica assegurado aos profissionais do Magistério no exercício da função de docência dos C.E.I´s e unidades educacionais vinculadas a secretaria municipal de educação (SME) período de hora atividade extraclasse, correspondentes a um terço da respectiva carga horária semanal de trabalho, para o exercício de atribuições não relacionadas ao desempenho das atividades de interação com os educandos.

Parágrafo único: a hora atividade será exercida preferencialmente nos órgãos e unidades educacionais de atuação do docente.

Em cumprimento ao decreto e as Leis acima citadas segue a organização dos horários, de cada funcionaria, das horas atividades exercida pela professora bem como cronograma organizacional de apoio das professoras auxiliares.

  • 2.5 Associação de Pais E Professores – APP

A APP é uma entidade jurídica de direito privado, criada com a finalidade de colaborar para o aperfeiçoamento do processo educacional, para a assistência escolar e para a integração escola comunidade. Atualmente sua principal função é atuar em conjunto com a direção do C.E.I na organização e distribuição dos recursos financeiros.

Assim sendo, a APP é eleita através de nomeação voluntária de pais, professores e componentes da comunidade escolar em Reunião Convocada em edital, exercendo as respectivas funções no período de dois anos consecutivos havendo possibilidade de prorrogação por mais dois anos.

2.5.1 Regimento Interno da Associação de Pais E Professores – APP

Determinações Internas e recomendações éticas:

  • Todos os componentes eleitos da Associação de Pais e Professores – APP, tem que se comprometer por um período de dois anos (24 meses) consecutivos a colaborar com o Centro de Educação Infantil – CEI;
  • Ser pontual e comprometer-se a frequentar todas as reuniões estabelecidas pela associação;
  • Nunca deixar documentos correspondentes à associação fora dos arquivos estabelecidos;
  • Ser comprometido com o cargo que assumiu na associação;
  • Decisões estabelecidas pela APP  tem que ser cumpridas por todo o grupo de trabalho;
  • Primar pelo bom relacionamento com as professoras e demais funcionárias do CEI X Comunidade X Pais;
  • Tudo o que for adquirido com o Programa Dinheiro Direto na Escola – PDDE  deverá ser registrado no livro TOMBO;
  • Se acontecer estrago dos equipamentos adquiridos pelo PDDE, a Associação determinará se a responsável terá que ressarcir o CEI;
  • Qualquer decisão da APP deverá acontecer com o consenso de todo o grupo;
  • Componentes da APP tem pleno acesso as dependências do CEI, mas sem interferir em seu andamento e organização;
  • O presidente e o tesoureiro da APP deverá estar comprometido e ter disponibilidade para horário de Banco e de comércio;
  • Comprometer-se a ajudar nas promoções realizadas em beneficio ao CEI;
  • Acompanhar as compras realizadas com o dinheiro do PDDE;

Siglas:

CEI – Centro de Educação Infantil

APP – Associação de Pais e Professores

PDDE – Programa Dinheiro Direto na Escola

  • 2.6 Organização de Funcionamento da Sala Multifuncional

2.6.1 Objetivos do Atendimento Educacional Especializado (A.E.E)

  • Integrar a criança na comunidade escolar,
  • Estimular seu desenvolvimento dentro de suas capacidades,
  • Capacitar o professor para que este possa aproximar-se de seu aluno e auxiliá-lo em seu desenvolvimento de forma positiva,
  • Oferecer um conjunto de experiências individualizado através do atendimento educacional especializado (AEE), nas salas multifuncionais,
  • Oferecer acompanhamento individual do aluno não matriculado em S.R.M, mas matriculado somente em sala comum que apresente dificuldades em seu desenvolvimento, visando à busca de ações e orientações ao professor.
  • Estabelecer critérios de avaliação que atendam às necessidades dos alunos,
  • Facilitar o acesso físico a estes alunos fazendo adaptações quando assim se fizer necessário,
  • Dar continuidade no desenvolvimento profissional da equipe pedagógica através de estudos aprofundando-se nos casos que venham a surgir.
  • Realizar trabalho sistemático junto à família,
  • Proporcionar ao corpo docente como um todo, momentos de estudo voltada a educação especial na perspectiva da inclusão escolar,
  • Proporcionar aos professores dos alunos com deficiência, matriculados ou não em S.R.M, que apresente dificuldades em seu desenvolvimento momentos individuais para avaliação e planejamento,
  • Realizar reuniões periódicas com o corpo docente.

2.6.2 Alunos não Matriculados em Sala de Recursos Multifuncional (SRM)

  • Reuniões trimestrais onde serão discutidos, analisados, avaliados, e adaptadas as formas de trabalho com o aluno com atraso em seu desenvolvimento que não esteja matriculado em SRM. Cabe salientar que o aluno não desenvolve atividades diferentes do grupo, mas, o planejamento do professor devera adaptar-se para que dentro de suas capacidades possa usufruir das propostas de trabalho;
  • No mínimo dois encontros no ano com o grupo de professoras de alunos com necessidades educacionais especiais, para realização de técnicas, dinâmicas, e estudos para troca de ideias e elaboração de melhores metodologias;
  • No mínimo dois encontros com todo grupo docente para estudos voltados a educação inclusiva, uma vez que entendemos a necessidade de estarmos preparados para atender estes alunos muito antes de sua chegada à escola para que quando isto acontecer, o ambiente que lhe espera seja propício a suas necessidades, bem como temos a visão de que o aluno com necessidades educacionais especiais não é responsabilidade exclusiva do seu professor em sala de aula, mas sim da escola;
  • Acompanhamento em sala de aula do professor para que seja analisado seu planejamento, organização do ambiente, material disponível, desenvolvimento das atividades para as devidas orientações;
  • Atendimento individual do professor no CEI sempre que necessário para orientação, avaliação, e troca de idéias;
  • Atendimento dos pais para orientação, avaliações e encaminhamento sempre que necessário para auxílio do diagnóstico; 
  • Elaboração de relatórios avaliativos escolares sempre que solicitado pela família, área social e da saúde;
  • Acompanhamento do aluno em diferentes momentos do dia para análise de seu desenvolvimento individual, em grupo, suas dificuldades e necessidades para melhor orientar o professor em seu planejamento e organização do ambiente escolar;
  • Visitas semanais no CEI para levantamento das necessidades, dificuldades, visando à busca de estratégias para melhor organizar e desenvolver o trabalho pedagógico, bem como solicitação de mudanças no espaço físico e materiais necessários;
  • Leitura do planejamento diário do professor avaliando sua proposta de trabalho sugerindo modificações ou complementação quando assim se fizer necessário;
  • Estes trabalhos com as crianças não matriculadas em sala multifuncional serão realizados pela coordenadora pedagógica com formação em Psicopedagogia em conjunto com a professora de AEE. Conforme as necessidades educacionais apresentadas pela criança a professora de AEE se deslocará até o Centro de Educação de origem deste aluno que não dispõe de sala multifuncional para realização de atendimento educacional especializado.

2.6.3 Alunos Matriculados em Sala de Recurso Multifuncional – SRM

  • Reuniões trimestrais onde serão discutidas, analisadas e adaptadas as formas de trabalho com aluno matriculado em SRM, entre a professora de sala comum e a professora de SRM;
  • Acompanhamento em sala comum do professor e leitura de seu planejamento para que seja analisado, sugerir organização do ambiente e definir materiais para o desenvolvimento das atividades e as devidas orientações;
  • Atendimento individual do professor e demais funcionários do CEI, sempre que necessário para orientação e avaliação, troca de ideias e solicitações de mudanças no espaço físico e pedagógico;
  • Acompanhamento do aluno em diferentes momentos do dia para análise de seu desenvolvimento individual, em grupo, suas dificuldades e necessidades para melhor orientar o professor em seu planejamento e organização do ambiente escolar;
  • Realizar planejamento anual para cada aluno prevendo ações pedagógicas dentro de suas necessidades especiais para um melhor desenvolvimento;
  • Realizar planejamento diário tendo como ponto de partida o planejamento anual do professor de AEE e do plano mensal do professor de sala comum, buscando estratégias diárias conforme as necessidades encontradas;
  • Organizar, registrar e desenvolver um cronograma com as atividades semanais a serem desenvolvidas na sala multifuncional, bem como relatar as ações;
  • Avaliar o desenvolvimento do aluno em boletim especifico para sala de recurso entregando aos pais em momento de reunião;
  • Realizar avaliações sempre que solicitado pela área da educação, social ou de saúde; 
  • Realizar atendimento individual das famílias sempre que necessário;
  • Acompanhar o aluno em experiências e atividades junto a sala comum dentro da proposta da professora. 
  • 2.6.4 Proposta de Articulação Escola – Família

“A valorização e conhecimento das características étnicas e culturais dos diferentes grupos sociais que compõe a nossa sociedade, e a critica às relações discriminatórias e excludentes indicam que caminhos devem ser trilhados na relação entre as instituições”. (Portal do MEC)

A construção de uma sociedade inclusiva exige mudança de ideias e de práticas construídas ao longo do tempo. É importante se prover de cuidados e apoio à família e a comunidade, para que as crianças e adolescentes tenham condições favoráveis para um desenvolvimento saudável.

Sabe-se, entretanto, que a família tem encontrado, historicamente, numa posição de dependência de profissionais em diferentes áreas do conhecimento, no sentido de receberem orientações de como proceder em relação às necessidades especiais de seus filhos.

É muito comum ver famílias se movimentando, em busca de atendimento ou mesmo frequentando serviços diferentes, sem ter noção do que é que estão fazendo. Constata-se que a relação entre família e profissionais tem sido uma relação de poder do conhecimento das decisões do que é melhor para seus filhos.

Trabalhos em grupo favorecem a troca de experiências e permitem reflexão sobre atitudes de enfrentamento e gerenciamento das dificuldades cotidianas com seu filho ou filha, no contexto familiar e mesmo na orientação para encaminhamento nas áreas de saúde e educação, com vista à inclusão.

Para que isto venha a ocorrer está previsto na adaptação da proposta pedagógica a participação dos pais nas reuniões trimestrais organizadas em calendário para todas as turmas fazendo assim parte do grupo de pais, tendo acesso a informações do trabalho realizado no centro de Educação Infantil. Intercalada a estas reuniões são realizados:

  • Atendimentos Individuais,
  • Visitas Domiciliares,
  • Acompanhamento em consulta médica quando necessário,
  • Elaboração e encaminhamento de relatórios à área da saúde sempre que solicitados,
  • Orientação e encaminhamentos a área social e de saúde e demais órgãos, dentro das necessidades do aluno e da família que possam contribuir para um ambiente familiar favorável,
  • Encaminhamento e acompanhamento às instituições que contribuem para a inclusão destes alunos como, APAS, APAE, CRAS, CREAS, Conselho Tutelar e SRM (AEE),
  • Participação das reuniões de rede para avaliar e buscar ações mediante a situação vivenciada por algumas destas famílias, 
  • Realizar reunião com a comunidade escolar para explanação dos trabalhos realizados e entendimento do que consiste a sala Multifuncional (AEE),

  • 2.6.5. Regimento Interno da Sala de Recursos Multifuncional/ Secretaria Da Educação

2.6.5.1 Disposições Gerais.

Art. 1º – As salas de recursos multifuncionais, situada na Escola Municipal de Educação Básica Hilda Granemann de Sousa, Escola Municipal de Educação Básica Henrique Júlio Berger, Escola Municipal de Educação Básica Tabajara, Escola Municipal de Educação Básico Alto Bonito, Escola Municipal de Educação Básica Morada do Sol, Escola Municipal de Educação Básica Ulysses Guimarães, Escola Municipal de Educação Básica Esperança, Escola Municipal de Educação Básica Colônia Polidoro, Escola Municipal de Educação Básica Alcides Tombini, Escola Municipal de Educação básica Irmão Venâncio, Escola Municipal de Educação Básica Padre José Chamot, Escola Municipal de Educação Básica Pierina Santin Perret, Escola Municipal de Educação Básica Castelhano, Escola Municipal de Educação Básica Maria Luiza Barbosa, Centro de Educação Infantil Sonho Encantando, Centro de Educação Infantil Cinderela e Centro de Educação Infantil Professor Pardal, mantidas em parceria com o MEC/SECADI e pela Prefeitura Municipal de Caçador e administrada pela Secretaria Municipal de Educação que atenderá alunos das E.M.E.B regidas por este Regimento Escolar Interno e nos termos da Legislação em vigor.

2.6.5.2 Objetivos Princípios e Finalidades

Art.2º – A sala de Recursos Multifuncionais mantidas pela Prefeitura Municipal de Caçador/SME, em parceria com o MEC/SECADI segue os princípios e Diretrizes da Cartilha Sala de Recursos Multifuncionais: espaço para atendimento educacional especializado – fornecida e elaborada pelo Ministério da Educação /Secretaria de Educação Especial, atendendo a Legislação em vigor.

O atendimento educacional especializado deve oferecer todas as oportunidades possíveis para que os espaços educacionais em que ele acontece, o aluno seja incentivado a se expressar, pesquisar, inventar hipóteses e reinventar o conhecimento livremente.

O objetivo do atendimento educacional especializado é proporcionar condições e liberdade para que o aluno com necessidades educacionais especiais possa construir a sua inteligência, dentro do quadro de recursos intelectuais que lhe é disponível, tornando-se capaz de produzir significado/conhecimento.

Neste sentido, o atendimento educacional especializado não pode ser confundido com atividades de mera repetição de conteúdos programáticos desenvolvidos na sala de aula, mas devem constituir um conjunto de procedimentos específicos mediadores do processo de apropriação e produção de conhecimentos.

2.6.5.3 Composição

Art.3º – A organização interna compreende todos os órgãos necessários para o funcionamento da Sala de Recursos Multifuncionais assim constituída:

I – Supervisão

II – Professor

III – Alunos

2.6.5.4 Supervisão

Art. 4º A Secretaria Municipal de Educação é o órgão que administra as atividades escolares da Sala de recursos Multifuncionais, no sentido de garantir o alcance dos objetivos educacionais desta, definidas no seu Plano de Trabalho.

Parágrafo Único: A Supervisão mencionada no capítulo anterior é exercida pelo responsável da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva da secretaria Municipal de Educação.

Art. 5º Compete ao Supervisor:

  • Coordenar a organização e o funcionamento das atividades docentes e discentes.
  • Coordenar e acompanhar a execução e avaliação do Plano de Trabalho.
  • Supervisionar a frequência assiduidade dos alunos e professor, bem como o desempenho e aproveitamento dos mesmos.
  • Coordenar a elaboração do calendário escolar, garantindo o seu cumprimento.
  • Divulgar o Regimento Interno zelando pelo seu cumprimento.
  • Acompanhar o Plano de Aplicação financeira de verbas recebidas e receptiva prestação de contas.
  • Inteirar-se das atividades de ensino em todos os assuntos a que se referem ao atendimento.
  • Aplicar penalidades disciplinares ao professor e ao aluno segundo disposições desse regimento.

2.6.5.5 Professor

Art.6º O professor da Sala de Recursos Multifuncionais deverá ter curso de graduação, pós – graduação e ou formação continuada que o habilite para atuar em áreas de Educação Especial para o atendimento às dos alunos.

Art. 7º Compete ao professor da Sala de Recursos Multifuncionais:

  • Atuar como docente nas atividades de complementação ou suplementação curricular especifica que constitui o atendimento educacional especializado dos alunos com deficiência;
  • Atuar de forma colaborativa com o professor da classe comum para a definição de estratégias pedagógicas que favoreçam o acesso do aluno com necessidades educacionais especiais ao currículo e a sua interação no grupo;
  • Promover as condições para a inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais em todas as atividades da escola;
  • Orientar as famílias para o seu envolvimento e a sua participação no processo educacional;
  • Informar a comunidade escolar acerca da legislação e normas educacionais vigentes que asseguram a inclusão educacional;
  • Participar efetivamente da identificação e tomada de decisões acerca do atendimento às necessidades educacionais especiais dos alunos;
  • Preparar material específico para uso dos alunos da Sala de Recurso Multifuncional;
  • Orientar a elaboração de materiais didáticos – pedagógicos que possam ser utilizados pelos alunos nas classes comuns do ensino regular;
  • Indicar e orientar o uso de equipamentos e materiais específicos e de outros recursos existentes na família e na comunidade;
  • Articular, com gestores e professores, para que o Projeto Pedagógico da Instituição de Ensino se organize coletivamente numa perspectiva de Educação Inclusiva.

2.6.5.6 Aluno

Art. 8º – A Sala de Recursos Multifuncionais é um espaço para alunos que apresentam ao longo de sua aprendizagem, alguma necessidade educacional especial, temporária ou permanente, compreendida, segundo as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica, divide-se em três grupos, conforme Resolução 04 de 02 de outubro de 2009.

I – Alunos com deficiência: aqueles que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, intelectual, mental ou sensorial

II – Alunos com transtornos globais do desenvolvimento: aqueles que apresentam um quadro de alterações no desenvolvimento neuropsicomotor, comprometimento nas relações sociais, na comunicação ou estereotipias motoras. Incluem-se nessa definição alunos com autismo clássico, síndrome de Asperger, síndrome de Rett, transtorno desintegrativo da infância (psicoses) e transtornos invasivos sem outra especificação.

III Alunos com altas habilidades/superdotação: aqueles que apresentam um potencial elevado e grande envolvimento com as áreas do conhecimento humano, isoladas ou combinadas: intelectual, liderança, psicomotora, artes e criatividade.

É de direito dos alunos serem tratados com respeito e atenção pela equipe diretiva,  professores, funcionários, enfim toda comunidade escolar.

É dever dos alunos: frequentar com assiduidade as aulas; comparecer as aulas nos horários estabelecidos; zelar pela limpeza e conservação das instalações das dependências, materiais moveis e utensílios; sempre justificar quando faltar; os alunos não poderão ausentar-se do estabelecimento sem justificativa dos pais ou responsáveis; respeitar as normas disciplinares constantes neste Regimento e comparecer pontualmente as aulas.

É vetado ao aluno: entrar e sair da sala sem autorização do professor; faltar com respeito aos funcionários da Escola, professores e colegas; estragar as dependências, materiais moveis e utensílios da Escola e usar palavras de baixo calão.

2.6.5.7 Família

Art.9º Faz-se necessário que a família construa conhecimentos sobre as necessidades educacionais especiais de seus filhos, bem como desenvolva competências de gerenciamento do conjunto dessas deficiências e potencialidades. É essencial que se invista na orientação e no apoio à família, para que esta possa melhor cumprir com seu papel educativo junto a seus filhos.

O processo de educação deve ter início na geração estendendo-se por toda a infância, como responsabilidade da família, com o apoio do Poder Público e da comunidade. Sansões da Família: no ato da matrícula os pais ou responsáveis deverão estar cientes de que duas faltas consecutivas sem justificativas o aluno será comunicado ao apoio pedagógico da escola que ficará responsável de entrar em contato com a família e junto a professora da Sala de Recursos averiguar o porquê das faltas e reforçar a importância do atendimento na Sala de Recursos. Em última instância será encaminhado à família para as devidas providências do Conselho Tutelar.

2.6.5.8 Funcionamento

Art. 10º A Sala de Recursos Multifuncionais atenderá alunos de 0 a 5 anos à educação em creches e pré – escolas já assegurado na Constituição de 1988 e reafirmado no Estatuto da Criança e do Adolescente de 1990 e 4 a 17 anos, conforme Lei 9394/96 e Lei 11.274 e com atendimento individual ou em pequenos grupos de no máximo quatro, uma, duas ou três vezes por semana dependendo da necessidade, uma hora de atendimento cada grupo/individual, no contra turno, sendo que na sexta feira a professora da sala do AEE utilizará esse tempo para preparação de materiais, visitas as Unidades Escolares que tem alunos atendidos e orientação aos professores.

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL TIO PATINHAS

2.7 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Tio Patinhas;

Código da Escola: 42071453;

Localização: Rua Julia Gioppo Carneiro 103 – Bairro Gioppo;

Área territorial: 817,69 m

 Área construída de 496,37m2;

Capacidade de atendimento: 102 crianças.

Espaço físico

  • 05 salas de atividades.
  • 01 sala berçário.
  • 01 lactário.
  • 03 banheiros infantis com fraldário. 
  • 01 banheiro adulto.
  • 01 cozinha.
  • 01 depósito para alimentos
  • 02 copas.
  • 01 refeitório.
  • 01 vestiário para funcionárias.
  • 01 área de serviço
  • Parque infantil.
  • Área verde.
  • Área coberta 

2.7.1 Histórico do Centro de Educação Infantil

O Centro de Educação Infantil Tio Patinhas está localizado na Cidade de Caçador, SC, na Rua Julia Gioppo Carneiro, nº 103, no Bairro Gioppo. Sendo  inaugurado em Novembro de 1988.

No início de suas atividades o CEI Tio Patinhas pertencente a Instituição COMAM (Comissão Municipal de Assistência ao Menor) como era chamada na época, atendia crianças de 0 à 3 anos e em parceria com o SESI(Serviço Social da Indústria), onde eram atendidas crianças de 4 à 6 anos.

Em 1992 as duas Instituições com novas estruturas e reordenamentos rompem a parceria iniciando a responsabilidade do Centro de Educação Infantil o atendimento de todas as faixas etárias. 

A procura por vagas era grande, por conta da necessidade da mulher contribuir com a renda familiar, assim ganhou espaço no mercado de trabalho e junto a esta nova realidade social o CEI foi ganhando novos conceitos e paradigmas em torno da criança e seu desenvolvimento. 

Em 2008 houve necessidade de ampliar o CEI Tio Patinhas, onde o número de crianças era alto e o espaço já não era mais suficiente. Então foram feitas mais duas salas de aula, um refeitório coberto, cozinha e copa, conforme a exigência da Vigilância Sanitária.

Em 2012 a coordenadora responsável era Marlene Vanelli Veber após  sua transferência de CEI, assume a coordenação Rosângela Ferlin que permaneceu  até 2017 onde mudou sua função de coordenadora para professora do AEE (atendimento educacional especializado). A partir de então Lindamir Costa Moreira passou a exercer a função de coordenadora. Em 2018 Leisiane Freitas assumiu a coordenação deste CEI, em Novembro 2018 Lindamir Costa Moreira após anos dedicados a educação infantil desligou-se da instituição para desfrutar da sua aposentadoria, Lindamir atuava na instituição a aproximadamente 25 anos e participou da emancipação dos direitos da criança no que diz respeito a educação infantil, através do acompanhamento dos trabalhos desenvolvidos nessa instituição.

   Hoje o CEI dispõe de um espaço voltado as necessidades de desenvolvimento infantil atendendo crianças de zero a três anos e onze meses com proposta pedagógica tendo como eixo a Base Nacional Comum Curricular. 

Neste espaço são desenvolvidas experiências pedagógicas previstas em planejamento visando o pleno desenvolvimento das crianças atendidas.

  • 2.7.2Histórico do Bairro Gioppo

O bairro Gioppo se originou em 1918, com a vinda dos italianos José Gioppo e Luiz Tortatto, da cidade de Porto União, a fim de montar em sociedade a empresa “Gioppo/Tortatto”, uma fábrica para beneficiar madeira, a primeira da região. Em 1920 a sociedade Gioppo-Tortatto foi desfeita e o Sr. José (Giuseppe) comprou dos irmãos Carneiro 22 alqueires de terra, cuja demarcação começava na foz do rio Caçador e seguia morro acima, em linha reta. A família Gioppo havia adquirido as terras da grande curva do rio Caçador, hoje o bairro Caçadorense leva seu nome  –  Bairro Gioppo, sendo então este o primeiro e mais antigo bairro de Caçador.

As primeiras famílias que ali se instalaram foram Gioppo, Tortatto, Timermann, Brasil e Carreta. A esposa do Sr. José Gioppo, Dona Margarida Gioppo, antes de falecer, junto aos herdeiros, doou à comunidade do Bairro um terreno para a construção de uma Capela, cujo padroeiro é São José Operário. O Bairro sempre foi um local preferido pelos operários. 

O pioneirismo do Bairro também se firmou através da indústria, moinhos, fábrica de cadeiras, torrefação de café (café Caçador), engarrafamento de bebidas, aguardente e vinagre.  Em 1960 foi fundada a Escola Reunida Prof. Marcírio Maia dando origem à Escola Dante Mosconi, que promove a formação intelectual e humana não só das crianças locais, mas também dos bairros circunvizinhos.

No Bairro Gioppo está localizado também um dos pontos turísticos da cidade, a Ponte em Arco, mais conhecida como Ponte de Ferro, que foi construída junto a Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande pela empresa Brazil Railway Company. Iniciada em 1907 e concluída em 1910, a construção trouxe para a região inúmeros trabalhadores e engenheiros. Originalmente a ponte era de madeira e apenas em 1940 foi reconstruída em ferro para suportar cargas mais pesadas.

Hoje o Bairro apresenta-se diferente de então. Cresceu, suas ruas estão calçadas ou asfaltadas encontramos também nesta localidade a Pisto Olímpica onde nos dias atuais recebe atletas adeptos ao atletismo bem como competições municipais e estaduais. Hoje no bairro há empresas como Somar e Madevali. Também podemos contar com mercados, oficinas, lojas e padarias e a Pedreira da Prefeitura responsável pela pedraria e asfalto das ruas do município. 

  • 2.7.3 Características da População Atendida

Nesse espaço atendem-se crianças de zero a três anos e onze meses de idade, pertencendo a famílias de trabalhadores. Os pais e responsáveis na maioria trabalham em fábricas, comércio, educação e residências. Onde se constata uma melhoria significativa na valorização, qualificação, piso salarial e padrão de vida.

São crianças que na sua maioria possuem como referência familiar, a mãe e o pai e quanto não os avós, tios, padrinhos, não fugindo da realidade vivenciada pela maioria das crianças em nosso país. Independente da composição familiar a qual a criança pertence, estes responsáveis são incentivados a participarem ativamente da vida escolar através de reuniões, palestras e datas comemorativas. 

Porém é visível que a ausência da figura materna durante o dia muitas vezes é compensada com amor e dedicação aos filhos. Haja vista é possível observar que há casos de superação, bem como a negligência para com os mesmos, denotando a situação vivenciada por diversas famílias caracterizando a desestrutura e a modificação na escala de valores presentes, bem como a mudança no modelo tradicional da família.

Desta forma buscamos desenvolver um trabalho integral onde cada criança e sua família seja respeitada em suas particularidades. Estabelecendo assim uma relação positiva entre família x escola onde juntas poderão auxiliar a criança a entender o mundo que a cerca, valorizando a todos, tornando-a cidadão de bem.

Este desenvolvimento e valorização de todos deve ser posta em prática com todas as faixas etárias tendo como base de nosso trabalho o respeito as diferenças dando oportunidades as crianças com características físicas diferentes, advindas de diversas culturas e raças com e sem dificuldades de aprendizagem tornado o trabalho desenvolvido no CEI com equidade. 

Em nosso centro de educação infantil também atendemos crianças com dificuldades em seu desenvolvimento às quais tem seus direitos respeitados através de experiências pedagógicas em sala comum e juntamente intercalados recebem atendimento em salas multifuncionais com atendimento educacional especializado AEE. 

Nesse espaço são atendidas crianças que apresentam laudo médico ou estão em fase de avaliação por apresentar dificuldades de desenvolvimento. 

As crianças atendidas em sala de recurso na grande maioria das vezes chega ao CEI tendo atrasos em seu desenvolvimento não percebidos pela família. Inicia-se assim o acompanhamento, avaliações, atendimentos e encaminhamentos necessários e a incumbência de trabalhar as famílias a aceitação das suas necessidades, com o mesmo amor e respeito por aqueles que as não possuem. 

A família necessita então reestruturar-se para o auxílio necessário para um melhor atendimento destas crianças realizando os procedimentos solicitados, na área da saúde como exames médicos, consultas e demais tratamentos bem como conciliar seu trabalho o qual provêm seu salário e equilibrar seu estado emocional. 

Estas crianças frequentam o CEI, e não sofrem discriminação ou preconceito por parte dos demais alunos e nem de suas famílias uma vez que procuramos desenvolver um trabalho de orientação, conscientização e esclarecimento. Em sala as professoras procuram desenvolver atividades pedagógicas que desenvolvam desde muito cedo o respeito às diferenças.

2.7.4 Missão/ Visão/ Valores

2.7.4.1 Missão

Temos como missão zelar pelo bem-estar de cada aluno, cuidar e educar as crianças com dedicação e seriedade. Estimular o desenvolvimento da autonomia, favorecendo seu pleno desenvolvimento com ações educativas que possibilitem a formação de cidadãos críticos e responsáveis, com direitos e deveres. Contribuir para a formação de crianças criativas e conscientes, respeitando as diferenças, desenvolvendo os sentidos da cooperação, responsabilidade e liberdade de expressão.

2.7.4.2Visão

Oferecer à seus alunos e colaboradores, a possibilidade de se desenvolverem e assim tornando-se cidadãos capazes de contribuir para a evolução da sociedade e da comunidade a que pertence. A instituição se preocupa com uma sociedade mais justa e igualitária à todos.

2.7.4.3 Valores

Nossa prática educacional se baseia na crença de que cada pessoa é capaz de construir seu próprio conhecimento seguindo princípios básicos como:

  • Respeito
  • Comprometimento 
  • Qualidade 
  • Valorização 
  • Fortalecimento
  • 2.7.5 Organização do Funcionamento do Trabalho

O Centro de Educação Infantil Tio Patinhas atende, crianças de zero a três anos e onze meses de idade divididas em turmas de:

  • Berçário I – 0 a 1 ano.
  • Berçário II – 1 a 2 anos.
  • Maternal I – 2 a 3 anos.
  • Maternal II – 3 a 3 anos e onze meses.

Essas crianças na sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe necessita desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral aos seus filhos. Como um dos objetivos da proposta é possibilitar condições a esta mãe de desenvolver tais atividades o regime de funcionamento da ACEIAS segue os seguintes horários:

  • Entrada: 06h30min às 8h00min.
  • Saída: A partir das 17h30min até as 18h30min.

2.7.6 Organização do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 Meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra horários muito rígidos, ela precisa de alguns pontos de referência fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o porquê e o para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar a autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

2.7.6.1 Organizações do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 8h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 8h20min Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico, devendo estas ações ser desenvolvidas em cada troca.
09h30min às 10h30min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II 

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor.

Com pequena pausa para lanchinho e chá

10h30min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II Entremeada de conversas, usando de voz suave, carícias, etc. idem a ação pedagógica/ 3.
11h00min às 12h00min Almoço: Berçário I e II

Higiene Bucal, organização do ambiente para descanso. 

Dialogar estimulando a mastigação, sucção, etc. idem a ação pedagógica/ 2.
12h00min às 14h00min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
14h00min às 14h20min Troca, Higiene. Idem a ação pedagógica / 2 e 3.
14h20min às 14h40min I Lanche: frutas, sucos, etc.
14h40min às 16h00min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h00min às 16h30min II Lanche para Berçário I e II Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação.
16h30min às 18h30min Troca, entrega aos pais: Berçário I e II Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.

OBSERVAÇÃO I: As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

OBSERVAÇÃO II – As turmas de BII, MAT I e II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de BI realizam suas refeições em sua própria sala.

2.7.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h20min

Organização para o café
08h20min às 8h40min Café da manhã Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
08h40min às 9h00min Higiene: escovação. Orientar a criança para uma escovação correta, para a higiene da escova, conservação da higiene do banheiro, desperdício com a água.
09h00min às 11h00min

09h00min às 11h15min 

Experiências dirigidas para maternal I 

Experiências dirigidas para maternal II 

As 10h00min chá para Maternal I e II 

Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.
11h00min as 11h15min

11h15 min 

11h15 às 11h30

11h30min

12h00min

Higiene e preparação para almoço: Maternal I 

Almoço e escovação maternal I 

Higiene e preparação para almoço: Maternal II

Almoço e escovação: maternal II.

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min

13h30min

14h00min

Sono e repouso: Maternal I e II

Despertar e preparação para o lanche

Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 

Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.

14h00min às 14h20min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.
14h20min às 16h30min

14h20min às 16h45min

Experiências dirigidas maternal I 

Experiências dirigidas maternal II

Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h30min às 16h45min

16h45min às 17h00min

II lanche Maternal I

II lanche Maternal II

Idem a ação 2 e 5.
17h00min às 18h30min Organização para saída e entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças. 

2.7.7 Quadro com números de colaboradoras por função

FUNÇÃO  QUANTIDADE HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professora nível superior completo e nível médio  08 Com Curso Superior Completo em Pedagogia e Cursando  40 horas semanais

Turno matutino e vespertino. 

Auxiliar de  desenvolvimento infantil/ Profissional de apoio 09 Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Serventes 02 Ensino Fundamental  40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Merendeira 01 Ensino Fundamental 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora / Coordenadora 01 01 – Superior Completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Professora de sala multifuncional/ AEE 01 Superior completo em Pedagogia.

Pós-graduação em Educação Infantil e Series Iniciais.

Pós graduação em   atendimento educacional especializado 

40 horas semanais.

Atendimento Educacional Especializado individual de no mínimo 40 minutos por aluno, conforme necessidade.

      1. 2.7.7.1Quadro de funcionárias em 08/19

2.7.8 Organização das Turmas com número de vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I 0 a 1 ano 14
Berçário II 1 a 2 anos 16
Maternal I 2 a 3 anos 18
Maternal II 3 a 3 anos e 11 meses.  20
Sala de recurso multifuncional  0 a 3 anos e 11 meses.  Conforme demanda. 

2.7.9 Quadro de organização das horas atividades

  • CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MINNIE

  •  2.8 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Minnei

Código da Escola: 42105323

Localização: Rua: Odelir Godinho s/n Bairro: Bello

Área territorial: 2.013.00

Área construída: 362m2

Capacidade de atendimento: 68

Espaço físico: 

  • 03 Salas de atividades;
  • 01 Sala berçário;
  • 01 Banheiro adulto; 
  • 02 Banheiros adaptados infantil;
  • 01 Fraldário;
  • 01 Cozinha;
  • 02 Copas;
  • 01 Depósito para alimentos;
  • 01 Refeitório;
  • 01 Área de serviço;

01 Ampla área verde;

01 Parque infantil;

01 Lactário;

01 Sala de recurso multifuncional;

01 sala de horas atividades.

2.8.1 Histórico do CEI Minnie

O Centro de Educação Infantil Minnie teve origem no ano de 1987, com o financiamento do Estado de Santa Catarina pela extinta FUCABEM- chamando –se na época de CEBEM- Centro de Bem-Estar do Menor. A parceria entre a antiga Comam e a Fucabem atendia menores de rua e em situação de vulnerabilidade pessoal e social com crianças e adolescentes de 07 a 14 anos de ambos os sexos, realizando atividades recreativas e de artesanato.

 O SESI (Serviço Social da Indústria) atendia crianças em idade pré escolar de 03 à 06 anos. O SESI permaneceu com seus trabalhos nesse espaço até aproximadamente 1995 após essas instituições romperam convênio e o espaço compreendido como CEI Minnie, passou a ser de responsabilidade da Comam que em 2001 denominou-se Aceias atendendo somente as crianças em idade de pré escola de 3 à 6 anos.

 No ano de 2012 foi ampliado o CEI passando de 280 m2 para 362 m2, o que aumentou a capacidade de atendimento, incluindo o berçário I (crianças de 0 a 1 ano) onde havia grande demanda, a coordenação do CEI nesse ano estava sobre responsabilidade de Maria Ozélia Deon.

Em 2013 Marlene Vanelli Veber, assumiu a coordenação deste CEI, pois Maria Ozélia Deon necessitou afastamento para tratamento de saúde, e em 2014 Marlene Veber foi transferida de CEI e a coordenação ficou na responsabilidade de Cristiane Veber até Maio de 2017, em 2016 foi feita ampliação e reforma dos banheiros para melhor atender as crianças com trocadores adaptados.

Após assumiram Patrícia Lima, Gessicka Medeiros, Cristiane Thibes e em 2019 Jorgiana Zander. Nesse período foi construída uma casinha no parque para laser das crianças, revitalizado a fachada e construído a cobertura na parte dos fundos do CEI para proteção da cama elástica adquirida em 2018.

Nesses últimos anos muitos avanços foram alcançados com a implementação do PDDE o CEI foi modernizando seu mobiliário e adquirindo materiais pedagógicos diversificados. 

  • 2.8.2 História do Bairro Bello

Através do professor Nelcir Tesser com apoio do arquivo Municipal e da própria comunidade foi criado um texto disponível no site Caçador online com histórias dos principais bairros da cidade de Caçador com o objetivo de compreender o presente e preparar o futuro resgatando nosso passado.

O bairro surgiu do antigo loteamento Bello, que era de propriedade de Manoel Siqueira Bello, neste loteamento um antigo prefeito de Caçador possuía 375 lotes e uma chácara todos se referiam a este local como chácara do Bello. Na gestão do prefeito Onélio Menta o loteamento Bello passou a chamar-se Bairro Bello. Os filhos de Manoel Bello doaram o terreno para construção de vários segmentos educacionais e esportivos contidos nesse bairro como: a Escola Estadual Graciosa Copetti Pereira, criada em 21/12/1992. O Centro de Educação Infantil Minnie mantido pela instituição Aceias – (Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social), o Ginásio de esportes Estadual criado em 1978 para os jogos abertos de Santa Catarina, nessa época só havia o Ginásio Juventude e o CASEP- (Centro de Atendimento Educacional Provisório).

Hoje o Bairro contém centro comunitário, algumas igrejas, salão de beleza, mercados, mercearias, lojas, oficinas mecânicas e de chapeação, farmácia e padaria.

Fica localizado próximo a pista Olímpica e faz divisa com os bairros: Gioppo, Rancho fundo e Alto Bonito. A maioria das ruas é asfaltada tem pontos de ônibus.

A população do bairro Bello em Caçador, SC é de aproximadamente 3.267 habitantes, composto por 1.600 homens e 1.667 mulheres segundo dados do IBGE de 2010.

  • 2.8.3 Características da População Atendida

            A clientela do Centro de Educação Infantil Minnie é proveniente de famílias diversas e que precisam ser respeitadas e valorizadas dentro de sua diversidade. Podemos observar que as famílias trabalham em fabricas, indústrias, comércio, área da educação, autônomos e em residências, como também à casos de desempregados.

            Com relação à escolaridade dos pais pode-se observar que muitos deles tem cursos superiores, ensino médio completo porem outros são semi-analfabetos ou analfabetos.

             Os pais são críticos, questionadores estão mais presentes na educação com relação ao ensino, buscam interagir na vida escolar de seus filhos.

Desta forma buscamos desenvolver um trabalho integral onde cada criança e sua família seja respeitada em suas particularidades. Estabelecendo assim uma relação positiva entre familiaXescola onde juntas poderão ajudar a criança a entender o mundo que a cerca, valorizando à todos tornando-a cidadã de bem.

Este desenvolvimento e valorização de todos deve ser posta em prática com todas as faixas etárias tendo como base de nosso trabalho o respeito as diferenças dando oportunidade as crianças com características diferentes advinda de diversas culturas e raças com e sem dificuldades de aprendizagem tornando o trabalho o trabalho desenvolvido no CEI com equidade.

Em nosso Centro de Educação infantil também atendemos crianças com dificuldades em seu desenvolvimento as quais tem seus direitos respeitos através de experiências pedagógicas em sala comum e juntamente intercalados recebem atendimento em salas multifuncionais com atendimento educacional especializado (AEE).

Nesse espaço são atendidas crianças que apresentam laudo médico ou estão em fase de avaliação por apresentar dificuldades de desenvolvimento.

As crianças atendidas em sala de recurso na grande maioria das vezes chegam ao CEI tendo atrasos em seu desenvolvimento não percebido pela família. Inicia-se assim o acompanhamento, avaliações, atendimentos e encaminhamentos necessários e incumbência de trabalhar as famílias a aceitação de suas necessidades, com o mesmo  amor e respeito que por aqueles que as não possuem.

A família necessita então reestruturar-se para o auxilio necessário para um melhor atendimento dessas crianças realizando os procedimentos solicitados, na área da saúde como exames médicos, consultas e demais tratamentos bem como conciliar seu trabalho o qual provem seu salário e equilibrar seu estado emocional.

Estas crianças freqüentam o CEI, e não sofrem discriminação ou preconceito por parte dos demais alunos e nem de suas famílias uma vez que procuramos desenvolver um trabalho de orientação, conscientização e esclarecimentos. Em sala as professoras procuram desenvolver as atividades pedagógicas que desenvolvam desde muito cedo o respeito às diferenças.

  • 2.8.4 Missão/ Visão/ Valores

2.8.4.1 Missão

Proporcionar um ensino de qualidade integrando o cuidar, o brincar, e o educar. Onde, o pensamento da criança é respeitado como parte fundamental no processo de construção da sua aprendizagem, através de um ambiente acolhedor e estimulador.

2.8.4.2 Visão

Ser um centro de educação infantil que oferece aos seus alunos e colaboradores a possibilidade de se desenvolverem, tornando-se cidadãos responsáveis, críticos, éticos, comprometidos, capazes de contribuir para evolução da comunidade a que pertencem.

2.8.4.3 Valores

Prezamos por valores como: respeito, profissionalismo, transparência, integridade, ética e o compromisso com a criança, por uma educação de qualidade.

  • 2.8.5 Organização do Funcionamento do Trabalho

O Centro de educação infantil Minnie atende crianças de zero a três anos e onze meses de idade divididas em turmas de:

  • Berçário I – 0 a 1 ano.
  • Berçário II – 1 a 2 anos.
  • Maternal I – 2 a 3 anos.
  • Maternal II – 3 a 3 anos e onze meses.

Essas crianças na sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe necessita desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral aos seus filhos. Como um dos objetivos da proposta é possibilitar condições a esta mãe de desenvolver tais atividades o regime de funcionamento da ACEIAS segue os seguintes horários:

  • Entrada: 06h30min às 8h00min.
  • Saída: A partir das 17h30min até as 18h30min.

2.8.6 Organização do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra a horários muito rígidos, ela precisa de alguns pontos de referências fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o por quê e para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

2.8.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 8h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 8h20min Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico, devendo estas ações ser desenvolvidas em cada troca.
09h30min às 10h30min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor. Com pequena pausa para lanchinho e chá.
10h30min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II Entremeada de conversas, usando de voz suave, carícias, etc. idem a ação pedagógica/ 3.
11h00min às 12h00min Almoço: Berçário I e II Dialogar estimulando a mastigação, sucção, etc. idem a ação pedagógica/ 2.
12h00min às 14h00min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
14h00min às 14h20min Troca, Higiene. Idem a ação pedagógica / 2 e 3.
14h20min às 14h40min I Lanche: frutas, sucos, etc.
14h40min às 16h00min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h00min as 16h15min Preparação para II lanche Dialogar com a criança e prepará-la para alimentação.
16h15min às 16h30min II Lanche (janta) para Berçário I e II Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação.
16h30min às 18h30min Troca, entrega aos pais: Berçário I e II Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.

Observação I As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

Observação II As turmas de BII, MAT I e II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de BI realizam suas refeições em sua própria sala.

2.8.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h20min

Organização para o café
08h20min às 08h40min Café da manhã Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
08h40min às 11h00min

08h40min 11h15min

11h00min as 11h15min

11h15min as 11h30min

Experiências dirigidas. Maternal I

Experiências dirigidas Maternal II.

As 10 horas chá para Maternal I e II.

Preparação e higiene para o almoço. Maternal I.

Preparação e higiene para almoço Maternal II.

Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.
11h15min as 12h00min

11h30min as

12h00min

Almoço maternal I.

Almoço maternal II.

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min

13h30min

14h00min

Sono e repouso: Maternal I e II

Preparação para o lanche

Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 

Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.

14h00min às 14h20min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.
14h20min às 16h30min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências  voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h30min às 16h45min

16h45min às 17h00min

II lanche Maternal I

II lanche Maternal II

Idem a ação 2 e 5.
17h00min às 18h30min Organização para saída e entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças. 

  • 2.8.7 Estrutura Organizacional do CEI

2.8.7.1 Quadro com números de colaboradoras por função

FUNÇÃO  QUANTIDADE HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professora a nível superior  completo e à nível médio. 08 Com Curso Superior Completo em Pedagogia

 Cursando Pedagogia.

40 horas semanais

Turno matutino e vespertino. 

Auxiliar de desenvolvimento infantil/profissional de apoio 04 Com ensino superior em Pedagogia e Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Serventes 02 Com ensino fundamental I e II incompleto 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Merendeira 01 Ensino fundamental I 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora/Coordenadora 01 01 – Superior Completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Professora de sala multifuncional/ AEE 01 Superior completo em Pedagogia.

Pós Graduação em Educação Infantil e Series Iniciais.

Pós Graduação em atendimento educacional especializado

40 horas semanais.

Atendimento Educacional Especializado individual de no mínimo 40 minutos por aluno, conforme necessidade.

 2.8.7.2 Quadro de Organização de Horários 

2.8.8 Organização das Turmas com Números de Vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I 0 a 1 ano 14
Berçário II 1 a 2 anos 16
Maternal I 2 a 3 anos 18
Maternal II 3 a 3 anos e 11 meses 20
Sala de Recurso Multifuncional 0 a 3 anos e 11 meses Conforme demanda

2.8.9 Quadro de organização das horas atividades

  • CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DILETA BOLSONI TESSER

2.9 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Dileta Bolsoni Tesser

Código da Escola: 42151716

Localização: Rua: Augusto de Paula Carneiro nº 101 Bairro: Martello

Área territorial: 

Área construída:

Capacidade de atendimento: 49 crianças

Espaço físico: 

03 salas de atividades.

01 sala berçário.

01 banheiro adulto 

01 banheiro adaptado infantil

01 cozinha.

01 depósito para alimentos.

01 refeitório.

01 vestiário para funcionárias.

01 área de serviço

01 área coberta.

  • 2.9.1 Histórico do CEI Dileta Bolsoni Tesser

O Centro de Educação Infantil Dileta Bolsoni Tesser, foi inaugurado em Fevereiro de 2015, em parceria entre Aceias, Prefeitura Municipal e a Empresa Temasa, desde 2013 a população desta localidade vinha pedindo ao poder público para que fosse implementado a educação infantil, pois havia a necessidade de vagas por creche, uma vez que o Bairro Martello abrange um número significativo de empresas e assim as famílias necessitavam desde serviço.

A empresa Temasa aceitou o pedido de parceria através da Senhora Lire e Senhor Leonir Tesser, doando a primeira casa localizada na rua: Adolfo Kletke nº 151 e os móveis para instalação da creche iniciando com 14 alunos, filhos de funcionários e logo após foram ofertadas vagas a comunidade passando a atender 49 crianças, o quadro de funcionárias do CEI era formada por uma merendeira Ana Paula Faustino dos Santos, uma para serviços gerais Jussara Domingues, uma professora de berçário I Sayonara Batista, uma professora para berçário II Vanessa Nesi, uma professora para maternal I Gabrielli Hoffmann, uma professora para maternal II Karla Maciel que atuava também como coordenadora deste Centro e duas auxiliares de desenvolvimento infantil Valéria Gonçalves e Priscila Azeredo. 

A estrutura física do CEI exigia novas adequações assim houve a necessidade de remanejamento da creche, passou então no dia 07/04/2017 para o endereço na Rua: Canário bairro Martello em uma antiga instalação do CEI Mikey da Aceias que estava desativada, permanecendo ali com suas atividades durante cinco meses, em Setembro do decorrente ano o CEI passou a ter seu funcionamento em nova estrutura adaptada para o melhor bem estar das crianças na rua: Augusto de Paula Carneiro nº101 no bairro Martello, onde está instalada atualmente.

Karla Maciel iniciou neste CEI como coordenadora em 2015 e em Agosto de 2017, por motivo de transferência para o novo CEI da Vila Santa Teresinha a coordenação passou a ser de Silvana e em 2018, Karla Maciel voltou a coordenar esse CEI com a equipe de 4 professoras, Deisyane Padilha Campos, Franciele Ramos Tramontina, Sayonara Batista Cordeiro e Jaqueline França, 2 auxiliares Dhenniffer Pagotto Alves e Caroline Conceição, uma servente Solange do Carmo Moreira Branco Freitas e uma merendeira Gislaine Ribeiro de Souza. (Anexo 4.8.1)

  • 2.9.2 História do Bairro Martello

O bairro Martello originou-se com a chegada do Sr. Ernesto Martello, nascido em 12/09/1884, no município de Prata/RS. Em 1919 casou-se com a Sra. Maria Fabiani e com ela teve seis filhos. Inicialmente comprou alguns terrenos na Rua: Santa Catarina, onde mais tarde construiu seis casas residenciais, nesta época arrancou por conta própria um longo trecho de tocos que posteriormente ficou conhecida como “rua dos tocos” junto com o Sr. João Mione comprou o morro das Três Cruzes e abriu a rua que hoje leva seu nome.

O Sr. Ernesto Martello sempre procurou incentivar a vinda de novos moradores, era muito religioso e instalou capelas no bairro, construiu uma escola denominada na época de Km 04 ou colônia Martello por ter difícil acesso com matas.

Em 1953 deslocou-se para o Estado do Paraná aonde veio a falecer em 19/05/1966.

Em 21/02/1963 pelo decreto nº 3/63 tornou-se bairro Martello. Em 1944 o Sr. Martello vendeu partes das suas terras para as famílias Lara, Yung e Correia, foi explorado por essas famílias a agricultura, pois a terra era muito fértil, não havia ruas, apenas carreiros, não havia água encanada e nem rede elétrica, algumas casas tinham poços artesianos.

O surgimento da indústria SULCA S/A na época contribuiu para expansão do loteamento, em 1983 com a enchente do Rio Caçador e Rio do Peixe os moradores da ribeirinha foram beneficiados com casas nessa região que hoje é denominada  Vila Santa Teresinha. Com o aumento da população, foi necessário investir na educação construiu-se a Escola Municipal Esperança e em meados de 1985 e 1988 criou-se a Escola Municipal Morada do Sol.

A prefeitura Municipal em parceria com o governo Federal construiu o CAIC atualmente denominada Escola de Educação Básica Hilda Granemann de Souza, em 19/12/2000 construiu-se a Escola Maria Luiza Barbosa, e para atender a demanda de adolescentes com dificuldades para se dirigir até o centro da cidade para estudar foi construído a Escola Estadual Wanda Krieger Gomes.

 O Bairro ainda dispõe e centros Comunitários, postos de Saúde, CRAS- (Centro de Referência Assistência Social), Praça do CEU (Centro de Ates e cultura) creches e empresas de grande porte como a Temasa parceira deste CEI fundada em 15/03/1990 trabalhando na área de móveis, com a área Fabril de 20.000 m2  construídos e com a aproximadamente 400 colaboradores. 

Assim muitas outras empresas foram se instalando no Bairro e promovendo o desenvolvimento dessa população dentre elas destaca-se Maxiplast, Corfio, Sul Brasil, rede de supermercado Nordio, VIA Atacadista, Materiais de construção, transportadora Transrodace entre outros. Fonte acessado em 17/06/19. http://projetoeucontotucontaseleconta.blogspot.com/2011/08/historico-do-bairro-martello.html

  • 2.9.3 Características da População Atendida

Baseado em análise das fichas de estudo social entregue no inicio de cada ano letivo é possível perceber que as crianças matriculadas nesse centro de educação são filhos de funcionários da empresa Temasa, tendo na composição familiar Pai, Mãe, Avós e Filhos.

O perfil desse público não se distância da jornada histórica onde os pais precisam trabalhar para prover o sustento da família sendo a maioria assalariada, os pais deixam seus filhos até as 08:00 hrs da manha e retornam para buscá-los somente no final da jornada de trabalho entre 17:30 às 18:00.

Em nosso Centro de Educação infantil também atendemos crianças com dificuldades em seu desenvolvimento as quais tem seus direitos respeitos através de experiências pedagógicas em sala comum e juntamente intercalados recebem atendimento em salas multifuncionais com atendimento educacional especializado (AEE).

Nesse espaço são atendidas crianças que apresentam laudo médico ou estão em fase de avaliação por apresentar dificuldades de desenvolvimento.

As crianças atendidas em sala de recurso na grande maioria das vezes chegam ao CEI tendo atrasos em seu desenvolvimento não percebido pela família. Inicia-se assim o acompanhamento, avaliações, atendimentos e encaminhamentos necessários e incumbência de trabalhar as famílias a aceitação de suas necessidades, com o mesmo amor e respeito que por aqueles que as não possuem.

A família necessita então reestruturar-se para o auxilio necessário para um melhor atendimento dessas crianças realizando os procedimentos solicitados, na área da saúde como exames médicos, consultas e demais tratamentos bem como conciliar seu trabalho o qual provem seu salário e equilibrar seu estado emocional.

Estas crianças freqüentam o CEI, e não sofrem discriminação ou preconceito por parte dos demais alunos e nem de suas famílias uma vez que procuramos desenvolver um trabalho de orientação, conscientização e esclarecimentos. Em sala as professoras procuram desenvolver as atividades pedagógicas que desenvolvam desde muito cedo o respeito às diferenças.

  • 2.9.4 Missão/ Visão/ Valores

2.9.4.1 Missão

Buscar junto ao ambiente seguro, acolhedor, desafiante, apoiar os pequenos em suas descobertas e explorações, visando seu desenvolvimento físico, cognitivo, social, afetivo e cultural.

2.9.4.2 Visão

Formar cidadãos de espírito descobridor e criativo, capacitados a atuar e conviver na comunidade global.

2.9.4.3 Valores

Ética

Respeito 

Transparência 

  • 2.9.5 Organização do Funcionamento do Trabalho

O Centro de Educação Infantil Dileta Bolsoni Tesser atende crianças de zero a três anos e onze meses de idade divididas em turmas de:

  • Berçário I – 0 a 1 ano.
  • Berçário II – 1 a 2 anos.
  • Maternal I – 2 a 3 anos.
  • Maternal II – 3 a 3 anos e onze meses.

Essas crianças na sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe necessita desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral aos seus filhos. Como um dos objetivos da proposta é possibilitar condições a esta mãe de desenvolver tais atividades o regime de funcionamento da ACEIAS segue os seguintes horários:

  • Entrada: 06h30min às 8h00min.
  • Saída: A partir das 17h15min até as 18h00min.

2.9.6 Organizações do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra a horários muito rígidos, ela precisa ela precisa de alguns pontos de referências fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o por quê e para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

2.9.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II.

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 8h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 8h20min Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico, devendo estas ações ser desenvolvidas em cada troca.
09h30min às 10h30min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor. Pequena pausa para lanchinho e chá.
10h30min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II Entremeada de conversas, usando de voz suave, carícias, etc. idem a ação pedagógica/ 3.
11h00min às 11h30min Almoço: Berçário I e II Dialogar estimulando a mastigação, sucção, etc. idem a ação pedagógica/ 2.
11h30min

12h00min

Higiene e escovação
12h00min às 14h00min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
14h00min às 14h20min Troca, Higiene. Idem a ação pedagógica / 2 e 3.
14h20min às 14h40min I Lanche: frutas, sucos, etc.
14h40min às 16h00min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h00min às 16h30min II Lanche (janta) para Berçário I e II Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação.
16h30min às 18h00min Troca, entrega aos pais: Berçário I e II Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.

OBSERVAÇÃO I: As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

OBSERVAÇÃO II- As turmas de BII, MAT I e II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de BI realizam suas refeições em sua própria sala.

2.9.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I E Maternal II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h20min

Organização para o café
08h20min às 08h40min Café da manhã Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
08h40min às 11h00min

08h00min as 

11h15min

Experiências dirigidas

Maternal I

Experiências dirigidas maternal II

Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências  voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.
11h15min as 11h30min

11h30min

12h00min

Higiene e preparação para almoço: Maternal I

Higiene e preparação para almoço II

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min

13h30min

14h00min

Sono e repouso: Maternal I e II

Preparação para o lanche

Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 

Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.

14h00min às 14h20min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.
14h20min às 16h00min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências  voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h00min às 16h30min

16h20min às 16h45min

II lanche Maternal I

II lanche Maternal II

Idem a ação 2 e 5.
16h45min às 18h00min Organização para saída e entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças. 

  • 2.9.7 Estrutura Organizacional do CEI

2.9.7.1 Quadro com números de colaboradoras por Função

Função  Quantidade Habilitação Carga horária
Professora à nível superior  completo e à nível médio. 04 Com Curso Superior Completo em Pedagogia

 Cursando Pedagogia.

40 horas semanais

Turno matutino e vespertino. 

Auxiliar de desenvolvimento infantil/ profissional de apoio 02 Com ensino superior em Pedagogia e Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Serventes 01 Cursando ensino superior 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Merendeira 01 Médio completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora/Coordenadora 01 01 – Superior Completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Professora de sala multifuncional/ AEE 01 Superior completo em Pedagogia.

Pós Graduação em Educação Infantil e Series Iniciais.

40 horas semanais.

Atendimento Educacional Especializado individual de no mínimo 40 minutos por aluno, conforme necessidade.

 2.9.7.2 Quadro De Organização De Horários

2.9.8 Organização das Turmas com Números de Vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I 0 a 1 ano 6
Berçário II 1 a 2 anos 10
Maternal I 2 a 3 anos 15
Maternal II 3 a 3 anos e 11 meses 18
Sala de recurso Multifuncional 0 a 3 anos e 11 meses Conforme demanda

2.9.9 Quadro de organização das horas atividades

  • CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL JOÃO MARIA FERNANDES

 2.10 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil João Maria Fernandes

Código da Escola: 42151740

Localização: Rua: Canário, Bairro: Martello

Área territorial: 

Área construída:

Capacidade de atendimento: 104

Espaço físico: 

5 Salas de aula;

1 sala de  berçário

1 refeitório;

2 banheiros infantil

2 banheiros adaptados;

1 sala de televisão;

1 secretária;

1 Sala de Recurso Multifuncional;

1 Sala de professores

1 Sala da coordenação

1 Cozinha

1 Lavanderia

1 Deposito

1 área coberta

1 lactário

2.10.1 Histórico do CEI João Maria Fernandes

Alguns anos atrás havia na comunidade uma creche menor com o nome “Centro de Educação Infantil Mickey”, que era mantida pela ACEIAS, mais fechou, devido a nova instalação inaugurada em 2016, a presença de dois espaços físicos na comunidade não se justificava pela falta de demanda. Assim a antiga creche de pequena estrutura, ficou na lembrança da comunidade.

Na manhã de 20/02/2016, torna-se realidade o sonho da comunidade Vila Santa Terezinha, inaugurado o primeiro projeto do Governo Federal através do Recurso do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), com um amplo espaço e com capacidade para 240 crianças, esta construção teve inicio em 2012. Presentes no ato o prefeito Gilberto Comazzetto, secretários municipais, vereadores e demais autoridades. 

O centro de educação infantil leva o nome do Professor João Maria Fernandes e uma de suas filhas esteve na inauguração representando os demais familiares. Dona Pedrina Fernandes Padilha falou da satisfação pela lembrança. “Meu pai foi o primeiro professor de Caçador e hoje é um dia de muita alegria. Estou aqui para representar todos os meus irmãos, netos, bisnetos e tataranetos de nosso pai. E com muita satisfação que estou aqui vendo esta homenagem pra ele”.

Em 2017 a prefeitura passou o CMEI para a administração da ACEIAS, que deu inicio aos trabalhos em 02/08/17. A coordenadora Karla Maciel junto com a equipe de professoras foram quem deram inicio a esta nova direção, no ano de 2018 Silvana Emidio assumiu a coordenação e em 2019, saiu para licença maternidade passando então para atual coordenadora Vanessa Nesi, que ficou até Julho de 2019 e após sua transferência , Indiara Ferreira assumiu os trabalhos na coordenação.

 A nova administração foi bem recebida pela comunidade e hoje vem ampliando seu trabalho na perspectiva de desenvolver essa comunidade contribuindo na qualidade de educação infantil.  

2.10.2  História do Bairro Martello

O bairro Martello originou-se com a chegada do Sr. Ernesto Martello, nascido em 12/09/1884, no município de Prata/RS. Em 1919 casou-se com a Sra. Maria Fabiani e com ela teve seis filhos. Inicialmente comprou alguns terrenos na Rua: Santa Catarina, onde mais tarde construiu seis casas residenciais, nesta época arrancou por conta própria um longo trecho de tocos que posteriormente ficou conhecida como “rua dos tocos” junto com o Sr. João Mione comprou o morro das Três Cruzes e abriu a rua que hoje leva seu nome.

O Sr. Ernesto Martello sempre procurou incentivar a vinda de novos moradores, era muito religioso e instalou capelas no bairro, construiu uma escola denominada na época de Km 04 ou colônia Martello por ter difícil acesso com matas.

Em 1953 deslocou-se para o Estado do Paraná aonde veio a falecer em 19/05/1966.

Em 21/02/1963 pelo decreto nº 3/63 tornou-se bairro Martello. Em 1944 o Sr. Martello vendeu partes das suas terras para as famílias Lara, Yung e Correia, foi explorado por essas famílias a agricultura, pois a terra era muito fértil, não havia ruas, apenas carreiros, não havia água encanada e nem rede elétrica, algumas casas tinham poços artesianos.

O surgimento da indústria SULCA S/A na época contribuiu para expansão do loteamento, em 1983 com a enchente do Rio Caçador e Rio do Peixe os moradores da ribeirinha foram beneficiados com casas nessa região que hoje é denominada  Vila Santa Teresinha. Com o aumento da população, foi necessário investir na educação construiu-se a Escola Municipal Esperança e em meados de 1985 e 1988 criou-se a Escola Municipal Morada do Sol.

A prefeitura Municipal em parceria com o governo Federal construiu o CAIC atualmente denominada Escola de Educação Básica Hilda Granemann de Souza, em 19/12/2000 construiu-se a Escola Maria Luiza Barbosa, e para atender a demanda de adolescentes com dificuldades para se dirigir até o centro da cidade para estudar foi construído a Escola Estadual Wanda Krieger Gomes.

 O Bairro ainda dispõe e centros Comunitários, postos de Saúde, CRAS- (Centro de Referência Assistência Social), Praça do CEU (Centro de Ates e cultura) creches e empresas de grande porte como: Maxiplast, Corfio, Sul Brasil, rede de supermercado Nordio, VIA Atacadista, Materiais de construção, transportadora Transrodace entre outros. Fonte acessado em 17/06/19. http://projetoeucontotucontaseleconta.blogspot.com/2011/08/historico-do-bairro-martello.html.

A comunidade Santa Terezinha por muitos anos foi considerada como uma periferia da cidade, devido o alto índice de vulnerabilidade e violência, as dificuldades existentes eram muitas, a maioria das famílias desta comunidade vivia numa extrema pobreza, sem saneamento básico, sem saúde e educação, tinham muitas dificuldades de se locomoverem até o centro ou hospital.

Com o passar dos anos a comunidade cresceu e tem evoluído muito, hoje o índice de vulnerabilidade baixaram bastante, muitas famílias conquistaram sua casa própria, seu trabalho, seu carro e hoje temos escolas, creches, posto de saúde há muito que melhorar ainda, mas acreditamos que aos poucos a comunidade esta conquistando seu espaço e mudando a visão de muitos que alegava e pensava no bairro como o mais perigoso da cidade.

2.10.3 Características da População Atendida

Em análise nas matriculas e contato com as famílias dos alunos que integram o CEI João Maria Fernandes, pode se descrever que se tratam de pessoas humildes de baixa renda e que retratam bem o que é o sofrimento por falta de melhores condições de vida. Isso reflete muitas vezes no comportamento dos alunos, que demonstram tristeza em seu olhar as vezes por falta de atenção em casa, alguns fazem manhas e travessuras como forma de linguagem em busca de atenção e afeto, a falta de recursos não é o único problema nessas famílias, que por se tratarem muitas vezes de pessoas que não possuem estudo algum aceitam trabalho forçados, com longa jornada, problemas familiares e sociais que os rodeiam e por isso a educação, disciplina e respeito são feitos de formas  violentas.

O entendimento familiar dentro da maioria dos lares são escassos, alguns alunos são agitados devido a tais circunstancias, se isso não bastasse alguns alunos chegam a ter como única refeição diária o momento que estão nas dependências do CEI como também a única forma de  lazer e entretenimento.

 Alguns pais por motivo de trabalho não podem disponibilizar de tempo com seus filhos, que possa fortalecer vínculos e contribuir para uma educação efetiva, isso também se observa na pouca participação dos mesmos na vida escolar das crianças, o que acaba afetando no acompanhamento do desenvolvimento dos alunos por parte da família, percebe-se a importância dessa instituição de ensino nesse contexto.

No centro de educação infantil também atenden-se crianças com dificuldades em seu desenvolvimento as quais tem seus direitos respeitados através de experiências pedagógicas em sala comum e juntamente intercalados recebem atendimento em sala de recurso multifuncionais com a atendimento educacional especializado (AEE).

Nesse espaço são atendidas crianças que apresentam laudo médico ou estão em fase de avaliação por apresentar dificuldades de desenvolvimento. As crianças atendidas em sala de recurso na grande maioria das vezes chega ao CEI tendo atrasos em seu desenvolvimento não percebido pela família. Inicia-se assim o acompanhamento, avaliações, atendimentos e encaminhamentos necessário e incumbência de trabalhar as famílias a aceitação de suas necessidades com o mesmo amor e respeito que por aqueles que as não possuem.

A família necessita então reestruturar-se para o auxilio necessário para um melhor atendimento dessas crianças realizando os procedimentos solicitados na área da saúde como exames médicos, consultas e demais tratamentos solicitados

  • 2.10.4 Missão/ Visão/ Valores

2.10.4.1 Missão

Proporcionar o desenvolvimento integral de crianças de 0 a 3 anos e 11 meses, em seus aspectos físicos, psicológicos, intelectual e social, complementando as ações da família e da comunidade.

2.10.4.2 Visão

Oferecer a seus alunos e colaboradoras a possibilidade de se desenvolverem, tornando-se cidadãos éticos, capazes de contribuir para a evolução da comunidade a que pertencem. Isso por que se preocupa com uma sociedade mais justa e competente em seus afazeres.

2.10.4.3 Valores

Ética

Respeito 

Transparência 

  • 2.10.5 Organização do Funcionamento do Trabalho

O centro de educação João Maria Fernandes atende, crianças de zero a três anos e onze meses de idade divididas em turmas de::

  • Berçário I – 0 a 1 ano de idade.
  • Berçário II – 1 a 2 anos de idade.
  • Maternal I – 2 a 3 anos de idade.
  • Maternal II – 3 a 3 anos e 11 meses de idade.

Essas crianças na sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe necessita desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral aos seus filhos. Como um dos objetivos da proposta é possibilitar condições a esta mãe de desenvolver tais atividades o regime de funcionamento da ACEIAS segue os seguintes horários:

  • Entrada: 06h30 min às 8h00min
  • Saída : a partir das 17h00  até as 18h00min.

2.10.6 Organização do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra a horários muito rígidos, ela precisa de alguns pontos de referências fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o por quê e para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

2.10.6.1Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h45min às 8h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 8h20min Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico, devendo estas ações ser desenvolvidas em cada troca.
09h30min às 10h30min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor. Com pequena paisa para lanchinho e chá.
10h30min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II Entremeada de conversas, usando de voz suave, carícias, etc. idem a ação pedagógica/ 3.
11h00min às 11h30min Almoço: Berçário I e II Dialogar estimulando a mastigação, sucção, etc. idem a ação pedagógica/ 2.
11h30min

12h00min

Higiene e escovação
12h00min às 14h00min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
14h00min às 14h20min Troca, Higiene. Idem a ação pedagógica / 2 e 3.
14h20min às 14h40min I Lanche: frutas, sucos, etc.
14h40min às 16h00min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h00min às 16h30min II Lanche (janta) para Berçário I e II Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação.
16h30min às 18h00min Troca, entrega aos pais: Berçário I e II Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.

OBSERVAÇÃO I: As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

OBSERVAÇÃO II- As turmas de BII, MAT I e II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de BI realizam suas refeições em sua própria sala.

2.10.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e maternal II 

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h45min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h20min

Organização para o café
08h20min às 08h40min Café da manhã Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
08h40min

As 11h00min

08h40min 11h15min

11h00min às 11h15min

11h15min as 11h30min

Experiências dirigidas.

Maternal I 

Experiências dirigidas Maternal II

As 10 horas chá para maternal I e II

Preparação e higiene para almoço maternal I

Preparação e higiene para almoço Maternal II

Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, jogos pedagógicos, etc.
11h15min as 12h00

11h30min

12h00min

Almoço do Maternal I

 

Almoço do maternal II

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min

13h30min

14h00min

Sono e repouso: Maternal I e II

Preparação para o lanche

Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 

Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.

14h00min às 14h20min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.
14h20min às 16h00min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências  voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h15min às 16h40min

16h15min às 16h45min

II lanche Maternal I

II lanche Maternal II

Idem a ação 2 e 5.
16h45min às 18h00min Organização para saída e entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças. 

  • 2.10.7 Estrutura Organizacional do CEI

2.10.7.1 Quadro com números de colaboradoras por função

FUNÇÃO  QUANTIDADE HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professora à nível superior  completo e à nível médio. 05 Com Curso Superior Completo em Pedagogia

 Cursando Pedagogia.

40 horas semanais

Turno matutino e vespertino. 

Auxiliar de desenvolvimento infantil/profissional de apoio 05 Com ensino superior em Pedagogia e Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Serventes 03 Cursando ensino superior 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Merendeira 01 Médio completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora/Coordenadora 01 01 – Superior Completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Professora de sala multifuncional/ AEE 01 Superior completo em Pedagogia.

Pós Graduação em Educação Infantil e Series Iniciais.

40 horas semanais.

Atendimento Educacional Especializado individual de no mínimo 40 minutos por aluno, conforme necessidade.

 2.10.7.2 Quadro de Organização de Horários. 

2.10.8 Organização das Turmas com Números de Vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I 0 a 1 ano 14
Berçário II 1 a 2 anos 16
Maternal I 2 a 3 anos 18
Maternal II 3 a 3 anos e 11 meses 20
Sala de recurso multifuncional 0 a 3 anos e 11 meses Conforme demanda

2.10.9 Quadro de organização das horas atividades

Centro de Educação Infantil Pequena Sereia

 

  • 2.11 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Pequena Sereia 

Código da Escola: 42107598

Localização: Rua Izidoro Belotto, 761

Área territorial: 309 m2

 Área construída de: 

Capacidade de atendimento: 60 crianças.

Espaço físico:

  • 03 salas de atividades.
  • 01 sala berçário.
  • 01 lactário.
  • 05 banheiros infantis.
  • 02 banheiros adulto.
  • 01 cozinha.
  • 01 depósito para alimentos
  • 01 copa.
  • 01 refeitório.
  • 01 área de serviço
  • Parque infantil.
  • Área verde.
  • 01 sala de Recurso multifuncional.
  • 01 sala hora atividade. 

2.11.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Pequena Sereia

O CEI Pequena Sereia está localizado na rua Izidoro Belotto no bairro Figueroa com capacidade de atendimento para sessenta crianças em turmas de berçário I e II e maternal I e II. 

A Prefeitura de Caçador em parceria com a ACEIAS e com o apoio da empresa Frame e Câmara de Vereadores inaugurou o CEI no dia seis do mês de fevereiro de dois mil e quinze, tendo como coordenadora a professora Jorgiana Zander.

Esta ação surge da necessidade de suprir a demanda de famílias do bairro cujo as mães necessitam auxiliar na renda familiar e consequentemente um lugar para deixar seus filhos. 

Com esta necessidade inicia-se a busca por um local de construção do CEI. Após análise dos vários espaços firma-se contrato de locação com o proprietário do local onde anteriormente funcionava uma pousada. Várias adequações foram feitas para que a estrutura física estivesse de acordo com as necessidades e as exigências cabíveis. 

Assim surge o Centro de educação infantil Pequena Sereia composta de quatro professoras, quatro auxiliares, uma professora de AEE, duas serventes e uma merendeira para o desenvolvimento de um trabalho voltado a qualidade e o desenvolvimento das crianças atendidas. 

  • 2.11.2 Histórico do Bairro Figueroa

O fundador do bairro José Figueroa, um dos mais ricos da história de Caçador, nasceu em 12 de março de 1910, na sede da fazenda Bom Sucesso, nas proximidades da laminadora.

Filho de Manoel Figueroa (espanhol que veio trabalhar na construção da estrada de ferro) em 1920 transferiu residência para Campos Novos. Em 1930, volta a Caçador onde fez o Tiro de Guerra. Dedicou-se a agropecuária e ao comércio de varejo.

O bairro foi crescendo junto ao município e ha quarenta anos atrás nesta localidade a empresa Frame Port uma das maiores empresas de nossa cidade iniciava suas atividades auxiliando ainda mais para o crescimento do bairro.

Com o passar dos anos com o crescimento do bairro a paisagem geográfica foi modificando-se em torno das necessidades existentes. Nos dias atuais o bairro é composto por vinte e seis ruas onde setenta por cento são pavimentadas, com vários estabelecimentos comercias, uma escola, o CEI sendo sua maior necessidade a construção de um posto de saúde. Segundo informações retiradas do censo o bairro é composto de 1504 habitantes onde 50,47% são mulheres.      

  • 2.11.3 Características da População Atendida

Nesse espaço atende-se crianças de zero a três anos e onze meses de idade, pertencendo a famílias de trabalhadores. Os pais e responsáveis na maioria trabalham em fábricas, de classe média 

São crianças que na sua maioria possuem como referência familiar, a mãe e o pai, tendo um percentual baixo os avós, tios, padrinhos. Independente da composição familiar a qual a criança pertence, estes responsáveis são incentivados a participarem ativamente da vida escolar através de reuniões, palestras e datas comemorativas. 

As famílias em um contexto geral apresentam-se participativas da vida escolar das crianças e prestam auxílio sempre que necessário valorizando as profissionais e o local onde seus filhos permanecem durante o dia.  

Desta forma buscamos desenvolver um trabalho integral onde cada criança e sua família seja respeitada em suas particularidades. Estabelecendo assim uma relação positiva entre família x escola onde juntas poderão auxiliar a criança a entender o mundo que a cerca, valorizando a todos, tornando-a cidadão de bem.

Este desenvolvimento e valorização de todos deve ser posta em prática com todas as faixas etárias tendo como base de nosso trabalho o respeito as diferenças dando oportunidades as crianças com características físicas diferentes, advindas de diversas culturas e raças com e sem dificuldades de aprendizagem tornado o trabalho desenvolvido no CEI com equidade. 

Em nosso centro de educação infantil também atendemos crianças com dificuldades em seu desenvolvimento às quais tem seus direitos respeitados através de experiências pedagógicas em sala comum e juntamente intercalados recebem atendimento em salas multifuncionais com atendimento educacional especializado AEE. 

Nesse espaço são atendidas crianças que apresentam laudo médico ou estão em fase de avaliação por apresentar dificuldades de desenvolvimento. 

As crianças atendidas em sala de recurso na grande maioria das vezes chega ao CEI tendo atrasos em desenvolvimento muitas vezes não percebidos pela família. Inicia-se assim o acompanhamento, avaliações, atendimentos e encaminhamentos necessários e a incumbência de trabalhar as famílias a aceitação das suas necessidades, com o mesmo amor e respeito por aqueles que as não possuem. 

A família necessita então reestruturar-se para o auxílio necessário para um melhor atendimento destas crianças realizando os procedimentos solicitados, na área da saúde como exames médicos, consultas e demais tratamentos bem como conciliar seu trabalho o qual provêm seu salário e equilibrar seu estado emocional. 

Estas crianças frequentam o CEI, e não sofrem discriminação ou preconceito por parte dos demais alunos e nem de suas famílias uma vez que procuramos desenvolver um trabalho de orientação, conscientização e esclarecimento. Em sala as professoras procuram desenvolver atividades pedagógicas que desenvolvam desde muito cedo o respeito às diferenças.

  • 2. 11.4 Missão/ Visão/ Valores

2.11.4.1 Missão 

Primar pela educação de qualidade, considerando os aspectos individuais de cada aluno e seu ritmo de aprendizagem, bem como contribuir para a formar de crianças criativas, éticas e conscientes, respeitando suas diferenças, desenvolvendo a responsabilidade e liberdade de expressão.  

2.11.4.2 Visão

Proporcionar um ambiente de acolhimento e aprendizado, seguro e criativo, garantindo a criança proteção desenvolvimento e bem-estar. 

2.11.4.3 Valores 

Nossa prática educacional se baseia na crença de que cada pessoa é capaz de construir seu próprio conhecimento seguindo princípios básicos como:

  • Respeito
  • Comprometimento 
  • Valorização 

  • 2..11.5 Organização do Funcionamento do Trabalho

O Centro de Educação Infantil Pequena Sereia atende, crianças de zero a três anos e onze meses de idade divididas em turmas de:

  • Berçário I – 0 a 1 ano.
  • Berçário II – 1 a 2 anos.
  • Maternal I – 2 a 3 anos.
  • Maternal II – 3 a 3 anos e onze meses.

Essas crianças na sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe necessita desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral aos seus filhos. Como um dos objetivos da proposta é possibilitar condições a esta mãe de desenvolver tais atividades o regime de funcionamento da ACEIAS segue os seguintes horários:

  • Entrada: 06h30min às 8h00min.
  • Saída: A partir das 17h30min até as 18h30min.

2.11.6 Organização do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e onze meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra horários muito rígidos, ela precisa de alguns pontos de referência fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o porquê e o para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar a autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

2.11.6.1 Organizações do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 8h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 8h20min Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico, devendo estas ações ser desenvolvidas em cada troca.
09h30min às 10h30min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II 

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor.
10h30min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II Entremeada de conversas, usando de voz suave, carícias, etc. idem a ação pedagógica/ 3.
11h00min às 12h00min Almoço: Berçário I e II

Higiene Bucal, organização do ambiente para descanso. 

Dialogar estimulando a mastigação, sucção, etc. idem a ação pedagógica/ 2.
12h00min às 14h00min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
14h00min às 14h20min Troca, Higiene. Idem a ação pedagógica / 2 e 3.
14h20min às14h40m

14h30min às 14h50m

I Lanche: frutas, sucos, etc. Berçário I 

I lanche: Berçário II 

14h40min às 16h15min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h15m às 16h45m

16h15 min às 16h30m 

II Lanche para Berçário  I

II Lanche para Berçário II

Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação.
16h30min às 18h30min Troca, entrega aos pais: Berçário I e II Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.

OBSERVAÇÃO I: As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

OBSERVAÇÃO II – As turmas de BII, MAT I e II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de BI realizam suas refeições em sua própria sala.

2.11.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h20min

Organização para o café
08h15min às 8h30min

8h30min às 8h45min 

Café da manhã maternal I 

Café da manhã maternal II

Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
09h00min às 9h30min Higiene: escovação. Maternal I e Maternal II  Orientar a criança para uma escovação correta, para a higiene da escova, conservação da higiene do banheiro, desperdício com a água.
09h15min às 11h00min

09h30min às 11h15min 

Experiências dirigidas para maternal I 

Experiências dirigidas para maternal II 

As 10h00min chá para Maternal I e II 

Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.
11h00min as 11h15min

11h15 às 11h30

11h15min

11h30min

11h30min as 11h45

Higiene e preparação para almoço: Maternal I 

Almoço e escovação maternal I 

Higiene e preparação para almoço: Maternal II

Almoço e escovação: maternal II.

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min

13h30min

14h00min

Sono e repouso: Maternal I e II

Despertar e preparação para o lanche

Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 

Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.

14h00min às 14h20min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.
14h20min às 16h20min

14h30min às 16h30min 

Experiências dirigidas maternal I 

Experiências dirigidas maternal II

Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h30min às 16h45min

16h45min às 17h00min

II lanche Maternal I

II lanche Maternal II

Idem a ação 2 e 5.
17h00min às 18h30min Organização para saída e entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças. 

2.11.7 Estrutura Organizacional

2.11.7.1 Colaboradores

FUNÇÃO  QUANTIDADE HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professora nível superior completo e nível médio  04 Com Curso Superior Completo em Pedagogia e  Cursando  40 horas semanais

Turno matutino e vespertino. 

Auxiliar de  desenvolvimento infantil  04 Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Serventes 02 Fundamental  40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Merendeira 01 Fundamental 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora / Coordenadora 01 01 – Superior Completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Professora de sala multifuncional/ AEE 01 Superior completo em Pedagogia.

Pós-graduação em Educação Infantil e Series Iniciais.

40 horas semanais.

Atendimento Educacional Especializado individual de no mínimo 40 minutos por aluno, conforme necessidade.

2.11.7.2. Quadro de organização dos horários das colaboradoras

2.11.8 Organização das turmas com número de vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I 0 a 1 ano 14
Berçário II 1 a 2 anos 16
Maternal I 2 a 3 anos 18
Maternal II 3 a 3 anos e 11 meses 20
Sala de recurso multifuncional  0 a 3 anos e 11 meses Conforme demanda. 

2.11.9 Quadro de organização das horas atividades

  • CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL SONHO ENCANTADO

2.12 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Sonho Encantado 

Código da Escola: 42141583

Localização: Rua Tupiniquim – Bairro Bom Sucesso 

Área territorial: 

 Área construída de 

Capacidade de atendimento: 90 crianças.

Espaço físico:

06 salas de atividades.

06 banheiros infantis.

01 banheiro adulto.

01 cozinha.

01 depósito para alimentos

01 copa.

02 refeitório.

01 área de serviço

Parque infantil.

Área verde.

Área coberta 

  • 2.12.1 Histórico do Centro de Educação Infantil

O Centro de Educação Infantil Sonho Encantado iniciou suas atividades, dia vinte de março do ano de dois mil através da Prefeitura Municipal / Secretaria da Educação desenvolvendo atendimento de crianças de zero a cinco anos em turma de berçário II, maternal I e II e pré escolar. 

No ano de dois mil e dezoito através de convênio firmado entre Prefeitura Municipal/ Secretaria da Educação e ACEIAS as atividades desenvolvidas neste espaço passa a ser administrada por esta instituição.

A partir desta data a ACEIAS realiza trabalhos com a comunidade através de reuniões para dar ciência desta transição e parceria, bem como sua forma de trabalho buscando estreitar os laços com as famílias estabelecendo uma união família x escola através da transparência e confiabilidade. 

Algumas reformas no espaço físico também foram realizadas como pintura, colocação de lajotas em passeios, investimento em brinquedos e materiais pedagógicos para um atendimento de qualidade.

Exatamente no dia quatro do mês de fevereiro de dois mil e dezenove a ACEIAS inicia suas atividades neste Centro de Educação Infantil, contando com uma equipe composta de seis professoras, uma professora de AEE, cinco auxiliares, uma merendeira, uma servente, e uma coordenadora Denise Xavier Rodrigues a qual iniciou os trabalhos de coordenação vindo a ser substituída após algum tempo pela atual coordenadora Alessandra Maguerroski Rodrigues. 

  • 2.12.1 Histórico Do Bairro Bom Sucesso

A partir de 1842, começaram a chegar, nos limites do que é hoje o município de Caçador, os primeiros fazendeiros paulistas. Mas foi apenas em 1881 que o pioneiro Francisco Correia de Melo, que aqui estabeleceu-se vendo uma terra farta de caça e pesca, um solo fértil e muito pinhão. Registrou as terras dando o nome de Faxinal do Bom Sucesso. 

Com o passar dos anos o Bairro Bom Sucesso cresceu junto ao município e hoje é composta por uma população de aproximadamente 5.304 habitantes, com 2.730 homens e 2.574 mulheres. 

 Existem no bairro Bom Sucesso aproximadamente 108 estabelecimentos comerciais distribuídos nas 72 ruas existentes. Dos estabelecimentos de destaque no bairro podemos encontrar o Batalhão da Polícia Militar e a empresa Malharia Marpa a qual traz a população um bom índice de empregabilidade. 

  • 2.12.2 Características da População Atendida

Nesse espaço atende-se crianças de zero a três anos e onze meses de idade, pertencendo a famílias de trabalhadores. Os pais e responsáveis na maioria trabalham em fábricas, comércio, e residências. Onde se constata uma melhoria no padrão de vida das famílias as quais têm oportunidade de desempenhar um trabalho remunerado.

São crianças que na sua maioria possuem como referência familiar, a mãe e o pai e quanto não os avós, tios, padrinhos, não fugindo da realidade vivenciada pela maioria das crianças em nosso país. Independente da composição familiar a qual a criança pertence, estes responsáveis são incentivados a participarem ativamente da vida escolar através de reuniões, palestras e datas comemorativas. 

Desta forma buscamos desenvolver um trabalho integral onde cada criança e sua família seja respeitada em suas particularidades. Estabelecendo assim uma relação positiva entre família x escola onde juntas poderão auxiliar a criança a entender o mundo que a cerca, valorizando a todos, tornando-a cidadão de bem.

Este desenvolvimento e valorização de todos deve ser posta em prática com todas as faixas etárias tendo como base de nosso trabalho o respeito as diferenças dando oportunidades as crianças com características físicas diferentes, advindas de diversas culturas e raças com e sem dificuldades de aprendizagem tornado o trabalho desenvolvido no CEI com equidade.

Em nosso centro de educação infantil também atendemos crianças com dificuldades em seu desenvolvimento às quais tem seus direitos respeitados através de experiências pedagógicas em sala comum e juntamente intercalados recebem atendimento em salas multifuncionais com atendimento educacional especializado AEE. 

Nesse espaço são atendidas crianças que apresentam laudo médico ou estão em fase de avaliação por apresentar dificuldades de desenvolvimento. 

As crianças atendidas em sala de recurso na grande maioria das vezes chega ao CEI tendo atrasos em desenvolvimento muitas vezes não percebidos pela família. Inicia-se assim o acompanhamento, avaliações, atendimentos e encaminhamentos necessários e a incumbência de trabalhar as famílias a aceitação das suas necessidades, com o mesmo amor e respeito por aqueles que as não possuem. 

A família necessita então reestruturar-se para o auxílio necessário para um melhor atendimento destas crianças realizando os procedimentos solicitados, na área da saúde como exames médicos, consultas e demais tratamentos bem como conciliar seu trabalho o qual provêm seu salário e equilibrar seu estado emocional. 

Estas crianças frequentam o CEI, e não sofrem discriminação ou preconceito por parte dos demais alunos e nem de suas famílias uma vez que procuramos desenvolver um trabalho de orientação, conscientização e esclarecimento. Em sala as professoras procuram desenvolver atividades pedagógicas que desenvolvam desde muito cedo o respeito às diferenças.

  • 2. 12.4 Missão/ Visão/ Valores

2.12.4.1 Missão 

Transformar a educação infantil, através do compromisso com um ambiente aconchegante, envolvendo carinho, dedicação alinhado aos saberes pedagógicos auxiliando a criança em seu pleno desenvolvimento. 

2.12.4.2 Visão

Ser referência no desenvolvimento dos trabalhos pedagógicos na educação infantil.  

2.12.4.3 Valores 

Nossa prática educacional se baseia na crença de que cada pessoa é capaz de construir seu próprio conhecimento seguindo princípios básicos como:

  • Ética
  • Respeito
  • Cooperação
  • Responsabilidade
  • Respeito a diversidade
  • Fortalecimento das relações humanas. 

2.12.5 Organização do Funcionamento do Trabalho

O Centro de Educação Infantil Sonho Encantado atende, crianças de zero a três anos e onze meses de idade divididas em turmas de:

Berçário I – 0 a 1 ano.

Berçário II – 1 a 2 anos.

Maternal I – 2 a 3 anos.

Maternal II – 3 a 3 anos e onze meses.

Essas crianças na sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe necessita desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral aos seus filhos. Como um dos objetivos da proposta é possibilitar condições a esta mãe de desenvolver tais atividades o regime de funcionamento da ACEIAS segue os seguintes horários:

  • Entrada: 06h30min às 8h00min.
  • Saída: A partir das 17h30min até as 18h30min.

  • 2.12.6 Organização do Cotidiano da Criança de 0 a 3 anos e onze meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra horários muito rígidos, ela precisa de alguns pontos de referência fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. 

Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o porquê e o para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar a autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

2.12.6.1 Organizações do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II.

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 8h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 8h20min Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico, devendo estas ações ser desenvolvidas em cada troca.
09h30min às 10h45min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II 

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor.
10h45min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II Entremeada de conversas, usando de voz suave, carícias, etc. idem a ação pedagógica/ 3.
11h00min às 12h00min Almoço: Berçário I e II

Higiene Bucal, organização do ambiente para descanso. 

Dialogar estimulando a mastigação, sucção, etc. idem a ação pedagógica/ 2.
12h00min às 14h00min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
14h00min às 14h30min Troca, Higiene. Idem a ação pedagógica / 2 e 3.
14h30min às 14h45min I Lanche: frutas, sucos, etc.
14h45min às 16h00min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h00min às 16h20min II Lanche para Berçário I e II Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação.
16h20min às 18h00min Troca, entrega aos pais: Berçário I e II Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.

OBSERVAÇÃO I: As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

OBSERVAÇÃO II – As turmas de BII, MAT I e II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de BI realizam suas refeições em sua própria sala.

2.12.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II.

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h15min

Organização para o café
08h15min às 8h45min Café da manhã Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
08h45min às 9h10min Higiene: escovação. Orientar a criança para uma escovação correta, para a higiene da escova, conservação da higiene do banheiro, desperdício com a água.
09h10min às 11h00min Experiências dirigidas para maternal I e II

As 10h00min chá para Maternal I e II 

Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.
11h00min as 11h15min

11h15min as 12h00min

Higiene e preparação para o almoço maternal I e II

Almoço e escovação maternal I e II.

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min

13h30min

14h00min

Sono e repouso: Maternal I e II

Despertar e preparação para o lanche

Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 

Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.

14h00min às 14h30min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.
14h00min às 16h15min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h10min às 16h30min

16h30min às 16h45min

II lanche Maternal I

II lanche Maternal II

Idem a ação 2 e 5.
16h45min às 17h00min 17h00min às 18h30min Organização para saída. 

Entrega para os pais.

Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças. 

  • 2.12.7 Estrutura Organizacional

2.12.7.1 Colaboradores

FUNÇÃO  QUANTIDADE HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professora nível superior completo e nível médio  06 Com Curso Superior Completo em Pedagogia e Cursando  40 horas semanais

Turno matutino e vespertino. 

Auxiliar de  desenvolvimento infantil  04 Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Serventes 02 Fundamental  40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Merendeira 01 Fundamental 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora / Coordenadora 01 01 – Superior Completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Professora de sala multifuncional/ AEE 01 Superior completo em Pedagogia.

Pós-graduação em Educação Infantil e Series Iniciais.

40 horas semanais.

Atendimento Educacional Especializado individual de no mínimo 40 minutos por aluno, conforme necessidade.

2.12.7.2. Quadro de organização dos horários das colaboradoras

2.12.8 Organização das turmas com número de vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I 0 a 1 ano 14
Berçário II 1 a 2 anos 16
Maternal I 2 a 3 anos 18
Maternal II 3 a 3 anos e 11 meses 20
Sala multifuncional  0 a 3 anos e 11 meses Conforme demanda. 

2.12.9 Quadro de organização das horas atividades

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSOR PARDAL

2.13 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Professor Pardal

Código da Escola: 42071429

Localização: Rua: Arthur Trevisan s/n Bairro Santa Catarina

Área territorial: 1.820 m2

Área construída: 344.30 m2

Capacidade de atendimento: 110 crianças

Espaço físico:

  • 05 salas de atividades;
  • 01 sala berçário;
  • 02 banheiros infantis;
  • 01 banheiro adulto;
  • 01 lactário;
  • 01 área de serviço;
  • 01 refeitório;
  • 01 cozinha;
  • 01 depósito para alimentos;
  • 01 copa;
  • Parque infantil;
  • 01 sala multifuncional.

2.13.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Professor Pardal

O Centro de educação infantil Professor Pardal iniciou suas atividades entre os anos de 1984 a 1986, em um terreno cedido pelo Estado, tendo sua estrutura ampliada em 1988,com parceria da comunidade, prefeitura, governo e a instituição COMAM; com o aumento do desenvolvimento urbano e oportunidades de trabalho para as mulheres na soma da renda familiar, tornou-se maior a demanda de pais na solicitação de vagas, surgindo então a necessidade de um espaço mais amplo e com mais profissionais atuando para atender  todas essas crianças.

 No ano de 1991, a Comam firmou parceria com o SESI, onde atendia crianças de 0 a 4 anos; no ano de 2003, a creche passou por reformas no assoalho, cobertura, a cozinha foi azulejada, uma lavanderia foi construída e as paredes pintadas. O investimento foi de R$ 25.000, os recursos foram provenientes de eventos e doações, na época o CEI tinha 8 funcionárias, e atendia 110 crianças da comunidade. Segundo o presidente da Aceias, na época, Luiz Vatutin, a remodelação da creche beneficiaria as crianças com mais espaço e também nos aspectos de segurança e higiene.

Nos dias de hoje a equipe conta com a coordenadora Marlene Vanelli Veber, com as professoras Kerolen  Paula, Simara Zeni, Rosemeri Pereira, Karla Piacentini, Camila Pollo, Dayana Cachoeira, Adriana Perboni,com as auxiliares Márcia de Oliveira, Andreila de Brito, Tainá Ponzoni, Natalia Assis, Jucelma Machado, com as serventes Maria Leonilda, Franciele Rodrigues, a merendeira Michele dos Santos, a professora de AEE Silvia Giana Rodrigues, no atendimento às crianças.

2.13.2 História do Bairro Vila Santa Catarina

O bairro Vila Santa Catarina, foi criado em homenagem a mãe do industrial e vereador, José Reichmann que no ano de1935 doou as terras para a Vila Operária. O bairro possuí várias ruas asfaltadas composto pelos seguintes loteamentos: Olsen, Mantovani, Tabajara e Menegazzo. As primeiras famílias a habitarem esse bairro foram: Santos, Morais, Ribeiro, Andrade Deniz, Ferreira, Ribeiro Kraieski, Ribeiro dos Santos, Ferreira, Jesus e Flores. O CEI está localizado ao lado do posto de saúde, e próximo ao reservatório de água da BRK, no bairro há muitos pontos comerciais, mercados, igrejas, bares, igrejas e centro comunitário.

Dentre os avanços alcançados no Bairro, está a conquista de melhores situações de saneamento básico em 1986; a implantação do posto de saúde de 1988; em 1991 esta instituição passa para COMAI e em 2001 surge a ACEIAS.

2.13.3 Características da População Atendida

Baseado em análise das fichas de estudo social entregue no início de cada criança no CEI, é possível perceber que as crianças matriculadas nesse centro de educação infantil são filhos de famílias trabalhadoras, sendo que os pais e responsáveis na maioria, trabalham em fábricas, comércio, educação e residências. 

São crianças que na sua maioria possuem como referência familiar, a mãe e o pai e quando não os avós, tios e padrinhos, não fugindo da realidade vivenciada pela maioria das crianças em nosso País. Independente da composição familiar a qual a criança pertence, estes responsáveis são incentivados a participarem ativamente da vida escolar através de reuniões, datas comemorativas, contribuições e demais eventos quando se faz necessário.

Desta forma buscamos desenvolve um trabalho integral onde cada criança e sua família seja respeitada em suas particularidades, estabelecendo assim uma relação positiva entre família x escola, onde juntas poderão auxiliar a criança a entender o mundo que a cerca.

O perfil desse público não se distância da jornada histórica onde os pais precisam trabalhar para prover o sustento da família sendo a maioria assalariada.Nesse espaço são atendidas crianças que apresentam laudo médico ou estão em fase de avaliação por apresentar dificuldades de desenvolvimento. 

As crianças atendidas em sala de recurso na grande maioria das vezes chegam ao CEI tendo atrasos em desenvolvimento muitas vezes não percebidos pela família. Inicia-se assim o acompanhamento, avaliações, atendimentos e encaminhamentos necessários e a incumbência de trabalhar as famílias a aceitação das suas necessidades, com o mesmo amor e respeito por aqueles que as não possuem. 

A família necessita então reestruturar-se para o auxílio necessário para um melhor atendimento destas crianças realizando os procedimentos solicitados, na área da saúde como exames médicos, consultas e demais tratamentos bem como conciliar seu trabalho o qual provêm seu salário e equilibrar seu estado emocional. 

Estas crianças frequentam o CEI, e não sofrem discriminação ou preconceito por parte dos demais alunos e nem de suas famílias uma vez que procuramos desenvolver um trabalho de orientação, conscientização e esclarecimento. Em sala as professoras procuram desenvolver atividades pedagógicas que desenvolvam desde muito cedo o respeito às diferenças.

  • 2.13.4 Missão/ Visão/ Valores

2.13.4.1 Missão

Receber e acolher as crianças em um ambiente tranquilo, desafiante e prazeroso com pessoas comprometidas e interessadas, que possam apoiar os pequenos em suas descobertas, explorações e aprendizagens.

2.13.4.2 Visão

Formar cidadãos de espírito descobridor e criativo, capacitados a atuar e conviver na comunidade global.

2.13.4.3 Valores

  • Construção de valores;
  • Respeito às diferenças;
  • Valorização do desenvolvimento físico, psicológico e social da criança.

  • 2.13.5 Organização do Funcionamento do Trabalho

As turmas estão agrupadas por idade, tendo como data base para cálculo o dia trinta e um de março do decorrente ano. Sendo assim nosso trabalho desenvolve-se em turmas de:

Berçário I – 0 a 1 ano de idade.

Berçário II – 1 a 2 anos de idade.

Maternal I – 2 a 3 anos de idade.

Maternal II – 3 a 3 anos e 11 meses de idade.

Essas crianças na sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe necessita desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral aos seus filhos. Como um dos objetivos da proposta é possibilitar condições a esta mãe de desenvolver tais atividades o regime de funcionamento da ACEIAS segue os seguintes horários:

  • Entrada 06h30min às 08h00min.
  • Saída a partir das 17h30min às 18h30min.

2.13.6 Organizações do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra horários muito rígidos, ela precisa ela precisa de alguns pontos de referências fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. 

Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o porquê e para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

2.12.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 8h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 8h20min Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico, devendo estas ações ser desenvolvidas em cada troca.
09h30min às 10h30min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II;

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor, com pequena pausa para lanchinho e chá;
10h30min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II; Entremeada de conversas, usando de voz suave, carícias, etc. idem a ação pedagógica/ 3;
11h00min às 11h30min Almoço: Berçário I e II; Dialogar estimulando a mastigação, sucção, etc. idem a ação pedagógica/ 2;
11h30min

12h00min

Higiene e escovação
12h00min às 14h00min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
14h00min às 14h20min Troca, Higiene. Idem a ação pedagógica / 2 e 3.
14h20min às 14h40min I Lanche: frutas, sucos, etc.
14h40min às 16h00min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h00min às 16h30min II Lanche (janta) para Berçário I e II Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação.
16h30min às 18h30min Troca, entrega aos pais: Berçário I e II Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.

OBSERVAÇÃO I: As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

OBSERVAÇÃO II- As turmas de BII, MAT I e II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de BI realizam suas refeições em sua própria sala.

2.13.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h20min

Organização para o café Organizá-los com a higiene necessária para receber o café da manhã;
08h20min às 08h40min Café da manhã Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
08h40min às 9h00min Higiene: escovação. Orientar a criança para uma escovação correta, para a higiene da escova, conservação da higiene do banheiro, desperdício com a água.
09h00min às 11h15min Experiências dirigidas. Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.
11h15min11h30min

11h30min

12h00min

Higiene e preparação para almoço: Maternal I e II.

Almoço e escovação: maternal I e II.

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min Sono e repouso: Maternal I e II Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 
13h30min

14h00min

Preparação para o lanche Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.
14h00min às 14h20min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.
14h20min às 16h30min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h30min

 16h45min

II lanche Maternal I

II lanche Maternal II

Idem a ação 2 e 5.
16h45min às 18h30min Organização para saída e entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças. 

  • 2.13.7 Estrutura Organizacional do CEI

2.13.7.1 Quadro de Colaboradores do CEI

FUNÇÃO  Quantidade  HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professoras nível superior completo e à nível médio. 08 Com Curso Superior Completo em Pedagogia

 Cursando Pedagogia.

40 horas semanais

Turno matutino e vespertino. 

Auxiliar de desenvolvimento infantil/ profissional de apoio 07 Com ensino superior em Pedagogia e Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Serventes 02 Cursando ensino superior 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Merendeira 01 Médio completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora/Coordenadora 01 Superior Completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Professora de sala multifuncional/ AEE 01 Superior completo em Pedagogia.

Pós Graduação em Educação Infantil e Séries Iniciais.

40 horas semanais.

Atendimento Educacional Especializado individual de no mínimo 40 minutos por aluno, conforme necessidade.

2.13.7.2 Quadro de Organização dos horários das colaboradoras

2.13.8 Organização das Turmas com Números de Vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I 0 a 1 ano 14
Berçário II 1 a 2 anos 16
Maternal I 2 a 3 anos 18
Maternal II 3 a 3 anos e 11 meses 20
Sala de recurso multifuncional 0 a 3 anos e 11 meses Conforme demanda

2.13.9 Quadro de organização das horas atividades

  • CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL
  • DONA GLADIS VARGAS ROESCH – ARCO IRIS

2.14 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Dona Gladis Vargas Roesch – Arco-Iris

Código da Escola: 42151732

Localização: Rua: Hercélio Tibias s/n 

Área territorial:—————m2

Área construída:—————- m2

Capacidade de atendimento: 68 crianças

Espaço físico: 

  • 05 salas de atividades;
  • 01 sala berçário;
  • 05 banheiros infantis;
  • 01 banheiro adulto;
  • 01 lactário;
  • 01 área de serviço;
  • 01 refeitório;
  • 01 cozinha;
  • 01 depósito para alimentos;
  • 01 copa;
  • Parque infantil externo;
  • Parque infantil interno;
  • Biblioteca / sala dos professores;
  • Secretaria.

2.14.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Dona Gladis Vargas Roesch/Arco-Iris

Com o passar dos anos o bairro foi crescendo cada vez mais, a partir de 11 de junho de 2015 o posto de saúde passa a ser um centro de educação infantil, nomeado C.E.M.E.I. DONA GLADIS VARGAS ROESCH, localizada na Rua HercélioTíbias, no bairro Bom Sucesso, conhecido como loteamento mutirão sendo que a comunidade foi construída por moradores locais.

Em 21 de agosto de 2017 a instituição ACEIAS assumiu os compromissos e o atendimento junto à comunidade iniciando com turmas de Berçário II a Maternal IIcom o total de 50 crianças, tendo como equipe as colaboradoras Mariliceno BII; Alessandra no MI, Luana no MII, auxiliares de desenvolvimento infantil Fernanda, Jaqueline, a coordenadora Jorgiana, a auxiliar de serviços gerais Dilva e a cozinheira Luciane; no ano seguinte a equipe foi composta pela professora  Alessandra BI, Ketly BII, Simone MI, Jocélia MII, as auxiliares Rute, Fernanda, a coordenadora Jorgiana, as serventes Dilva e Fernanda e a cozinheira Edilene; neste ano de 2019 a equipe está composta pela professora Marilice BI, Kellin BII ,Ketly MI, Jocélia MII, as serventes Dilva e Vanessa, cozinheira Edilene e a coordenadora Cleci.

 Atualmente atende cerca de 55 crianças de 0 a 3 anos e 11meses .

2.14.2 História do Bairro Mutirão

O bairro surgiu de um projeto criado pelo arquiteto e vereador de caçador Nilton Marçal dos Santos. Nessa época Onélio Francisco Menta prefeito de caçador doou os terrenos, onde foram organizados mutirões de pessoas para trabalhar e ajudar na construção das casas, dando-se o nome ao lugar de mutirão. O primeiro morador foi seu João conhecido como Tremendão, o segundo morador foi seu Antônio e o terceiro morador foi seu Laurindo Lins.

No início as casas eram para serem construídas em tamanhos grandes mais não foi possível então foram construídas meia água de 3×6 metros foi aí então que criaram uma pequena vila que passou a se chamar Vila Ulisses Guimarães, eles não tinham água, não tinham luz e muito menos rede de esgoto.

Logo após foi construída uma escola pequena feita de madeira estilo rural que foi doação do seu Milton Marçal dos Santos, servia para todos os tipos de eventos do bairro como centro comunitário, para dar aulas de catequese, para realizar festas da comunidade etc. Essa escola acabou levando o mesmo nome da vila de Ulisses Guimarães. Com o passar dos tempos os moradores buscaram melhorar o seu bairro, conseguindo trazer água e luz. 

Em seguida surgiram novos projetos como loteamento João de barro, que ainda os moradores não tiveram custo algum e logo depois veio o projeto do Cerro Bonito feito pela caixa econômica Federal, onde os mesmos pagaram seu financiamento trazendo consigo a rede principal de esgoto para todos os bairros vizinhos.

Atualmente a realidade da comunidade teve um progresso bastante significativo, havia um preconceito quanto ao bairro e a localidade devido à baixa renda da população o que vem se extinguindo ao longo dos anos, mesmo ainda havendo moradores que trabalham na agricultura e muitos desempregos, há também colaboradores em grandes empresas, percebe-se que as residências tem se adequado de acordo com a renda familiar, o que teve um bom progresso.

O desenvolvimento populacional cresceu consideravelmente unindo 3 loteamentos vizinhos com o atual de acordo com relatos de moradores, há em média 500 famílias residindo na comunidade.

A realidade do bairro quanto às precariedades teve uma evolução, ocorrendo algumas melhorias na infraestrutura, comércios locais construções de escolas, o que teve um grande avanço trazendo comodidade às crianças de várias idades de educação infantil a ensino fundamental que proporciona as famílias mais tranquilidade. 

A cultura local ainda tem a defasagem, sendo que algumas mães preferem ter a profissão do lar, para atender seus filhos com a insegurança de pôr nos CEIS o que iria contribuir consideravelmente para a renda familiar. Se as mesmas optarem por inserir seus filhos na educação infantil para assim poder colaborar ainda e desconhecido nas comunidades mais carentes ou de baixa renda como e considerada a comunidade alguns direitos da criança na educação infantil.

A cultura da comunidade ainda tem uma visão distorcida sobre educação até mesmo as crianças não tem motivação por parte da família para se profissionalizar, estudar e almejar um currículo promissor, segundo relatos das próprias crianças que frequentam o CEI.

A comunidade em geral se adéqua as realidades vividas, apresentando certa resistência em aceitar seus deveres e também direitos perante a sociedade. Após muitas informações através da mídia as famílias estão mais aptos as transformações as crianças bem cuidadas, tanto na saúde quanto no bem estar, há casos em que precisa ter um acompanhamento mais a porcentagem é pequena.

2.14.3 Características da População Atendida

Constatamos que a grande parte das famílias é de origem humilde, tendo renda de um a dois salários mínimos, sendo que a maioria das mães não exerce trabalho remunerado e atingem baixo nível de escolaridade. Mesmo assim, muitas famílias têm acesso a bens tecnológicos (celular, vídeo, DVD, TV, etc.).

O quadro atual das famílias está dentro da nova estruturação familiar. Alguns com emprego fixo e tem assistência médica e odontológica do SUS. A maioria dos nossos alunos demonstra respeito e educação no trato com os professores, sendo necessária intervenção no convívio entre os alunos para aprendizagem dos valores e virtudes.

Poucos alunos têm em casa,modelo de valorização ao estudo. Muitos pais estão sendo “incentivados” a buscar o estudo como forma de manter seu emprego, encontramos famílias que refletem em seus filhos a busca de um futuro melhor. Alguns pais são presentes e preocupados com o desempenho de seus filhos no ambiente escolar.

2.14.4 Missão/ Visão/ Valores

2.14.4.1 Missão

Proporcionar um ensino de qualidade, no qual o lazer e o aprender estão em equilíbrio, onde a criança brinque de forma interativa e lúdica, desenvolva suas capacidades e habilidades específicas, que permitam a ela estar preparada para a futura escolaridade e vida adulta.

2.14.4.2 Visão

Oferecer a seus alunos e colaboradores a possibilidade de se desenvolverem, tornando-se cidadãos éticos, capazes de contribuir para a evolução da comunidade a que pertencem. Isso porque se preocupa com uma sociedade mais justa e competente em seus afazeres.

2.14.4.3 Valores

Prezamos e mantemos sempre os mesmos valores, como o respeito à criança e ao tempo da infância, profissionalismo, transparência, integridade, ética e o compromisso com os princípios educacionais de referência. Valores estes, que ensinamos às nossas crianças dia após dia de maneira lúdica e recreativa.

  • 2.14.5 Organização Funcionamento do Trabalho

As turmas estão agrupadas por idade, tendo como data base para calculo o dia trinta e um de março do decorrente ano. Sendo assim nosso trabalho desenvolve-se em turmas de:

Berçário I – 0 a 1 ano de idade.

Berçário II – 1 a 2 anos de idade.

Maternal I – 2 a 3 anos de idade.

Maternal II – 3 a 3 anos e 11 meses de idade.

Essas crianças na sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe necessita desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral aos seus filhos. Como um dos objetivos da proposta é possibilitar condições a esta mãe de desenvolver tais atividades o regime de funcionamento segue os seguintes horários:

  • Chegada: Manhã: 06h:30min ás 08:00hrs
  • Saída:           Tarde: 17h:00min às 18h:00hrs

2.14.6 Organizações do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra a horários muito rígidos, ela precisa ela precisa de alguns pontos de referências fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o por quê e para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

2.14.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 8h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 8h20min Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico, devendo estas ações ser desenvolvidas em cada troca.
09h30min às 10h30min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor, com pequena pausa para chá e lanchinho.
10h30min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II Entremeada de conversas, usando de voz suave, carícias, etc. idem a ação pedagógica/ 3.
11h00min às 11h30min Almoço: Berçário I e II Dialogar, estimulando a mastigação, sucção, etc.
11h00min às

11h45min 

Higiene e preparação para o soninho Entremeada de conversas, usando de voz suave, carícias, etc.
11h45min às 13h45min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
13h30min às 14h20min Troca, higiene, escovação. Idem a ação pedagógica / 2 e 3.
14h20min às 14h40min I Lanche: frutas, sucos, etc.
14h40min às 15h55min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h00min às 16h30min II Lanche (janta) para Berçário I e II Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação.
16h30min às 17h00min Troca Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.
17h00min às 18h00min Entrega aos pais: Berçário I e II

OBSERVAÇÃO I: As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

OBSERVAÇÃO II- As turmas de BII, MAT I e II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de BI realizam suas refeições em sua própria sala.

2.14.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h20min

Organização para o café
08h20min às 08h40min Café da manhã Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
08h40min às 9h00min Higiene: escovação. Orientar a criança para uma escovação correta, para a higiene da escova, conservação da higiene do banheiro, desperdício com a água.
09h00min às 10h45min Experiências dirigidas. Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.
10h45min as 11h00min Higiene e preparação para almoço: Maternal I e II. Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
11h00min

11h45min

Almoço maternal I e II.
11h45min às 13h30min Sono e repouso: Maternal I e II Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 
13h30min

14h00min

Preparação para o lanche
Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.
14h00min às 14h20min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.
14h20min às 16h00min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h00min II lanche Maternal I Idem a ação 2 e 5.
16h30min II lanche Maternal II
16h30min às 18h00min Organização para saída e entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças. 

  • 2.14.7 Estrutura Organizacional do Centro de Educação Infantil

2.14.7.1 Quadro de Colaboradores do CEI

FUNÇÃO  QUANTIDADE HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professora à nível superior completo e à nível médio. 04 Com Curso Superior Completo em Pedagogia

 Cursando Pedagogia.

40 horas semanais

Turno matutino e vespertino. 

Auxiliar de desenvolvimento infantil/ profissional de apoio 03 Com ensino superior em Pedagogia e Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Serventes 02 Ensino fundamental/médio incompleto 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Merendeira 01 Ensino Médio completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora/Coordenadora 01 Superior Completo em Pedagogia 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.

2.14.7.2 Quadro de Organização de Horários

2.14.8 Organização Turmas com Números de Vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I 0 a 1 ano 14
Berçário II 1 a 2 anos 16
Maternal I 2 a 3 anos 18
Maternal II 3 a 3 anos e 11 meses  20
Sala de recurso multifuncional 0 a 3 anos e 11 meses Conforme demanda

2.14.9 Quadro de organização das horas atividades

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PEDACINHO DO CÉU

                                   

  2.15 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Oneide Olsen/Pedacinho do Céu

Código da Escola: 42112931

Localização: Rua: Onofre Pereira 315 – Bairro Jung

Área territorial: 1.260 m2

Área construída: 383.80 m2

Capacidade de atendimento:120 crianças

Espaço físico: 

  • 06 salas de atividades.
  • 01 sala berçário.
  • 02 banheiros infantis 
  • 01 banheiro adulto
  • 01 lactário.
  • 01 área de serviço.
  • 01 refeitório.
  • 01 cozinha.
  • 01 depósito para alimentos.
  • 01 copa
  • Parque infantil
  • 01 sala multifuncional
  • Área verde

2.15.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Pedacinho do Céu 

O Centro de Educação Infantil Pedacinho do Céu iniciou suas atividades em 1989 pela antiga  CEBEM – Centro de bem Estar do Menor, com o nome (Oneide Olsen) foi em homenagem a empresária caçadorense que arduamente lutou junto à instituição quando foi a vice prefeita da cidade, na primeira administração de Onélio Menta. Ela era vice prefeita e também presidente da COMAM. 

Nesse tempo, junto com Oneide a instituição conseguiu buscar algumas verbas federais e estaduais e alguns espaços foram inaugurados, como a creche do bairro Bello, a sede administrativa no Gioppo, a creche do Berger e a primeira etapa desta creche. As peças fundamentais para a inauguração foram a assinatura do convênio com o Sr. Danilo Schimidt, secretário da Secretaria do Trabalho e do Desenvolvimento Comunitário; Osmar Pavelski, coordenador Regional da STDC, que lutou  para trazer a obra; ao Prefeito Lucir e seu antecessor Onélio Menta que doou pedra e areia; ao Sr. João Amâncio da Costa Filho que através de sua empresa levantou a obra; vale ressaltar que nesta data se esperava a ampliação de uma nova sala, o que foi conseguido na reinauguração 14 anos depois em 2003.

O Centro de Educação infantil está localizado próximo a escola Municipal de Educação Básica Morada do Sol, atendendo a clientela de alunos do Bairro Martello e sua divisa entre Jung, CAIC, Mutirão e Morada do Sol, com capacidade para até 120 crianças. A faixa etária atendida é a partir de 0 até 3 anos e 11 meses, conforme legislação vigente, sistematizados em Berçário I, Berçário II, Maternal I, e Maternal II. Os alunos contam com um parque e espaço de lazer na área externa para brincadeiras Pedagógicas ao ar livre.

2.15.2 História do Bairro 

O Bairro é composto por Jung/ Martello é composto por 12.696 habitantes, dentre as opções de lazer que a comunidade tem acesso, temos o CEU (Centro de Artes e Esportes Unificados, que ocupa o evento Ocupa Comunidade, todas as tardes do último domingo do mês, sendo realizado diversas atividades para a população, este evento é realizado pela Rede Intersetorial do bairro Martello.

O bairro Martello é o único que conta com diversidade, sendo que o Jung é considerado o coração do bairro, tendo várias lojas, mercados, padarias, lotérica, igreja, bares, oficinas, existe a possibilidade da abertura de uma agencia dos correios, porém não se confirmou ainda, tudo isso facilita para os moradores, que podem contar com todos esses elementos perto de suas residências.

Enquanto educação, o bairro possui seis escolas, sendo que uma estadual abrange alunos de ensino médio. E as demais são municipais e abrangem educação infantil (pré escola) e ensino fundamental, para auxiliar os pais que trabalham temos mais três CEIs, onde um deles é o Oneide Olsen/ Pedacinho do Céu. Nossa comunidade é a única no município a contar com todos os acessos básicos de ensino sem precisar sair do bairro.

2.15.3 Características da População Atendida

Nosso Centro de Educação Infantil atende uma clientela de classe média, onde se encaixa um padrão de vida razoável de forma não apenas de suprir as necessidades de sobrevivência como também de permitir formas de lazer e cultura.

A pesquisa atual sobre a classe média são as metamorfoses de um interesse antigo, que se renova de tempo em tempo em razão de transformação econômica. Porém há comportamentos diferenciados em questão com a participação educacional do seu filho no CEI, entre eles: 

  • Vinculados: são os pais presentes que dialogam frequentemente com os filhos, mas não acompanham com a mesma atenção a rotina da criança na escola ou CEI;
  • Envolvidos: esses pais praticam mais ações de valorização do que a de vinculo, eles acompanham de perto a rotina de seu filho no CEI, e apresentam um ambiente familiar menos propicio ao dialogar;
  • Distante: esses pais pouco se relacionam com a comunidade do CEI e pouco dialogam com as crianças;
  • Intermediário: são pais que estão distantes tanto em relação ao CEI ou com as crianças;
  • Comprometidos: são pais que buscam informações e participam de reuniões e eventos proporcionados pela instituição, sempre envolvidos no cotidiano e preocupados com os alunos e as atividades desenvolvidas.

A maioria dos pais ou responsáveis pelos educandos possuem escolaridade até o Ensino Fundamental II, renda familiar de 2 a 4 salários mínimos e exercem atividades profissionais que não exige qualificação nem vínculo empregatício. Assim constata-se que é uma população que não possuem uma grande porcentagem de dificuldades ao acesso aos itens básicos de sobrevivência, como alimentação, saúde, moradia adequada, trabalho e lazer. Utiliza-se em sua maioria de serviços públicos, CRAS, postos de saúde.

Essa clientela convive com casos de criminalidade, consumo e tráfico de drogas, gravidez na adolescência, abuso sexual, desestruturação familiar, (dados fornecidos pela assistência social); desta maneira a escola tem o compromisso de através do trabalho com o conhecimento cientifico, instrumentalizá-los, para compreender, elaborar, e atuar na sociedade atual na perspectiva de cada vez mais transformá-la oferecendo um futuro melhor á todos.

2.15.4 Missão/ Visão/ Valores

2.15.4.1 Missão

Oferecer uma Educação Infantil, integrando o cuidar, o brincar e o educar, onde o pensamento da criança e suas hipóteses sobre o mundo que a cerca são respeitadas.

2.15.4.2 Visão

Proporcionar um ensino de qualidade, no qual o lazer e o aprender estão em equilíbrio, onde a criança brinque de forma interativa e lúdica, desenvolva suas capacidades e habilidades específicas, que permitam a ela estar preparada para a futura escolaridade e vida adulta.

2.15.4.3 Valores

 Prezamos e mantemos sempre os mesmos valores, como o respeito à criança e ao tempo da infância, profissionalismo, transparência, integridade, ética e o compromisso com os princípios educacionais de referência. Valores estes, que ensinamos às nossas crianças dia após dia de maneira lúdica e recreativa.

  • 2.15.5 Organização do Funcionamento do Trabalho

As turmas estão agrupadas por idade, tendo como data base para calculo o dia trinta e um de março do decorrente ano. Sendo assim nosso trabalho desenvolve-se em turmas de:

Berçário I – 0 a 1 ano de idade.

Berçário II – 1 a 2 anos de idade.

Maternal I – 2 a 3 anos de idade.

Maternal II – 3 a 3 anos e 11 meses de idade.

Essas crianças na sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe necessita desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral aos seus filhos. Como um dos objetivos da proposta é possibilitar condições a esta mãe de desenvolver tais atividades o regime de funcionamento segue os seguintes horários:

  • Chegada: Manhã: 06h:30min ás 08:00hrs
  • Saída:           Tarde: 17h:30min às 18h:30hrs

2.15.6 Organização do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra a horários muito rígidos, ela precisa ela precisa de alguns pontos de referências fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o por quê e para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

2.15.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 8h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 8h20min Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico, devendo estas ações ser desenvolvidas em cada troca.
09h30min às 10h30min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor.
10h30min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II Entremeada de conversas, usando de voz suave, carícias, etc. idem a ação pedagógica/ 3.
11h00min às 11h30min Almoço: Berçário I e II Dialogar estimulando a mastigação, sucção, etc. idem a ação pedagógica/ 2.
11h30min

12h00min

Higiene e escovação
12h00min às 14h00min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
14h00min às 14h20min Troca, Higiene. Idem a ação pedagógica / 2 e 3.
14h20min às 14h40min I Lanche: frutas, sucos, etc.
14h40min às 16h00min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h00min às 16h30min II Lanche (janta) para Berçário I e II Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação.
16h30min às 18h00min Troca, entrega aos pais: Berçário I e II Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.

OBSERVAÇÃO I: As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

OBSERVAÇÃO II- As turmas de BII, MAT I e II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de BI realizam suas refeições em sua própria sala.

2.15.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e maternal II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h20min

Organização para o café
08h20min às 08h40min Café da manhã Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
08h40min às 9h00min Higiene: escovação. Orientar a criança para uma escovação correta, para a higiene da escova, conservação da higiene do banheiro, desperdício com a água.
09h00min às 11h15min Experiências dirigidas. Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências  voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.
11h15min as 11h30min

11h30min

12h00min

Higiene e preparação para almoço: Maternal I e II.

Almoço e escovação: maternal I e II.

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min

13h30min

14h00min

Sono e repouso: Maternal I e II

Preparação para o lanche

Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 

Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.

14h00min às 14h20min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.
14h20min às 16h00min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências  voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h30min

 16h45min

II lanche Maternal I

II lanche Maternal II

Idem a ação 2 e 5.
16h45min às 18h30min Organização para saída e entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças. 

  • 2.15.7 Estrutura Organizacional do CEI

2.15.7.1 Quadro de colaboradores do CEI

FUNÇÃO  QUANTIDADE HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professora à nível superior completo e à nível médio. 06 Com Curso Superior Completo em Pedagogia

 Cursando Pedagogia.

40 horas semanais

Turno matutino e vespertino. 

Auxiliar de desenvolvimento infantil 06 Com ensino superior em Pedagogia e Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Serventes 02 Cursando ensino superior 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Merendeira 01 Médio completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora/Coordenadora 01 01 – Superior Completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Professora de sala multifuncional/ AEE 01 Superior completo em Pedagogia.

Pós Graduação em Educação Infantil e Series Iniciais.

40 horas semanais.

Atendimento Educacional Especializado individual de no mínimo 40 minutos por aluno, conforme necessidade.

 

2.15.7.2 Quadro de organização com horário das colaboradoras

2.15.8 organização das turmas com números de vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I 0 a 1 ano 14
Berçário II 1 a 2 anos 16
Maternal I 2 a 3 anos 18
Maternal II 3 a 3 anos e 11 meses 20
Sala de recurso Multifuncional 0 a 3 anos e 11 meses Conforme demanda

2.15.9 Quadro de organização das horas atividades

  • Centro de Educação Infantil Educar é Tudo

  • 2.16 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Educar é tudo;

Código da Escola: 42146097;

Localização: Rua Hugo Torres Cruz  s/n;

Área territorial: 1.200m2 aproximadamente;

 Área construída de: 180 m2;

Capacidade de atendimento: 65 crianças.

Espaço físico:

  • 03 salas de atividades;
  • 01 sala berçário;
  • 01 banheiro infantil;
  • 02 fraldário;
  • 01 banheiro adulto;
  • 01 depósito;
  • 01 cozinha;
  • 01 copa;
  • 01 refeitório;
  • 01 área de serviço;
  • Área verde.
  • 2.16.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Educar é Tudo

A creche surgiu através do objetivo da empresa Viposa S/A, oferecer aos filhos de seus funcionários um cuidado especial e de garantir a tranquilidade dos pais enquanto trabalham disponibilizando vagas em creche em tempo integral. Em parceria com a Prefeitura Municipal/ Secretaria da Educação nasce o CMEI Educar é tudo. 

O espaço físico para a criação desde CEI é de propriedade particular da empresa Viposa, ficando acordado a responsabilidade da mesma ao que se refere aos reparos e melhorias para atender a demanda e especificações exigidas para manter a creche legalizada. 

No ano de dois mil e quinze a Prefeitura Municipal em comum acordo com a empresa entrega a administração do CMEI a Instituição Aceias – Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social que passa a chamar-se CEI  Centro de Educação Infantil Educar é tudo.

No início dos trabalhos pedagógicos a equipe realizava suas atividades em dois espaços físicos / casas de propriedade da empresa para ampliação de vagas bem como proporcionar um ambiente adequado ao desenvolvimento infantil. Em sua organização na casa (01) eram atendidas crianças de zero a dois anos e na casa (02), as crianças de três a quatro anos. 

Juntamente ao atendimento do CEI a empresa Viposa com nova parceria com a ACEIAS organiza um terceiro espaço denominado Projeto Educar é tudo, para atendimento de crianças em idade pré escolar contra turno com o objetivo de desenvolver atividades recreativas em ambiente educacional no período em que não estão na escola, permitindo aos pais/ funcionários tranquilidade para desenvolver seu trabalho, qualidade e segurança. 

Em dois mil e dezoito com a coordenação de Franciele Veloso com um novo reordenamento dos espaços físicos, a empresa realiza investimento financeiro para a reforma proporcionando atendimento de zero a três anos e onze meses em um único espaço. 

Em acompanhamento a toda esta caminhada passou pelo Centro de Educação Infantil as coordenadoras Vania de Oliveira, Jorgiana Zander e Zenilde Chagas que contribuíram para a evolução e crescimento organizacional e físico.

Em 2019 o Centro de Educação Infantil conta com 10 funcionarias na creche entre professoras, auxiliar de desenvolvimento infantil, merendeira e servente. E no espaço do projeto conta com duas professoras.

  • 2.16.2 Histórico do Bairro Berger

No início do século XIX (anos 1800) a região do Alto Vale do Rio do Peixe era uma grande floresta de mata fechada – o grande pinhal da América do Sul. Neste tempo chegaram os caboclos portugueses e espanhóis, surgindo, dali em diante a miscigenação com os índios caingangues e xoclengues, nativos na região.

Em 1881 Corrêa de Melo, juntamente com sua esposa e dez filhos, funda a fazenda Faxinal do Bom Sucesso – área de terras com 636 alqueires à margem esquerda do Rio do Peixe, com sede nos altos do atual bairro Berger, passando a viver da própria subsistência, da caça e colheita do pinhão, com o objetivo de manter a posse das terras.

Com a chegada da estrada de ferro em 1910, Corrêa de Melo teve que aligeirar-se para fazer a escritura da posse, eis que a empresa construtora dos trilhos ficaria, em doação do governo federal, com 30 quilômetros de terras em cada lado da ferrovia. 

Os anos se passaram, surgiu a vila de Rio Caçador e adiante, com a emancipação, a cidade de Caçador. Muita gente acorreu então para a região, onde se estabeleceram dezenas de serrarias, dando empregos, fazendo crescer o comércio, surgindo novas indústrias com outras atividades.

Foi nos anos 60 que aqui chegou à família Berger após a compra de um antigo curtume da família Busato. Trata-se do atual curtume Viposa. A reforma do estabelecimento proporcionou um rápido desenvolvimento na região, com novos empregos e a chegada de moradores a construir suas casas. A indústria tornou-se popular e acabou homenageando o comerciante Henrique Júlio Berger, que deu nome ao bairro, a rua e escola, pela sua atuação profissional e comunitária.

Com investimentos em tecnologia e modernização constante, expandindo-se. Hoje a matriz em Caçador e três filiais no país empregam cerca de dois mil e quinhentos funcionários. Empresa de excelência produz para grifes de moda, móveis e automóveis de fábricas em todo mundo, sendo a exportação o seu carro-chefe nas vendas.

A década de ’70 foi marcante para o bairro. Além do desenvolvimento da empresa Viposa, surge uma escola de madeira onde hoje está a praça do bairro. Em 1972 veio a primeira capela, hoje Paróquia Cristo Redentor. Outros credos se estabeleceram no bairro – Assembleia de Deus, Testemunhas de Jeová, Deus é Amor, Igreja Ucraniana. Na Paróquia Cristo Redentor são realizadas duas festas anuais – dia das Mães e festa de São Cristóvão.

O bairro avançou, progrediu, sendo agora uma das melhores regiões da cidade para residir, o que se comprova com as belas casas que existem na comunidade. No Berger estão instalados o SESC e o SENAI, instituições tradicionais do país, sem fins lucrativos, que prestam enorme serviço à população na formação técnica, ensino regular e promoção social, sendo importantes agentes de cultura inseridos na comunidade.

De acordo com o censo de 2010, o bairro conta com uma população de 4.538 habitantes, na sua maioria uma população jovem. Uma comunidade de classe média que conta com serviço de Unidade de Pronto Atendimento (UPA) inaugurada em 2016, posto de saúde, mercados, padarias, mercearias, lojas, igrejas de varias religiões, entre outros.

A maioria dos moradores trabalham, saem pela manhã e voltam a noite. Grande parte da população do bairro tem a escolaridade mínima exigida, outros ainda estudam à noite em instituições de curso superior e técnico. 

As famílias são em média pequenas e o perfil em sua maioria é de famílias tradicionais. O bairro é calmo, com baixos índices de violência, roubo, entre outras ocorrências. Um bairro arborizado com urbanização e saneamento básico adequados na maior parte de sua extensão.  

Fonte: academialetras2014.blogspot.com/2018/09/historico-dos-bairros-de-cacador.html

  • 2.16.3  Características da População Atendida

O Centro de Educação Infantil Educar é tudo, atende aproximadamente sessenta e cinco crianças, em período integral, provenientes de famílias com condições socioeconômicas. 

Os pais desenvolvem atividades profissionais variadas, sendo as mães na sua maioria funcionárias da empresa Viposa uma vez que o Centro de Educação Infantil existe para este fim, sendo aberto para a comunidade, algumas vagas quando disponível. A escolarização dos pais também é variada podendo encontrar desde analfabetos como com ensino superior. A predominância religiosa das famílias é o catolicismo. 

As famílias possuem em sua composição em média de um a três filhos, tendo como forma principal de lazer visita a familiares e idas à igreja. 

Devido a real necessidade de estar no CEI para que as mães possam exercer sua atividade remunerada consta em nossos registros a frequência diária dos alunos o que nos permite desenvolver nossas atividades pedagógicas com eficácia. 

As crianças apresentam um desenvolvimento social saudável com os demais colegas, professoras e funcionárias. Apresentam condutas comportamentais e sociais de acordo com a idade, com respeito, autonomia e segurança.   

Desta forma buscamos desenvolver um trabalho integral onde cada criança e sua família seja respeitada em suas particularidades. Estabelecendo assim uma relação positiva entre família X escola onde juntas poderão auxiliar a criança a entender o mundo que acerca, valorizando a todos tornando-a cidadão de bem.

Este desenvolvimento e valorização de todos deve ser posta em prática com todas as faixas etárias tendo como base do nosso trabalho o respeito as diferenças dando oportunidade as crianças com características físicas diferentes, advindas de diversas culturas e raças com e sem dificuldades de aprendizagem, tornando o trabalho desenvolvido no Centro de Educação Infantil com equidade.

Em nosso Centro de Educação Infantil também atendemos crianças com dificuldades em seu desenvolvimento as quais tem seus direitos respeitados através de experiências pedagógicas em sala comum e juntamente intercalados recebem atendimento em salas multifuncionais com atendimento educacional especializado – AEE.

Neste espaço são atendidas crianças que apresentam laudo medico ou estão em fase de avaliação por apresentar dificuldades de desenvolvimento.

As crianças atendidas em sala de recurso, na grande maioria das vezes chegam ao Centro de Educação Infantil tendo atraso em seu desenvolvimento não percebido pela família. Inicia-se assim o acompanhamento, avaliações, atendimentos e encaminhamentos necessários e a incumbência de trabalhar as famílias a aceitação das suas necessidades, com o mesmo amor e respeito por aqueles que não a possui.

A família necessita então reestruturar-se para o auxilio necessário para um melhor atendimento destas crianças realizando os procedimentos solicitados, na área da saúde como exames médicos, consultas e demais tratamentos bem como conciliar seu trabalho o qual provem seu salario e equilibrar seu estado emocional.

Estas crianças frequentam o Centro de Educação Infantil, e não sofrem discriminação ou preconceito por parte dos demais alunos e nem de suas famílias uma vez que procuramos desenvolver um trabalho de orientação, conscientização e esclarecimento. Em sala as professoras procuram desenvolver atividades pedagógicas que desenvolvam desde muito cedo respeito às diferenças.

  • 2.16.4 Missão/ Visão/ Valores

  • 2.16.4.1 Missão

Oferecer uma educação interagindo o cuidar e o educar de uma forma sócio- interacionista construtiva, onde o pensamento da criança e suas hipóteses sobre o mundo que a cerca são respeitados como parte fundamental no processo de construção de sua aprendizagem. 

  • 2.16.4.2 Visão

Ser referência desenvolvendo praticas pedagógicas inovadoras, formando cidadãos autônomos, a partir dos princípios que solidificam a infância, do respeito e das relações sociais que se constituem no espaço escolar.  

  • 2.16.4.3 Valores

Nossa prática educacional se baseia na crença de que cada pessoa é capaz de construir seu próprio conhecimento seguindo princípios básicos como:

  • Compromisso com a qualidade educacional
  • Criatividade e inovação;
  • Protagonismo das crianças;
  • Respeito;
  • Responsabilidade;
  • Solidariedade;
  • Trabalho em equipe;
  • Família. 
  • 2.16.5 Organização do Funcionamento de Trabalho

O Centro de Educação Infantil Educar é Tudo atende crianças de zero a três anos e onze meses de idade divididas em turmas de:

  • Berçário I – 0 a 1 ano.
  • Berçário II – 1 a 2 anos.
  • Maternal I – 2 a 3 anos.
  • Maternal II – 3 a 3 anos e onze meses.

Essas crianças na sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe necessita desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral aos seus filhos. Como um dos objetivos da proposta é possibilitar condições a esta mãe de desenvolver tais atividades o regime de funcionamento da ACEIAS segue os seguintes horários:

  • Entrada: 06h30min às 8h00min.
  • Saída: A partir das 17h30min até às 18h30min.
  • 2.16.6 Organização do Cotidiano da Criança de zero a três anos e onze meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra horários muito rígidos, ela precisa de alguns pontos de referência fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o porquê e o para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar a autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

  • 2.15.6.1 Organizações do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II
Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 8h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 8h20min Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico, devendo estas ações ser desenvolvidas em cada troca.
09h30min às 10h30min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II 

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor.
10h30min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II Entremeada de conversas, usando de voz suave, carícias, etc. idem a ação pedagógica/ 3.
11h00min às 12h00min Almoço: Berçário I e II

Higiene Bucal, organização do ambiente para descanso. 

Dialogar estimulando a mastigação, sucção, etc. idem a ação pedagógica/ 2.
12h00min às 14h00min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
14h00min às 14h20min Troca, Higiene. Idem a ação pedagógica / 2 e 3.
14h20min às14h40m

14h30min às 14h50m

I Lanche: frutas, sucos, etc. Berçário I 

I lanche: Berçário II 

14h40min às 16h15min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h15m às 16h45m

16h15 min às 16h30m 

II Lanche para Berçário I

II Lanche para Berçário II

Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação.
16h30min às 18h30min Troca, entrega aos pais: Berçário I e II Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.

OBSERVAÇÃO I: As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

OBSERVAÇÃO II – As turmas de Berçário II, Maternal I e II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de Berçário I realizam suas refeições em sua própria sala.

  • 2.16.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h20min

Organização para o café
08h15min às 8h30min

8h30min às 8h45min 

Café da manhã maternal I 

Café da manhã maternal II

Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
09h00min às 9h30min Higiene: escovação. Maternal I e Maternal II  Orientar a criança para uma escovação correta, para a higiene da escova, conservação da higiene do banheiro, desperdício com a água.
09h15min às 11h00min

09h30min às 11h15min 

Experiências dirigidas para maternal I 

Experiências dirigidas para maternal II 

As 10h00min chá para Maternal I e II 

Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.
11h00min às 11h15min

11h15min às 11h30min

11h15min

11h30min

11h30min as 11h45

Higiene e preparação para almoço: Maternal I 

Almoço e escovação maternal I 

Higiene e preparação para almoço: Maternal II

Almoço e escovação: maternal II.

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min

13h30min

14h00min

Sono e repouso: Maternal I e II

Despertar e preparação para o lanche

Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 

Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.

14h00min às 14h20min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.
14h20min às 16h30min

14h30min às 16h45min 

Experiências dirigidas maternal I 

Experiências dirigidas maternal II

Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h30min às 16h45min

16h45min às 17h00min

II lanche Maternal I

II lanche Maternal II

Idem a ação 2 e 5.
17h00min às 18h30min Organização para saída e entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças. 

2.16.7 Estrutura Organizacional

  • 2.16.7.1 Colaboradores
FUNÇÃO QUANTIDADE HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professora nível superior completo e nível médio 04 Com Curso Superior Completo em Pedagogia e Cursando 40 horas semanais

Turno matutino e vespertino

Auxiliar de desenvolvimento infantil 04 Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Serventes 01 Ensino Fundamental 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Merendeira 01 Ensino Fundamental 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora / Coordenadora 01 Superior Completo 40 horas semanais Turno matutino e vespertino
Professora de sala multifuncional/ Atendimento Educacional Especializado 01 Superior Completo.

Pós graduação Educação Infantil e Series iniciais.

Pós-graduação em Atendimento Educacional Especializado.

40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
  • 2.16.7.2 Quadro de Organização de Horários
  • 2.16.8 Organização das Turmas com número de vagas
TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I 0 a 1 ano 14
Berçário II 1 a 2 anos 16
Maternal I 2 a 3 anos 18
Maternal II 3 a 11meses 20
Sala de recurso multifuncional 0 a 3 e 11 meses Conforme demanda. 

2.16.9 Quadro de organização das horas atividades

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PEQUENO PRÍNCIPE

2.17 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Pequeno Príncipe

Código da Escola: 42071402

Localização: Rua: Marcos Gonçalves Cordeiro s/n – Bairro Berger.

Área territorial: 866.91 m

Área construída: 308,00 m.

Capacidade de atendimento: 68 crianças

Espaço físico:

  • 03 salas de atividades;
  • 01 sala de berçário;
  • 04 banheiros infantis;
  • 01 banheiro adulto;
  • 01 lactário;
  • 01 cozinha;
  • 01 copa;
  • 01 refeitório;
  • 01 depósito para alimentos;
  • 01 área de serviço;
  • 01 sala de Atendimento Educacional Especializado – AEE;
  • 01 sala de professores;
  • Parque infantil;
  • Área verde.

2.17.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Pequeno Príncipe

Em de 1988, na cidade de Caçador, o bairro Berger foi contemplado com atendimento da instituição COMAM em parceria com o SESI, que inauguraram a creche e Jardim de Infância Pequeno Príncipe, localizada na Rua: Moacir Sampaio, nesse período contava com uma área de apenas 164 metros quadrados, atendendo crianças de zero a seis anos. No ano de 1991 as instalações foram totalmente reformadas para melhor conforto destas crianças.

Mudando para instalações próprias na Rua Marcos Gonçalves Godinho o Centro de Educação Infantil atendia aproximadamente 70 crianças de 0 a 6 anos.

 Em 2004 já eram atendidas aproximadamente 80 crianças, houve então a necessidade de um espaço mais adequado e amplo, a creche recebeu um investimento de 127 mil passando a ter uma área de 308m2 contando com mais duas salas para melhor atender as crianças. A creche passou ter a capacidade para atender 94 crianças (de 0 a 6 anos). Sendo inaugurado este espaço no ano de 2005. No ano de 2006 o Lions Clube Centro entregou um parque infantil para o Centro de Educação Infantil proporcionando um espaço de entretenimento ao ar livre.

No ano de 2013 as turmas de Pré escola (4 a 6 anos) passam a ser obrigatória e a ser atendida pela escola do bairro e no Centro de Educação Infantil passa a atender crianças de 0 a 3 anos e 11 messes com turmas de Berçário I, Berçário II, Maternal I e Maternal II. 

Atualmente o Centro de Educação Infantil Pequeno Príncipe atende 68 crianças, pois foi totalmente reestruturado conforme as leis vigentes, em um espaço totalmente amplo e confortável para atender as crianças que frequentam este ambiente, sendo coordenado em 2019 por Ketlin Knetcht e uma equipe que consta com uma professora de Berçário I Eliana Mondini e as auxiliares Josiane Saba e Ana Cláudia dos Santos, duas professoras de Berçário II Ivani Petricoski e Jaqueline Teodoro e a auxiliar Viviane Souza, uma professora de Maternal I Denise Xavier e a auxiliar Stephany Pereira, duas Professoras de Maternal II Leandra Pereira e Thaise Pires, merendeira Doralice Antunes e as serventes Rosangela Américo e Cleonice Amaro.

2.17.2 História do Bairro Berger

No início do século XIX (anos 1800) a região do Alto Vale do Rio do Peixe era uma grande floresta de mata fechada – o grande pinhal da América do Sul. Neste tempo chegaram os caboclos portugueses e espanhóis, surgindo,dali em diante a miscigenação com os índios caingangues e xoclengues, nativos na região.

Em 1881 Corrêa de Melo, juntamente com sua esposa e dez filhos, funda a fazenda Faxinal do Bom Sucesso – área de terras com 636alqueires à margem esquerda do Rio do Peixe, com sede nos altos do atual bairro Berger, passando a viver da própria subsistência, da caça e colheita do pinhão, com o objetivo de manter a posse das terras.

Com a chegada da estrada de ferro em 1910, Corrêa de Melo teve que aligeirar-se para fazer a escritura da posse, eis que a empresa construtora dos trilhos ficaria, em doação do governo federal, com 30 quilômetros de terra sem cada lado da ferrovia.

Os anos se passaram, surgiu a vila de Rio Caçador e dali em adiante, com a emancipação, a cidade de Caçador, muita gente acorreu então para a região, onde se estabeleceram dezenas de serrarias, dando empregos, fazendo crescer o comércio, surgindo novas indústrias com outras atividades.

Foi nos anos 60 que aqui chegou à família Berger após a compra de um antigo curtume da família Busato. Trata-se do atual curtume Viposa. A reforma do estabelecimento proporcionou um rápido desenvolvimento na região, com novos empregos e a chegada demoradores a construir suas casas. A indústria tornou-se popular e acabou homenageando o comerciante Henrique Júlio Berger, que deu nome ao bairro, a rua e escola, pela sua atuação profissional e comunitária.

Com investimentos em tecnologia e modernização constante,expandindo-se. Hoje a matriz em Caçador e três filiais no país empregam cerca de dois mil e quinhentos funcionários. Empresa de excelência produz para grifes de moda, móveis e automóveis de fábricas em todo mundo, sendo a exportação o seu carro-chefe nas vendas.

A década de 70 foi marcante para o bairro. Além do desenvolvimento da empresa Viposa,surge uma escola de madeira onde hoje está a praça do bairro. Em 1972 veio a primeira capela, hoje Paróquia Cristo Redentor. Outros credos se estabeleceram no bairro – Assembléia de Deus, Testemunhas de Jeová, Deus é Amor,Igreja Ucraniana. Na Paróquia Cristo Redentor são realizadas duas festas anuais – dia das Mães e festa de São Cristóvão.

O bairro avançou, progrediu, sendo agora uma das melhores regiões da cidade para residir, o que se comprova com as belas casas que existem na comunidade.No Berger estão instalados o SESC e o SENAI, instituições tradicionais do país, sem fins lucrativos, que prestam enorme serviço à população na formação técnica, ensino regular e promoção social, sendo importantes agentes de cultura inseridos na comunidade.

De acordo com o censo de 2010, o bairro conta com uma população de 4.538 habitantes, na sua maioria uma população jovem. Uma comunidade de classe média que conta com serviço de Unidade de Pronto Atendimento (UPA) inaugurada em 2016, posto de saúde, mercados, padarias, mercearias, lojas, igrejas de varias religiões, entre outros.

A maioria dos moradores trabalham, saem pela manhã e voltam a noite. Grande parte da população do bairro tem a escolaridade mínima exigida, outros ainda estudam à noite em instituições de curso superior e técnico. 

As famílias são em média pequenas e o perfil em sua maioria é de famílias tradicionais. O bairro é calmo, com baixos índices de violência, roubo, entre outras ocorrências. Um bairro arborizado com urbanização e saneamento básico adequados na maior parte de sua extensão.  

Fonte: academialetras2014.blogspot.com/2018/09/historico-dos-bairros-de-cacador.html

2.17.3 Características da População Atendida

A população atendida neste Centro de Educação Infantil corresponde a crianças acompanhadas pelas famílias e são presentes em sua maioria na vida escolar das crianças. Para tanto as crianças são envolvidas em ambientes e experiências educacionais estimulantes, motivadoras e de elevada qualidade. 

Alunos tendo sucesso na escola, pelo desenvolvimento de seu potencial e o gosto e hábito de aprender, são o foco principal da escola. Segundo esse principio, a pedagogia escolar de qualidade é aquela centrada no aluno, que tem o aluno, sua formação e aprendizagem como ponto de partida e de chegada na determinação de todos os planos de ação e avaliação de sua efetividade. (LUCK, 2009)

As crianças do Centro de Educação Infantil apresentam boa convivência com os colegas e professoras, são em sua totalidade em processo de desenvolvimento de regras e limites, mas as professoras estão em constante trabalho, buscando envolver a todos em um ambiente harmonioso e acolhedor, sendo que as crianças apresentam bom rendimento escolar e envolvimento com as experiências propostas pelas professoras.

Entretanto, a maioria das famílias participa da vida escolar dos alunos de forma ativa. Os pais na maioria das vezes vêm trazer e buscar os filhos no CEI, nesse contato com os pais se estabelece um diálogo de como foi no decorrer do dia, isso aproxima os pais dessa rotina escolar, uma parte dos alunos se desloca fazendo o uso de transporte escolar, com esses pais as professoras procuram sempre estabelecer uma contato via bilhete na agenda.

Em nosso Centro de Educação Infantil também atendemos crianças com dificuldades em seu desenvolvimento às quais tem seus direitos respeitados através de experiências pedagógicas em sala comum e juntamente intercalados recebem atendimento em salas multifuncionais com atendimento educacional especializado AEE. 

Nesse espaço são atendidas crianças que apresentam laudo médico ou estão em fase de avaliação por apresentar dificuldades de desenvolvimento. As crianças atendidas em sala de recurso na grande maioria das vezes chegam ao CEI tendo atrasos em seu desenvolvimento muitas vezes não percebidos pela família. Inicia-se assim o acompanhamento, avaliações, atendimentos e encaminhamentos necessários e a incumbência de trabalhar as famílias a aceitação das suas necessidades, com o mesmo amor e respeito por aqueles que as não possuem. 

A família necessita então reestruturar-se para o auxílio necessário para um melhor atendimento destas crianças realizando os procedimentos solicitados, na área da saúde como exames médicos, consultas e demais tratamentos bem como conciliar seu trabalho o qual provêm seu salário e equilibrar seu estado emocional. 

Estas crianças frequentam o Centro de Educação Infantil, e não sofrem discriminação ou preconceito por parte dos demais alunos e nem de suas famílias uma vez que procuramos desenvolver um trabalho de orientação, conscientização e esclarecimento. Em sala as professoras procuram desenvolver atividades pedagógicas que desenvolvam desde muito cedo o respeito às diferenças.

2.17.4 Missão, Visão e Valores

2.17.4.1 Missão

Construir, organizar e valorizar, dentro da realidade infantil, o desenvolvimento físico, intelectual e emocional da criança envolvendo vínculos da família com o Centro de Educação Infantil.

2.17.4.2 Visão

Proporcionar um espaço de acolhimento e aprendizado, seguro e criativo que, acompanhado do olhar cuidadoso e afetivo do educador, garanta à criança um ambiente protegido e pensado para seu bem, fortalecendo sua autonomia para uma vida feliz, sendo referência no atendimento da educação infantil.

2.17.4.3 Valores

  • Qualidade;
  • Respeito;
  • Excelência;
  • Criatividade;
  • Compromisso.

2.17.5  Organização do Funcionamento do Trabalho

As turmas estão agrupadas por idade, tendo como data base para calculo o dia trinta e um de março do decorrente ano. 

Sendo assim nosso trabalho desenvolve-se em turmas de:

Berçário I – 0 a 1 ano de idade.

Berçário II – 1 a 2 anos de idade.

Maternal I – 2 a 3 anos de idade.

Maternal II – 3 a 3 anos e 11 meses de idade.

Estas crianças, em sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe necessita desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral (conforme regimento) aos seus filhos. 

2.17.6 Organização do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra a horários muito rígidos, ela precisa ela precisa de alguns pontos de referências fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o por quê e para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

2.17.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 08h20min Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II;

Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico e ser desenvolvido em cadatroca.
09h30min às 10h30min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor.

Com pequena pausa para o lanchinho e chá.

10h30min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico e ser desenvolvido em cadatroca. Organiza-los com a higiene necessária para receber o almoço.
11h00min às 11h30min Almoço: Berçário I e II Dialogar estimulando a mastigação, sucção, proporcionando um ambiente agradável para estimulação da alimentação.

A higiene e escovação deve ser realizada pré soninho para que posteriormente ela seja acomodada para o descanso.

11h30min

12h00min

Higiene e escovação
12h00min às 14h00min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
14h00min às 14h20min Troca, Higiene. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico e ser desenvolvido em cadatroca. Organiza-los com a higiene necessária para receber o lanchinho.
14h20min às 14h40min I Lanche: frutas, sucos, etc.
14h40min às 16h15min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h15min às 16h45min II Lanche (janta) para Berçário I e II Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação. Organiza-los com a higiene necessária para receber a janta.
16h45min às 17h30min Troca Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico e ser desenvolvido em cadatroca.
17h30min às 18h30min Entrega aos pais: Berçário I e II Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.

OBSERVAÇÃO I: As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

OBSERVAÇÃO II:As turmas de BII, MAT I e II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de BI realizam suas refeições em sua própria sala.

2.17.6.2 Organização do Cotidiano das crianças de Maternal I e Maternal II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h20min

Organização para o café Organiza-los com a higiene necessária para receber o café da manhã.
08h20min às 08h40min Café da manhã Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
08h40min às 09h00min Higiene: escovação. Orientar a criança para uma escovação correta, para a higiene da escova, conservação da higiene do banheiro, desperdício com a água.
09h00min às 10h45min Experiências dirigidas.

As 10h0min chá para maternal I e II

Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.

10h45min as 11h00min

11h00min as 11h15min

11h00min       as

12h00min

11h15min       as

12h00min

Higiene e preparação para almoço: 

Maternal I 

Maternal II

Almoço e escovação: 

Maternal I 

Maternal II

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min Sono e repouso: Maternal I e II Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 
13h30min

14h00min

Preparação para o lanche Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.
14h00min às 14h20min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.

Incentivar a mastigação correta.

14h20min às 16h30min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h15min às 16h45min

16h30min às 17h00min

II lanche Maternal I

II lanche Maternal II

Sentar para receber o lanche.

Incentivar a mastigação correta.

17h00min às 17h30min Organização para saída organizá-los com a higiene necessária e deixá-los organizados para a despedida. 
17h30min às 18h30min Entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças.

2.17.7 Estrutura Organizacional do Centro de Educação Infantil

2.17.7.1 Quadro de Colaboradores do Centro de Educação Infantil

FUNÇÃO QUANTIDADE HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professora a nível superior completo e a nível médio. 07 Com Curso Superior Completo em Pedagogia

Cursando Pedagogia.

40 horas semanais

Turno matutino e vespertino.

Auxiliar de desenvolvimento infantil 04 Com ensino superior em Pedagogia e Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Serventes 02 Cursando ensino superior 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Merendeira 01 Médio completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora/Coordenadora 01 Superior Completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.

      1. 2.17.7.1 Quadro de Organização de Horários 

2.17.8  Organização das Turmas com Números de Vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I 0 a 1 ano 14
Berçário II 1 a 2 anos 16
Maternal I 2 a 3 anos 18
Maternal II 3 a 3 anos e 11 meses 20
Sala de recurso multifuncional 0 a 3 anos e 11 meses Conforme demanda

2.17.9 Quadro de organização das horas atividades

  • CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL CINDERELA

 2.18  Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Cinderela

Código da Escola: 42107598

Localização: Rua Jordão Granemam s/n – Bairro Municípios

Área territorial: 1.260.00 m 

Área construída: 310.03 m

Capacidade de atendimento: 68 crianças

Espaço físico:

  • 03 salas de atividades;
  • 01 sala berçário;
  • 04 banheiros infantis;
  • 01 banheiro adulto;
  • 01 lactário;
  • 01 cozinha;
  • 01 deposito para alimentos;
  • 01 refeitório;
  • 01 copas;
  • 01 área de serviço;
  • 01 sala de Atendimento Educacional Especializado – AEE;
  • 01 sala de professores;
  • Parque infantil;
  • Área verde;

2.18.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Cinderela

A mais de trinta anos o bairro consta com o atendimento de crianças no Centro de Educação, inicialmente elas eram denominadas creches domiciliares, onde as crianças eram atendidas em casas de famílias da comunidade que eram remuneradas para prestar este serviço à comunidade. 

A creche foi fixada em um único endereço deixando as casas das famílias da comunidade em 2004, onde a antiga Igreja e Centro Comunitário do bairro foi reformada e adaptada para receber o Centro de Educação Infantil Cinderela, com capacidade para 82 crianças de zero a seis anos, e que possuía 3 (três) salas de aula e 8 (oito) funcionarias.

Em 2007 a creche recebeu uma ampliação de 46 metros de área construída, contendo a ampliação de mais um banheiro e a área de serviço. Em 2009 o Centro de Educação Infantil recebeu mais uma ampliação, recebendo mais duas salas de aulas, para confortavelmente atender a demanda e proporcionar um ambiente agradável e acolhedor.

Foi em 2013 que recebeu uma reestruturação interna que contemplou quatro salas de aulas e um amplo refeitório ampliando também os colaboradores para atender com êxito a comunidade escolar.

Algumas das coordenadoras que passaram por este CEI são: Marla Detruz, Elizete Segatto, Juliana Somenzi, Sandra Lopes, Marlene Vanelli Veber e atualmente Deise Fischer e atualmente conta com 17 funcionárias atendendo a 68 crianças matriculadas em quatro turmas de Berçário I com 14 alunos, Berçário II com 16 alunos, Maternal I com 18 alunos, Maternal II com 20 alunos, totalizando 68 crianças atendidas confortavelmente nestas instalações. Estas vagas oferecidas a comunidade escolar esta de acordo com a exigência do COMED – Comissão Municipal de Educação.

2.18.2História do Bairro dos Municípios

Segundo histórias de moradores antigos do bairro neste local existiam diversos urubus que foram confundidos pelos moradores por gavião. Desta confusão surge o nome de Morro do Gavião para um espaço mais alto da localidade.

Com o decorrer do tempo, foi realizado um loteamento, onde pessoas vindas de vários municípios chegavam e se instalavam ali, assim modificando o nome já existente para Bairro dos Municípios.

Os primeiros moradores do bairro foram Salvador Gonçalves; Antônio Correia, Rosa Camargo, Moura, Zanetti, Generoso Padilha, Gleci Coelho de Souza, Manuel Cordeiro e Pedro Krelling.

Ao pensar a atual situação do bairro é possível afirmar que a população vem crescendo frequentemente com a abertura de novos loteamentos e construções de prédios e condomínios.

Na grande maioria famílias bem estruturadas onde a classe média predomina e o índice de criminalidade é considerado baixo. Em questões de extensão é considerado um bairro grande com aproximadamente 76 ruas, igrejas, escolas, empresas, praças, posto de saúde, supermercados e lojas que são as principais geradoras de emprego para a comunidade do bairro e também para boa parte da população do município.

O bairro consta com duas linhas urbanas de ônibus, ligando-se com outros bairros da cidade e facilitando assim a locomoção dos seus moradores. O Centro de Educação Infantil foi uma conquista do bairro que está crescendo a cada dia mais. A população do bairro dos Municípios é de aproximadamente 3.600 habitantes.

Em 2018 o bairro conquista o programa da Rede de Vizinhos, o programa representa o compromisso de mútua ajuda firmado entre os vizinhos, tais como, um cuidar da casa do outro, ligar e receber ligações em caso de situações de risco, além de manter um relacionamento mais estreito entre os moradores de uma comunidade, e assim, formar um vínculo de cooperação.

2.18.3 Características da População Atendida

O Bairro dos Municípios está em crescente expansão habitacional, e a inda tem muito espaços sendo reorganizados para moradias. Sua população em grande maioria é de pessoas de classe média alta, onde 90% dos pais trabalham fora e necessitam de uma educação de qualidade e contam com as escolas do bairro para permitir aos seus filhos uma boa educação. E na sua grande maioria as famílias possuem carro e casa própria. Um bairro tradicional onde a maioria das famílias usuárias do Centro de Educação Infantil reside neste bairro e morram com os pais e irmãos.

Um bairro que cresceu e se modernizou, conquistando varias estruturas e se destacando pelos investimentos em lazer e educação. Com um Centro Comunitário que também concentra muitos eventos para a população do bairro e que é considerado um dos melhores locais para evento no município. Um local com uma urbanização bem estruturada o bairro dos Municípios é dentre os bairros da cidade o que mais cresceu em infraestrutura para a sua população.

Os pais do Centro de Educação Infantil são participativos na vida escolar dos filhos, sempre frequentando as reuniões e atendendo a tudo que são solicitados as crianças apresentam ser bem assistidas pelos pais que as proporcionam uma vivencia prazerosa em sua grande maioria.  

  • 2.18.4 Missão/ Visão/ Valores

2.18.4.1 Missão

Cuidar e educar crianças com prazer e serenidade. Para isso, damos uma direção intencional ao desenvolvimento das crianças de 0 a 3 anos e 11 meses, favorecendo seu potencial a partir de ações educativas que possibilitem a formação de cidadãos críticos e responsáveis, cientes de seus direitos.

2.18.4.2 Visão

Formar cidadãos de espirito descobridor e criativo, capazes de contribuir para a evolução da sociedade justa e competente em seus afazeres.  

2.18.4.3 Valores

  • Respeito;
  • Solidariedade;
  • Comprometimento.

  • 2.18.5 Organização do Funcionamento do Trabalho

O Centro de Educação Infantil Cinderela atende crianças de zero a três anos e onze meses de idade divididas em turmas de:

  • Berçário I – 0 a 1 ano de idade;
  • Berçário II – 1 a 2 anos de idade;
  • Maternal I – 2 a 3 anos de idade;
  • Maternal II – 3 a 3 anos e 11 meses de idade.

Essas crianças, em sua maioria pertencem a famílias aonde a mãe necessita desenvolver atividades remuneradas necessitando de atendimento integral (conforme regimento) aos seus filhos. 

2.18.6 Organização do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 anos e 11 meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra a horários muito rígidos, ela precisa ela precisa de alguns pontos de referências fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o porquê e para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

2.18.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 08h20min Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II.

Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico e ser desenvolvido em na troca.
09h30min às 10h30min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor.
10h30min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico e ser desenvolvido em na troca. Organiza-los com a higiene necessária para receber o almoço.
11h00min às 11h30min Almoço: Berçário I e II Dialogar estimulando a mastigação, sucção, proporcionando um ambiente agradável para estimulação da alimentação.

A higiene e escovação deve ser realizada pré soninho para que posteriormente ela seja acomodada para o descanso.

11h30min

12h00min

Higiene e escovação
12h00min às 14h00min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
14h00min às 14h20min Troca, Higiene. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico e ser desenvolvido em na troca. Organiza-los com a higiene necessária para receber o lanchinho.
14h20min às 14h40min I Lanche: frutas, sucos, etc.
14h40min às 16h15min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h15min às 16h45min II Lanche (janta) para Berçário I e II Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação. Organiza-los com a higiene necessária para receber a janta.
16h45min às 17h30min Troca Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico e ser desenvolvido em na troca.
17h30min às 18h30min Entrega aos pais: Berçário I e II Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.

OBSERVAÇÃO I: As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

OBSERVAÇÃO II- As turmas de Berçário II, Maternal I e Maternal II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de Berçário I realizam suas refeições em sua própria sala.

2.18.6.2  Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h20min

Organização para o café

Maternal I / Maternal II

Organiza-los com a higiene necessária para receber o café da manhã.
08h20min às 08h40min Café da manhã

Maternal I/ Maternal II

Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
08h40min às 09h00min Higiene: escovação. Orientar a criança para uma escovação correta, para a higiene da escova, conservação da higiene do banheiro, desperdício com a água.
09h00min às 11h15min Experiências dirigidas.

As 10h0min chá para maternal I e II

Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.
11h15min as 12h00min Higiene e preparação para almoço: 

Maternal I e II.

Almoço e escovação: maternal I e II.

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min Sono e repouso: 

Maternal I e II

Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 
13h30min

14h00min

Preparação para o lanche Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.
14h00min às 14h20min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.

Incentivar a mastigação correta.

14h20min às 16h45min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h30min às 16h45min

16h45min às 17h00min

II lanche Maternal I

II lanche Maternal II

Sentar para receber o lanche.

Incentivar a mastigação correta.

17h00min às 17h30min Organização para saída Organiza-los com a higiene necessária e deixá-los organizados para a despedida. 
17h30min às 18h30min Entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças.

  • 2.18.7 Estrutura Organizacional do CEI

2.18.7.1 Quadro de Colaboradores do CEI

FUNÇÃO HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professora a nível superior completo e a nível médio. 06 Com Curso Superior Completo em Pedagogia

Cursando Pedagogia.

40 horas semanais

Turno matutino e vespertino.

Auxiliar de desenvolvimento infantil 06 Com ensino superior em Pedagogia e Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Serventes 02 Cursando ensino superior 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Merendeira 01 Médio completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora/Coordenadora 01 Superior Completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Professora de sala multifuncional/ AEE 01 Superior completo em Pedagogia.

Pós Graduação em Educação Infantil e Series Iniciais.

40 horas semanais.

Atendimento Educacional Especializado individual de no mínimo 40 minutos por aluno, conforme necessidade.

2.18.7.2 Quadro de Organização de Horários

2.18.8 Organização Turmas com números de vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I 0 a 1 ano 14
Berçário II 1 a 2 anos 16
Maternal I 2 a 3 anos 18
Maternal II 3 a 3 anos e onze meses 20
Sala de recurso multifuncional 0 a 3 anos e onze meses Conforme demanda

2.18.9 Quadro de organização das horas atividades

  • CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL TAQUARA VERDE

 2.19 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Taquara Verde

Código da Escola: 42146062

Localização: Rua Joaquim Lemos Correa em frente ao n º19

Área territorial: 800 m2

Área construída: 130 m2

Capacidade de atendimento: 60 crianças

Espaço físico:

  • 03 salas de atividades;
  • 02 banheiros;
  • 01 cozinha;
  • 01 refeitório;
  • 01 copa;
  • 01 área de serviço;
  • 01 sala de professores;
  • Parque infantil;
  • Área verde;

2.19.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Taquara Verde

O Centro de Educação Infantil iniciou suas atividades em julho de 2013 com uma turma de Pré no período matutino e uma turma vespertina, em um espaço onde funcionava o escritório da empresa Madepinus Indústria e Comercio de Madeiras, localizado na Rodovia SC 451, nº 9999, km 22 pertencentes ao empresário Mauricio Grando, neste endereço o Centro de Educação Infantil contava com uma professora Maristela Moraes e uma merendeira Dona Iraci.

Em 2014 o Centro de Educação Infantil oferece vaga para turma de Maternal e a equipe recebe mais uma professora Indiara Ferreira atendendo somente no período vespertino. Nestas instalações o Centro de Educação prestou atendimento até 2015.

No dia 28 junho de 2016, em parceria com a Prefeitura de Caçador através da Secretaria Municipal de Educação com a Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social (Aceias) e apoio da Câmara de Vereadores, foi inaugurada no município em novas instalações um Centro de Educação Infantil, a onde passa a atender aproximadamente 30 crianças, na seguinte organização: uma turma de Maternal I, uma turma de Maternal II. Com a coordenação de Indiara Ferreira e a professora Vanessa Nesi.

Em 2018 o Centro de Educação Infantil amplia suas clientela atendendo crianças de Maternal I com a professora Giovana Moreira, Maternal II com a professora Sibele  Baldicera, Pré I com a professora Daniela Cassamali e Pré II com a professora Elisete Segatto com a coordenação de Giovana Moreira.

Em 2019 o Centro de Educação Infantil inicia com vagas para aproximadamente 60 crianças e com turmas de Maternal II com a Professora Taciane Budnhak, Pré I com a professora Franciele Sanguanini e Pré II Daniela Cassamali, com a coordenação de Franciele Sanguanini. Disponibilizando período integral para Maternal I e vespertino para o Pré I e Pré II.

Uma das conquistas da equipe que atua em 2019 foi o apadrinhamento da Casa da amizade, está conquista trouxe melhorias e benefícios para o bem estar das criança, proporcionando um ambiente cada vez mais acolhedor e confortável.

2.19.2 História do Distrito de Taquara Verde 

Sendo o pioneiro Thomaz Padilha muito devoto de Santo Antonio, após ver seus filhos instalados, resolve por bem doar umas terras ao Santo Padroeiro da localidade. Tais terras que constitui a área atualmente ocupada pela Floresta Nacional do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal (IBDF) e da remanescente que abrange hoje a sede do distrito de Taquara Verde. Com o passar dos anos a referida doação caiu no esquecimento. Dita área, quase ao abandono, foi sendo então gradativamente ocupada por caboclos, que dela tiravam o sustento que formavam pequenas lavouras de subsistência, plantando milho e feijão. Dedicavam-se à exploração da apicultura, cuja atividade era favorecida pela abundância de floradas. 

Alguns desses caboclos completavam seu sustento extraindo manualmente dormentes para a Rede Férrea, outros ainda, exerciam a profissão de boiadeiro. Os anos se passaram e em dado momento, por gestão do Sr. Interventor Municipal Leônidas Cabral, através do decreto no 738, de 8 de fevereiro de 1935, do então governador Jorge Lacerda, a terra do Padroeiro foi escriturada pelo Estado à Prefeitura de Caçador, passando a ser identificada como “Patrimônio”.  Ao se referirem àquela região os moradores já não mencionavam a denominação “Taquara Verde”, mas simplesmente Patrimônio, nome ainda hoje utilizado pelos mais antigos. 

Posteriormente, na gestão do prefeito José Kurtz, carinhosamente conhecido por Zeca Kurtz, para obter-se recursos necessários à aquisição de máquinas e veículos, vendeu-se a floresta de araucária para a firma Castelli & Grando e outras. Mais tarde o prefeito municipal Pedro Castelli, de espírito empreendedor, com a devida aprovação da Câmara de Vereadores, decidiu doar parte do “Patrimônio” ao INP – Instituto Nacional do Pinho, atual IBDF, com a finalidade de se implantar ali a Floresta Nacional de Caçador. 

Ao mesmo tempo foram doados 30 alqueires de terras ao Capitão José Trindade, ex-intendente Distrital, pelos ousados serviços prestado como Guarda Florestal, naquele imóvel público. Em consequência dessas doações, seguramente em torno de 50 famílias que residiam e tiravam seu sustento nas citadas terras, foram desalojadas em nome do progresso. Muitas delas acabaram se instalando junto à sede da Vila Taquara Verde, na área remanescente do então Patrimônio, onde passaram a dividir e respeitar entre si os seus espaços.

Não obstante a permissão de ali passarem a residir em caráter permanente, à liberdade daqueles caboclos impedida, pois o IBDF, ao iniciar os plantios, não iria permitir criações soltas. Era, pois, o fim de um acordo. O nome de Vila de Taquara Verde é advindo, segundo os antigos, do fato de não haver secado a taquara naquela região quando da ocorrência do fenômeno, que se repete a cada 3 anos historicamente.

Nas décadas de 30 e 40, mais de uma centena de serrarias exploravam a atividade madeireira em Caçador, concentrando-se o maior número delas na região de Vila de Taquara Verde. Em decorrência da referida exploração madeireira, houve um grande fluxo de pessoal, que se dedicava não apenas à atividade maior, mas também à abertura de estradas, em cuja tarefa era utilizada exclusivamente a pá e a picareta. Tais tarefas davam renome a determinadas famílias, pela competência e esmero com que executavam as obras encomendadas. 

Face a essa concentração de indústrias e operários, a Vila prosperou. Fortes comerciantes se instalaram naquela comunidade, que já passou a ter Capela, Escola, Delegacia, Salão de Baile e Cadeia Pública. Recorda-se dentre os pioneiros o comerciante da época Sr. Antonio Rolim de Moura, finado esposo de Carula Honaizer – atual cônjuge do professor Walsin Nunes Garcia.

Para se comprovar essa prosperidade, basta lembrar alguns fatos curiosos relacionados com a Vila. Na década de 20, mais propriamente aos 08/12/1924, já instalava-se ali Cartório do Registro Civil, cujo serviço não existia na vila de Rio Caçador. Tal Cartório era então jurisdicionado à Comarca de Porto União-SC. Os filhos dos primeiros moradores de Caçador eram levados para registro na Vila de Taquara Verde. 

Já nos idos de 1930/40 existia Delegacia, ou melhor, delegado de Polícia, figura importante na comunidade. Na religiosidade recorda-se com grande carinho a figura do profeta João Maria, que abençoou muitos lares e inúmeras fontes de água, hoje ainda em uso. Dada a presença de vestígios de petróleo a verter no solo, conseguiram trazer a Taquara Verde, através da Renner, sonda de perfuração de poço o qual, após a retirada do produto, foi devidamente lacrado. 

O aludido poço, perfurado na década de 1930, pode ser visto ainda hoje, situando-se a menos de 50 metros do conjunto industrial da Madepinus. Tal prosperidade não se limitou àquela Vila. As inúmeras serrarias já mencionadas motivaram a consequente implantação em Caçador, além do beneficiamento, originando empresas exportadores de pinho. Esse vultuoso movimento madeireiro proporcionou a Caçador o título de maior produtor de pinho da América do Sul.

Fonte: Ezequiel Theodoro da Silva/dezembro de 2016.

2.19.3 Características da População Atendida

A comunidade de Taquara verde como distrito de Caçador está em crescente expansão habitacional. É constituído por crianças de famílias pertencentes à classe trabalhadora da agricultura e muitos se deslocam a Caçador para trabalhar e estudar. Algumas mulheres participam da renda familiar, mas muitas são trabalhadoras do lar. 

A estrutura familiar é atípica, pois muitas crianças vivenciam uma nova estrutura familiar. As crianças apresentam costumes antigos de comportamento, como pedir a benção aos mais velhos, costume este que vem se perdendo. Os pais ou familiares responsáveis são bem participativos na vida escolar das crianças.

O grau de instrução da maioria dos pais ainda é baixo, alguns não chegaram a concluir o ensino fundamental, por isso é uma comunidade carente em aquisição da escrita, mas pelas exigências do mercado de trabalho alguns estão retomando seus estudos. 

A maioria das casas do bairro não possuem delimitações e nem documentação corretas e muitas estão em áreas impróprias. Sua população em grande maioria é de pessoas de classe média para baixa, algumas crianças vêem do interior para frequentar o Centro de Educação Infantil e a escola necessitando de transporte publico.  

2.19.4 Missão, Visão e Valores

2.19.4.1 Missão

Cuidar e educar com prazer e serenidade. Para isso, damos uma direção intencional ao desenvolvimento de crianças de dois anos a seis anos, favorecendo o despertar do seu potencial a partir de ações educativas que possibilitem a formação de cidadão critico e responsável, cientes dos seus deveres e direitos.

2.19.4.2 Visão

Oferecer a seus alunos e colaboradores a possibilidade de se desenvolverem, tornando-os cidadãos éticos, capazes de contribuir para a evolução da comunidade a que pertencem. Isso porque se preocupa com uma sociedade mais justa e pertencente em seus afazeres.

2.19.4.3 Valores

  • Respeito;
  • Solidariedade;
  • Comprometimento;
  • Felicidade.

2.19.5 Organização do Funcionamento do Trabalho

As turmas estão agrupadas por idade, tendo como data base para calculo o dia trinta e um de março do decorrente ano. 

Sendo assim nosso trabalho desenvolve-se em turmas de:

  • Maternal II – 3 a 3 anos e 11 meses de idade;
  • Pré I – 4 a 5 anos;
  • Pré II – 5 a 6 anos.

Horários a serem seguidos.

Chegada: Manhã: 07:30 as 08:00 Hrs

Saída:           Tarde: 16:30 as 16:40 Hrs

Constam no regimento aos pais as seguintes recomendações para os itens na mochila:

2.19.6 Organizações do Cotidiano das Crianças de 0 a 3 Anos e 11 Meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra a horários muito rígidos, ela precisa ela precisa de alguns pontos de referências fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o por quê e para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

2.19.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal II

Horários Atividades Ação Pedagógica
07h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h15min

Organização para o café Organiza-los com a higiene necessária para receber o café da manhã.
08h15min às 08h30min Café da manhã Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
08h30min às 08h45min Higiene: escovação. Orientar a criança para uma escovação correta, para a higiene da escova, conservação da higiene do banheiro, desperdício com a água.
08h45min às 11h15min Experiências dirigidas

As 10h00min chá 

Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.
11h15min as 11h30min

11h30min as 12h00min

Higiene e preparação para almoço

Almoço e escovação

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min Sono e repouso Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 
13h30min às 15h00min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
15h00min às 15h15min Janta Maternal II Sentar para receber o lanche.

Incentivar a mastigação correta.

15h15min às 16h15min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h15min as 16h30min Organização para despedida Organiza-los com a higiene necessária e deixá-los organizados para a despedida. 
16h30min

16h40min

Entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças.

2.19.6.2 Organização do Cotidiano das crianças de Pré I e Pré II

12h30min às 12h45min Recepção do Pré I e Pré II Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila. 
12h45min às 15h00min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
15h00min às 15h15min

15h15min às 15h30min

15h30 min às 15h45min

Higiene e preparação para janta

Janta Pré I

Janta Pré II

Higiene

Sentar para receber o lanche.

Incentivar a mastigação correta.

15h 45min às 16h20min

16h20min as 16h30min

Experiências dirigidas.

Organização para saída

Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.

Organiza-los com a higiene necessária e deixá-los organizados para a despedida. 

16h30min as 16h40min Entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças.

OBSERVAÇÃO I – As todas as turmas deverão realizar as refeições no refeitório. 

2.19.7 Estrutura Organizacional do Centro de Educação Infantil

2.19.7.1 Quadro de Colaboradores do Centro de Educação Infantil

FUNÇÃO QUANTIDADE HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professora a nível superior completo e a nível médio 03 Com Curso Superior Completo em Pedagogia

Cursando Pedagogia

40 horas semanais

Turno matutino e vespertino

Serventes 01 Cursando ensino superior 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Merendeira 01 Médio completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora/

Coordenadora

01 Superior Completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora de sala multifuncional/ AEE 01 Superior completo em Pedagogia.

Pós Graduação em Educação Infantil e Series Iniciais

40 horas semanais.

Atendimento Educacional Especializado individual de no mínimo 40 minutos por aluno, conforme necessidade.

2.19.7.2 Quadro de Organização de Horários

2.19.8 Organização das turmas com números de vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Maternal II 3 a 3 anos e 11 meses 20
Pré I 4 a 5 anos 20
Pré II 5 a 6 anos 20
Sala de recurso multifuncional  3 a 6 anos Conforme demanda

2.19.9 Quadro de horas atividades

  • PEQUENO POLEGAR

2.20 Identificação

Nome: Centro de Educação Infantil Pierina Adami

Código da Escola: 42152127

Localização: Rua: José Ioos Júnior/ 1100 – Bairro: Martello

Capacidade de atendimento: 160 crianças

Espaço físico:

  1. 08 salas de atividades;
  2. 01 sala berçário;
  3. 09 banheiros infantis;
  4. 02 banheiros adulto;
  5. 01 lactário;
  6. 01 cozinha;
  7. 01 refeitório; 
  8. 01 copa;
  9. 01 área de serviço;
  10. 01 sala de Recurso Multifuncional  – AEE;
  11. 01 sala de professores;
  12. Parque infantil;
  13. Área verde;

2.20.1 Histórico do Centro de Educação Infantil Pierina Adami

A Creche denominada Centro Municipal de Educação Infantil Pierina Adami veio vinculada a Escola de Educação Básica Hilda Granemam de Souza. Originou-se da transferência do grupo escolar Mutirantes, que funcionava na Vila Ulisses Guimarães. As atividades se iniciaram em 1995 e sua inauguração aconteceu em setembro de 1996 na gestão do prefeito senhor Fernando Granemam de Souza. 

A creche desta escola recebeu o nome de Centro Municipal de Educação Infantil Pierina Adami. O nome da creche surgiu em homenagem (in memoriam), a matriarca da família Adami, com uma história de pioneirismo na cidade e pelos incentivos prestados pela empresa na implantação desta construção em nossa cidade. O Centro Municipal de Educação Infantil CMEI segue até 2017 sendo administrado pela Secretária Municipal de Caçador.

No dia 05 de fevereiro de 2018 a Aceias – Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social firma uma parceria com a Prefeitura Municipal, iniciando administração desta creche que passa a se chamar Centro de Educação Infantil Pierina Adami, atendendo crianças de 0 (zero) a 3 (três) anos e 11 (onze) meses, composto de um quadro de funcionárias: coordenadora Maristela Moraes, turma de Berçário I com a Professora Elisângela e ADI  Taciele, Berçário II – A com a professora Marilice e ADI Priscila Correa, Berçário II – B com a professora Jaqueline Teodoro e ADI Josiane Batista, Berçário II – C com a professora Núbia e ADI Antônia, Maternal I – A com a professora Tainara ADI Miriane, Maternal I B com a professora Luana, Maternal I – C com a professora Franciele Dapper, Maternal II – A com a professora Jane, Maternal II B com a professora Vanessa, com ADI Raphaela. 

Nos anos de 2018 e 2019 várias reformas e investimentos financeiros foram destinados neste espaço para melhor atender as crianças. Sendo constituída em 2019 a Associação de Pais e Professores APP, contribuído também para o progresso e conforto do Centro de Educação Infantil.

2.20.2 História do Bairro Martello

O bairro Martello originou-se com a chegada do Sr. Ernesto Martello, nascido em 12/09/1884, no município de Prata/RS. Em 1919 casou-se com a Sra. Maria Fabiani e com ela teve seis filhos. Inicialmente comprou alguns terrenos na rua: Santa Catarina, onde mais tarde construiu seis casas residenciais, nesta época arrancou por conta própria um longo trecho de tocos que posteriormente ficou conhecida como “rua dos tocos” junto com o Sr. João Mione comprou o morro das Três Cruzes abrindo a rua que hoje leva seu nome.

O Sr. Ernesto Martello sempre procurou incentivar a vinda de novos moradores, era muito religioso e instalou capelas no bairro, construiu uma escola denominada na época de Km 04 ou colônia Martello pelo difícil acesso devido as matas.

Em 1953 deslocou-se para o Estado do Paraná aonde veio a falecer em 19/05/1966.

Em 21/02/1963 pelo decreto nº 3/63 tornou-se bairro Martello. Em 1944 o Sr. Martello vendeu partes das suas terras para as famílias Lara, Yung e Correia, sendo explorado por essas famílias a agricultura, pois a terra era muito fértil, não havia ruas, apenas carreiros, não havia água encanada e nem rede elétrica, algumas casas tinham poços artesianos.

O surgimento da indústria SULCA S/A na época contribuiu para expansão do loteamento. Em 1983 com a enchente do Rio Caçador e Rio do Peixe os moradores da ribeirinha foram beneficiados com casas nessa região que hoje é denominada Vila Santa Teresinha. Com o aumento da população, foi necessário investir na educação construindo-se a Escola Municipal Esperança e em meados de 1985 e 1988 criou-se a Escola Municipal Morada do Sol.

A prefeitura Municipal em parceria com o Governo Federal construiu o CAIC atualmente denominada Escola de Educação Básica Hilda Granemann de Souza, em 19/12/2000. Escola Maria Luíza Barbosa, e para atender a demanda de adolescentes com dificuldades para se dirigir até o centro da cidade para estudar foi construído a Escola Estadual Wanda Krieger Gomes.

O bairro ainda dispõe de centros comunitários, postos de saúde, CRAS- (Centro de Referência Assistência Social), Praça do CÉU (Centro de Artes e Cultura) creches e empresas. 

Muitas empresas foram se instalando no bairro e promovendo o desenvolvimento dessa população dentre elas destaca-se Maxiplast, Corfio, Sul Brasil, rede de supermercado Nórdio, VIA Atacadista, Materiais de construção, transportadora Transrodace entre outros. 

O bairro hoje conta com um centro comunitário, diversas igrejas, dentre elas e em maior número, a evangélica e a universal do reino de Deus, três igrejas católicas, onde atuam as pastorais de saúde e da criança, conta também com lojas de comércio varejista, supermercados, farmácias, imobiliária, lotérica, autoescola, academia de ginástica, restaurantes e padarias. 

Disponibiliza um posto de saúde central e mais duas unidades básicas de saúde, onde são prestados atendimento médico e odontológico de clinica geral. Possui uma equipe de agentes de saúde e um PSF-Programa de Saúde da Família. 

Existe um Centro de Artes e Esporte e Unificados – CÉU, onde são realizadas atividades recreativas da comunidade em geral. Também está instalado no bairro o Centro Social Marista – CESMAR e o Centro de Referência da Assistência Social – CRAS.

2.20.3 Características da População Atendida

O Bairro Martello está em crescente expansão habitacional. É constituído por crianças de famílias pertencentes à classe trabalhadora, atuando nas indústrias, pequenas empresas, subempregos e muitos autônomos. Algumas mulheres participam da renda familiar, mas muitas são trabalhadoras do lar. 

A estrutura familiar é atípica, pois muitas crianças vivenciam uma nova estrutura. Os problemas familiares são constantes afetando no comportamento e aprendizagem das crianças. 

O grau de instrução da maioria dos pais ainda é baixo, alguns não chegaram a concluir o ensino fundamental, por isso é uma comunidade carente em aquisição da escrita. Pelas exigências do mercado de trabalho alguns estão retomando seus estudos. 

As condições sanitárias e higiênicas de muitas moradias são precárias, falta saneamento básico, iluminação pública e calçamento em algumas ruas. A maioria das casas do bairro não possuem delimitações e nem documentações corretas e muitas estão em áreas impróprias. 

O bairro recebeu em 2018 um grande loteamento com casas construídas pela FORT uma grande empresa de construção civil da cidade e que também ajudou a aumentar a procura de vagas no Centro de Educação Infantil Pierina Adami.

  • 2.20.4 Missão/ Visão/ Valores

2.20.4.1 Missão

Proporcionar o desenvolvimento integral de crianças de 0 a 03 anos e onze meses, dando possibilidades, para que possam construir organizar e valorizar, dentro da realidade infantil o desenvolvimento físico, psicológico, intelectual, emocional e social, havendo a participação da família e comunidade nesse processo.

2.20.4.2 Visão

Oferecer a seus educandos a possibilidade de se desenvolverem em um espaço de acolhimento e aprendizado, seguro e criativo que, acompanhado do olhar cuidadoso e afetivo do educador, garanta à criança um ambiente protegido e pensado para seu bem-estar, cognitivo, fortalecendo sua autonomia para uma vida feliz.

2.20.4.3 Valores

Respeito, ética, criatividade, comprometimento.

  • 2.20.5 Organização do Funcionamento do Trabalho

As turmas estão agrupadas por idade, tendo como data base para calculo o dia trinta e um de março do decorrente ano. Sendo assim nosso trabalho desenvolve-se em turmas de:

  • Berçário I – 0 a 1 ano de idade.
  • Berçário II – 1 a 2 anos de idade.
  • Maternal I – 2 a 3 anos de idade.
  • Maternal II – 3 a 3 anos e 11 meses de idade.

Com os seguintes horários

  • Chegada: Manhã: 06:30 as 08:00 Hrs
  • Saída:           Tarde: 17:00 as 18:00 Hrs.

2.20.6 Organizações do Cotidiano das Crianças de 0 A 3 Anos e 11 Meses

Inclusas nas experiências gerais planejadas, as experiências de rotina ajudam a criança a construir a noção de tempo, e a se sentir segura, pois apesar de gostar de novidades e de reagir contra a horários muito rígidos, ela precisa de alguns pontos de referências fixos para não se sentir perdida, abandonada, sem saber o que fazer. Essas experiências não deverão ser trabalhadas de maneira mecânica, mas de forma que a criança compreenda o por quê e para quê daquilo que está realizando. Somente assim, o desenvolvimento de tais experiências pode proporcionar autonomia, responsabilidade e interação da criança em seu meio social.

 2.20.6.1 Organização do Cotidiano das Crianças de Berçário I e Berçário II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com os responsáveis.
08h00min às 08h20min Café da manhã para bebês acima de seis meses e Berçário II.

Mamadeira para os bebês até seis meses com intervalos de três em três horas.

Dialogar suavemente estimulando a mastigação, postura correta ao sentar, coordenação para segurar: copo, talheres e mamadeira. Consumo de alimentos saudáveis, sucção, etc.
8h20min às 9h30min Troca de fraldas e roupas. Banho quando necessário. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico e ser desenvolvido em na troca.
09h30min às 10h30min Estimulação: Berçário I e II

Lanchinho para Berçário I e chá para Berçário II

Momento de desenvolvimento do planejamento do professor, com pequena pausa para lanchinho e chá.
10h30min às 11h00min Troca e preparação para o almoço: Berçário I e II Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico e ser desenvolvido em na troca. Organizá-los com a higiene necessária para receber o almoço.
11h00min às 11h30min Almoço: Berçário I e II Dialogar estimulando a mastigação, sucção, proporcionando um ambiente agradável para estimulação da alimentação.

A higiene e escovação deve ser realizada pré soninho para que posteriormente ela seja acomodada para o descanso.

11h30min

12h00min

Higiene e escovação
12h00min às 14h00min Sono e repouso Colocar a criança sobre colchão ou berço em posição agradável para que possa repousar ou dormir. Vigiar seu sono estando atento a qualquer mudança.
14h00min às 14h20min Troca, Higiene. Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico e ser desenvolvido em na troca. Organiza-los com a higiene necessária para receber o lanchinho.
14h20min às 14h40min I Lanche: frutas, sucos, etc.
14h40min às 16h00min Estimulação: Berçário I e II Momento de desenvolvimento do planejamento do professor
16h00min às 16h15min 16h15min às 16h30min II Lanche (janta) para Berçário I 

II Lanche (janta) para Berçário II 

Ação pedagógica a ser realizada em todos os horários de alimentação. Organizá-los com a higiene necessária para receber a janta.
16h30min às 17h00min Troca Entremeada de conversas, usando voz suave, carícias, massagem corporal. Não podendo ser um ato mecânico e ser desenvolvido em na troca.
17h0min às 18h00min Entrega aos pais: Berçário I e II Dialogar com a criança, tranquilizá-la enquanto espera pelos pais, trocar informações com os responsáveis sobre o dia da criança.

OBSERVAÇÃO I  As trocas são realizadas dentro deste cronograma para que haja melhor organização das experiências, mas sempre que se faz necessário são realizadas trocas de roupas e fraldas para o bem-estar da criança e do ambiente. 

OBSERVAÇÃO II – As turmas de BII, MAT I e II deverão realizar as refeições no refeitório. As turmas de BI realizam suas refeições em sua própria sala.

2.20.6.2 Organização do Cotidiano das Crianças de Maternal I e Maternal II

Horários Atividades Ação Pedagógica
06h30min às 08h00min Chegada Recepção, acolhida afetiva, troca de informações com responsáveis, incentivo a organização de seu material: mochila.
08h00min

08h15min

08h15min

08h30min

Organização para o café Maternal I

Organização para o café Maternal II

Organizá-los com a higiene necessária para receber o café da manhã.
08h15min às 08h30min

08h30min

08h40min

Café da manhã Maternal I

Café da manhã Maternal II

Incentivar a postura correta ao sentar, mastigação, saber esperar sua vez de repetir, uso correto de talheres, a importância de uma alimentação saudável.
08h40min às 09h00min Higiene: escovação. Orientar a criança para uma escovação correta, para a higiene da escova, conservação da higiene do banheiro, desperdício com a água.
09h00min às 11h15min Experiências dirigidas. Momento em que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas a movimento, música, artes visuais, recreações, pátio, areia, jogos pedagógicos, etc.
11h00min às 11h15min

11h15min as 11h30min

11h15min

11h45min

11h30min às 12h00min 

Higiene e preparação para almoço: Maternal I 

Higiene e preparação para almoço: Maternal II 

Almoço e escovação: maternal I 

Almoço e escovação: maternal II

Organizar os alunos para dirigirem-se ao banheiro e após o local destinado a refeição, com calma, respeitando o espaço e seus colegas, o momento de receber o prato e a repetição. Incentivar a mastigação correta, o consumo de saladas, a higiene do local. etc.
12h00min às 13h30min Sono e repouso: Maternal I e II Organizar as crianças deitando-as no colchão de forma confortável e agradável para que possam dormir ou se não o fizer repousar. 
13h30min

14h00min

Preparação para o lanche Incentivar as crianças a acordar, colocar seus calçados, lavar o rosto, pentear os cabelos.
14h00min às 14h30min I lanche: sucos, frutas, vitaminas, etc. Sentar para receber o lanche.

Incentivar a mastigação correta.

14h30min às 16h30min Experiências dirigidas. Momento que o professor desenvolve seu planejamento diário dando ênfase as experiências voltadas à natureza e sociedade, matemática, linguagem oral e escrita.
16h15min às 16h30min

16h30min às 16h45min

II lanche Maternal I

II lanche Maternal II

Sentar para receber o lanche.

Incentivar a mastigação correta.

16h45min às 17h00min Organização para saída Organizá-los com a higiene necessária e deixá-los organizados para a despedida. 
17h00min às 18h00min Entrega para os pais. Realizar experiências que mantenha a criança calma e descontraída até a chegada dos pais. Trocar informações com os responsáveis sobre o dia das crianças.

2.20.7 Estrutura Organizacional do CEI

2.20.7.1 Quadro de Colaboradores do CEI

FUNÇÃO  QUANTIDADE  HABILITAÇÃO CARGA HORARIA
Professora a nível superior completo e a nível médio. 10 Com Curso Superior Completo em Pedagogia

 Cursando Pedagogia.

40 horas semanais

Turno matutino e vespertino. 

Auxiliar de desenvolvimento infantil 11 Com ensino superior em Pedagogia e Cursando Pedagogia. 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Serventes 02 Cursando ensino superior 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Merendeira 02 Médio completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino
Professora/Coordenadora 01 Superior Completo 40 horas semanais. Turno matutino e vespertino.
Professora de sala multifuncional/ AEE 01 Superior completo em Pedagogia.

Pós-Graduação em Educação Infantil e Series Iniciais.

40 horas semanais.

Atendimento Educacional Especializado individual de no mínimo 40 minutos por aluno, conforme necessidade.

2.20.7.2 Quadro de Organização de Horários. 

2.20.8 Organização das Turmas com números de Vagas

TURMA IDADE NUMERO DE VAGAS
Berçário I
  1. a 1 ano
14
Berçário II 1 a 2 anos 16
Maternal I 2 a 3 anos 18
Maternal II 3 a 3 anos e 11 meses.  20
Sala de recurso multifuncional   0 a 3anos e 11 meses.  Conforme demanda

2.20.9 Quadro horas atividades

  • CAPÍTULO III

3.1. Estrutura Curricular

3.1.1. Introdução

O presente capítulo trata-se do currículo dos centros de educação infantil que fazem parte da Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social (ACEIAS). Onde o mesmo está estruturado conforme a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), com contribuição da Associação dos Municípios do Alto Vale Rio do Peixe (AMARP).

O objetivo desse documento é orientar o planejamento das praticas pedagógicas desenvolvidas nos centros de educação infantil, respeitando as leis que orientam o currículo.

  • 3.2. Objetivos do Plano Curricular

Garantir às crianças pequeninas e pequenas experiências que:

  • Possibilitem às crianças experiências de narrativas, de apreciação e interação com a linguagem oral e escrita, e convívio com diferentes suportes e gêneros textuais orais e escritos;
  • Recriem, em contextos significativos para as crianças, relações quantitativas, medidas, formas de orientações espaço – temporais;
  • Ampliem a confiança e a participação das crianças nas atividades individuais e coletivas;
  • Possibilitem situações de aprendizagem mediadas para elaboração da autonomia das crianças nas ações de cuidado pessoal, auto-organização, saúde e bem-estar;
  • Possibilitem vivências, éticas e estéticas com outras crianças e grupos culturais, que alarguem seus padrões de referência e de identidades no diálogo e conhecimento da diversidade;
  • Incentivem a curiosidade, a exploração, o encantamento, o questionamento, a indagação e o conhecimento das crianças em relação ao mundo físico e social, ao tempo e natureza;
  • Promovam o relacionamento e a interação das crianças com diversificadas manifestações de música, artes plásticas e gráficas, cinema, fotografias, dança, teatro, poesia e literatura;
  • Promovam a interação, o cuidado, a preservação e o conhecimento da biodiversidade e da sustentabilidade da vida na Terra, assim como não desperdício dos recursos naturais;
  • Propiciem a interação e o conhecimento das manifestações e tradições culturais brasileiras;
  • Possibilitem a utilização de gravadores, projetores, computadores, máquinas, fotografias e outros recursos tecnológicos e midiáticos.
  • 3.3. Estrutura do Currículo

O currículo dos Centros de Educação Infantil da instituição Aceias (Associação Caçadorense de Educação Infantil e Assistência Social) que atende crianças em idade de creche (zero a três anos e onze meses.). 

Está estruturado seguindo a etapa da educação Infantil da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) resolução CNE/Nº 2 de 22/12/2017, que Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular a ser respeitada.

Ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da educação básica,a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento de caráter normativo que define o conjunto orgânico e progressivo de aprendizagens essenciais que todos os alunos devem desenvolver ao longo das etapas e modalidades da educação básica de modo que tenham assegurado seus direitos de aprendizagem e desenvolvimento, em conformidade com o que preceitua o Plano Nacional de Educação (PNE).

Este documento normativo aplica-se exclusivamente a educação escolar, tal como a define o § 10 do artigo 1a da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB, lei no 9.394/1996) e está orientado pelos princípios éticos, políticos e estéticos que visam a formação humana integral da construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva, como fundamentado nas Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica (DCN) (base nacional comum.mec.gov.br).

Com isso tem como objetivo desenvolver os eixos centrais. Para tanto o currículo dos centros de educação infantil tem a contribuição da Amar. (Associação dos municípios do Alto Vale Rio do Peixe). Com o objetivo de fortalecer a construção de uma Educação Infantil promotora da infância que articula o saber e experiências das crianças com o patrimônio cultural, artístico, ambiental, científico e tecnológico, conforme (Daneis/2009) Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil.

Segundo as diretrizes da BNCC com contribuição da Amar, o currículo dos centros de educação infantil está estruturado da seguinte forma:

    • Projetos elaborados e avaliados, trimestralmente, através de temas estabelecidos envolvendo os campos de desenvolvimento, objetivos, direitos, experiências e metodologias;
    • Planejamento a ser desenvolvido diariamente com as crianças;
    • Avaliação diária do envolvimento da criança com a interação e brincadeiras nos momentos das experiências.
  • 3.4. Eixos Centrais

Defendendo uma educação de qualidade é que nos preocupamos em oferecer condições para que as crianças possam vivenciar esta fase da infância como momento único da vida, onde o mundo se abre para a exploração e o conhecimento, sendo possíveis apropriações capazes de impulsionar nela níveis elaborados de humanização.

Acreditando que é na educação infantil que as possibilidades de aprendizagens são inúmeras é que buscamos por nortear o trabalho realizado nos nossos Centros de Educação Infantil, pautados em eixos centrais, segundo a Base Nacional Comum Curricular, os quais conduzirão o pleno desenvolvimento de nossos educandos durante todo o processo ensino aprendizagem.

3.4.1. Interações

A educação infantil é uma das etapas mais importantes no desenvolvimento da criança, nesta fase ela desenvolve a parte cognitiva e psicológica, obtendo vivências que irão marcá-la por toda sua vida. A interação com o próximo é fator relevante para um bom desenvolvimento, seja ela com um adulto, com crianças da mesma faixa etária e por que não com crianças de idades diferentes.

Faz-se necessário pensar em propostas que desafiem as crianças a avançar no seu desenvolvimento, baseada nas interações que acontecem no ambiente escolar. Em momentos de aprendizagem e troca de saberes as crianças só tem a ganhar. Vygotsky (2007) em seus estudos provou que a interação entre indivíduos é o que possibilita o desenvolvimento significativo na pessoa. Se uma criança não é estimulada a falar, sua fala não será desenvolvida.

A questão da importância das interações sociais entre crianças x adultos, crianças x crianças da mesma idade e de idades diferentes são tratadas com importância onde a criança é vista “como sujeito histórico e de direitos” que, nas interações, relações e práticas cotidianas que vivência, constrói sua identidade pessoal e coletiva, brinca, imagina, fantasia, deseja, aprende, observa, experimenta, narra, questiona e constrói sentidos sobre a natureza e a sociedade, produzindo cultura.

As escolas devem organizar espaços, tempos e materiais reconhecendo as especificidades etárias, singularidades individuais e coletivas das crianças, promovendo interações entre elas, com diferentes idades, tudo isso visando uma educação de qualidade. Uma educação feita pensando diretamente nas crianças e suas necessidades é a base de um ensino de qualidade.

As relações estabelecidas no ambiente escolar passam pelos aspectos emocionais, intelectuais e sociais e encontram na escola um local provocador destas interações nas vivências interpessoais. A escola caracteriza-se como um dos primeiros locais que deveriam garantir a reflexão sobre a realidade e a iniciação da sistematização do conhecimento socialmente construído. Estabelecendo um palco de negociações, os alunos podem vivenciar conflitos e discordâncias buscando acordos sempre mediados por outros parceiros. (MARTINS, 1997, p 120).

3.4.2. Brincadeiras

O brinquedo é uma necessidade para a criança. No ato do brincar a criança vivencia e concretiza situações que, geralmente, já viveu ou ainda vive, seja, em contexto social cotidiano seja em sua fantasia, pois, na infância, a imaginação, a fantasia, o brinquedo não são atividades que podem se concretizar apenas pelo prazer que proporcionam, mas também pelas capacidades humanas que se desenvolvem, como: a percepção, a memória, a emoção e a imaginação.

No ato de brincar a percepção do mundo ganha força e vai sendo modificada a partir do momento em que a criança vai exercitando suas funções de memória, de linguagem, de afetividade, de imaginação, conduzindo-a a uma, cada vez mais independência em relação a seus atos e ao seu mundo ao seu redor.

Assim sendo o professor tem papel fundamental de potencializador das interações e das brincadeiras propondo experiências que alimentem sua imaginação através de diferentes formas de expressão.

O momento da brincadeira possui grande importância, pois contribui para o desenvolvimento do potencial integral da criança. Sendo também o espaço que proporciona liberdade criadora, oportunidades de socialização, afetividade e um encontro com o seu próprio mundo, descobrindo-se de maneira prazerosa.

É o adulto, na figura do professor, portanto, que, na instituição infantil, ajuda a estruturar o campo das brincadeiras na vida das crianças. Consequentemente, é ele que organiza sua base estrutural, por meio da oferta de determinados objetos, fantasias, brinquedos ou jogos, da delimitação e arranjo dos espaços e do tempo pra brincar. Por meio das brincadeiras os professores podem observar e constituir uma visão dos processos de desenvolvimento das crianças em conjunto e de cada uma em particular, registrando suas capacidades de uso das linguagens, assim como de suas capacidades sociais e dos recursos afetivos e emocionais que dispõem.

A intervenção intencional baseada na observação das brincadeiras das crianças, oferecendo-lhes materiais adequados, assim como um espaço estruturado pra brincar permite o enriquecimento das competências imaginativas, criativas e organizacionais infantis. Cabe ao professor organizar situações para que as brincadeiras ocorram de maneira diversificada para propiciar às crianças a possibilidade de escolherem os temas, objetos e companheiros com quem brincar ou jogos de regras e de construção, e assim elaborarem de forma pessoal e independente suas emoções, sentimentos, conhecimentos.

Sabe-se que a criança possui necessidades e características peculiares e a escola desempenha um importante papel nesse aspecto, que é oferecer um espaço favorável às brincadeiras associadas a situações de aprendizagem que sejam significativas, contribuindo para o desenvolvimento de forma agradável e saudável.

  • 3.5. Organização das Turmas

As turmas estão agrupadas por idade, tendo como data base para calculo o dia trinta e um de março do decorrente ano. Sendo assim nosso trabalho desenvolve-se nas seguintes turmas:

  • Berçário I – zero a um ano de idade;
  • Berçário II – um a dois anos de idade;
  • Maternal I – dois a três anos de idade;
  • Maternal II – três a três anos e onze meses;
  • 3.6 Introdução dos Campos de Experiências Anuais

  • CRIANDO ELOS, ADAPTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL – A existência da creche como espaço de vida coletiva no campo da educação é recente e tem preocupado pesquisadores e especialistas no sentido de buscar entender esse novo contento (Amarp). Como afirma Maria Carmem Barbosa (2012) é preciso olhar as crianças e compreende-las em sua vida social e relacional. Receber as crianças nas instituições de ensino não é nada fácil e simples, exige que o educador possa de forma gradativa e positiva ganhar a confiança das crianças e assim transformar o momento de adaptação num momento único e de superação confortável na hora que se deixa o meio familiar e passam a conviver em espaço coletivo e formador. Os primeiros instantes são de muito aprendizado principalmente na relação professora X aluno e este vai se fortalecendo a cada dia possibilitando níveis maiores de desenvolvimento cognitivo, afetivo e emocional. Para tanto todo o sucesso escolar vai depender do processo de adaptação à criança oferecido, daí sua importância no momento de planejar práticas pedagógicas favoráveis.
  • O EU, O OUTRO E O NÓS – É na interação com os pares e com adultos que as crianças vão constituindo um modo próprio de agir, sentir e pensar e vão descobrindo que existem outros modos de vida, pessoas diferentes, com outros pontos de vista. Conforme vivem suas primeiras experiências sociais (na família, na instituição escolar, na coletividade), constroem percepções e questionamentos sobre si e sobre os outros, diferenciando-se e, simultaneamente, identificando-se como seres individuais e sociais. Ao mesmo tempo em que participam de relações sociais e de cuidados pessoais, as crianças constroem sua autonomia e senso de autocuidado, de reciprocidade e de interdependência com o meio. Por sua vez, na Educação Infantil, é preciso criar oportunidades para que as crianças entrem em contato com outros grupos sociais e culturais, outros modos de vida, diferentes atitudes, técnicas e rituais de cuidados pessoais e do grupo, costumes, celebrações e narrativas. Nessas experiências, elas podem ampliar o modo de perceber a si mesmas e ao outro, valorizar sua identidade, respeitar os outros e reconhecer as diferenças que nos constituem como seres humanos.
  • CORPO, GESTOS E MOVIMENTOS – Com o corpo (por meio dos sentidos, gestos, movimentos impulsivos ou intencionais, coordenados ou espontâneos), as crianças, desde cedo, exploram o mundo, o espaço e os objetos do seu entorno, estabelecem relações, expressam- -se, brincam e produzem conhecimentos sobre si, sobre o outro, sobre o universo social e cultural, tornando-se, progressivamente, conscientes dessa corporeidade. Por meio das diferentes linguagens, como a música, a dança, o teatro, as brincadeiras de faz de conta, elas se comunicam e se expressam no entrelaçamento entre corpo, emoção e linguagem. As crianças conhecem e reconhecem as sensações e funções de seu corpo e, com seus gestos e movimentos, identificam suas potencialidades e seus limites, desenvolvendo, ao mesmo tempo, a consciência sobre o que é seguro e o que pode ser um risco à sua integridade física. Na Educação Infantil, o corpo das crianças ganha centralidade, pois ele é o partícipe privilegiado das práticas pedagógicas de cuidado físico, orientadas para a emancipação e a liberdade, e não para a submissão. Assim, a instituição escolar precisa promover oportunidades ricas para que as crianças possam, sempre animadas pelo espírito lúdico e na interação com seus pares, explorar e vivenciar um amplo repertório de movimentos, gestos, olhares, sons e mímicas com o corpo, para descobrir variados modos de ocupação e uso do espaço com o corpo (tais como sentar com apoio, rastejar, engatinhar, escorregar, caminhar apoiando-se em berços, mesas e cordas, saltar, escalar, equilibrar-se, correr, dar cambalhotas, alongar-se etc.).
  • TRAÇOS, SONS, CORES E FORMAS – Conviver com diferentes manifestações artísticas, culturais e científicas, locais e universais, no cotidiano da instituição escolar, possibilita às crianças, por meio de experiências diversificadas, vivenciar diversas formas de expressão e linguagens, como as artes visuais (pintura, modelagem, colagem, fotografia etc.), a música, o teatro, a dança e o audiovisual, entre outras. Com base nessas experiências, elas se expressam por várias linguagens, criando suas próprias produções artísticas ou culturais, exercitando a autoria (coletiva e individual) com sons, traços, gestos, danças, mímicas, encenações, canções, desenhos, modelagens, manipulação de diversos materiais e de recursos tecnológicos. Essas experiências contribuem para que, desde muito pequenas, as crianças desenvolvam senso estético e crítico, o conhecimento de si mesmas, dos outros e da realidade que as cerca. Portanto, a Educação Infantil precisa promover a participação das crianças em tempos e espaços para a produção, manifestação e apreciação artística, de modo a favorecer o desenvolvimento da sensibilidade, da criatividade e da expressão pessoal das crianças, permitindo que se apropriem e reconfigurem, permanentemente, a cultura e potencializem suas singularidades, ao ampliar repertórios e interpretar suas experiências e vivências artísticas.
  • ESCUTA, FALA, PENSAMENTO E IMAGINAÇÃO – Desde o nascimento, as crianças participam de situações comunicativas cotidianas com as pessoas com as quais interagem. As primeiras formas de interação do bebê são os movimentos do seu corpo, o olhar, a postura corporal, o sorriso, o choro e outros recursos vocais, que ganham sentido com a interpretação do outro. Progressivamente, as crianças vão ampliando e enriquecendo seu vocabulário e demais recursos de expressão e de compreensão, apropriando-se da língua materna – que se torna, pouco a pouco, seu veículo privilegiado de interação. Na Educação Infantil, é importante promover experiências nas quais as crianças possam falar e ouvir, potencializando sua participação na cultura oral, pois é na escuta de histórias, na participação em conversas, nas descrições, nas narrativas elaboradas individualmente ou em grupo e nas implicações com as múltiplas linguagens que a criança se constitui ativamente como sujeito singular e pertencente a um grupo social. Desde cedo, a criança manifesta curiosidade com relação à cultura escrita: ao ouvir e acompanhar a leitura de textos, ao observar os muitos textos que circulam no contexto familiar, comunitário e escolar, ela vai construindo sua concepção de língua escrita, reconhecendo diferentes usos sociais da escrita, dos gêneros, suportes e portadores. Na Educação Infantil, a imersão na cultura escrita deve partir do que as crianças conhecem e das curiosidades que deixam transparecer. As experiências com a literatura infantil, propostas pelo educador, mediador entre os textos e as crianças, contribuem para o desenvolvimento do gosto pela leitura, do estímulo à imaginação e da ampliação do conhecimento de mundo. Além disso, o contato com histórias, contos, fábulas, poemas, cordéis etc. propicia a familiaridade com livros, com diferentes gêneros literários, a diferenciação entre ilustrações e escrita, a aprendizagem da direção da escrita e as formas corretas de manipulação de livros. Nesse convívio com textos escritos, as crianças vão construindo hipóteses sobre a escrita que se revelam, inicialmente, em rabiscos e garatujas e, à medida que vão conhecendo letras, em escritas espontâneas, não convencionais, mas já indicativas da compreensão da escrita como sistema de representação da língua.
  • ESPAÇOS, TEMPOS, QUANTIDADES, RELAÇÕES E TRANSFORMAÇÕES – As crianças vivem inseridas em espaços e tempos de diferentes dimensões, em um mundo constituído de fenômenos naturais e socioculturais. Desde muito pequenas, elas procuram se situar em diversos espaços (rua, bairro, cidade etc.) e tempos (dia e noite; hoje, ontem e amanhã etc.). Demonstram também curiosidade sobre o mundo físico (seu próprio corpo, os fenômenos atmosféricos, os animais, as plantas, as transformações da natureza, os diferentes tipos de materiais e as possibilidades de sua manipulação etc.) e o mundo sociocultural (as relações de parentesco e sociais entre as pessoas que conhece; como vivem e em que trabalham essas pessoas; quais suas tradições e seus costumes; a diversidade entre elas etc.). Além disso, nessas experiências e em muitas outras, as crianças também se deparam, frequentemente, com conhecimentos matemáticos (contagem, ordenação, relações entre quantidades, dimensões, medidas, comparação de pesos e de comprimentos, avaliação de distâncias, reconhecimento de formas geométricas, conhecimento e reconhecimento de numerais cardinais e ordinais etc.) que igualmente aguçam a curiosidade. Portanto, a Educação Infantil precisa promover experiências nas quais as crianças possam fazer observações, manipular objetos, investigar e explorar seu entorno, levantar hipóteses e consultar fontes de informação para buscar respostas às suas curiosidades e indagações. Assim, a instituição escolar está criando oportunidades para que as crianças ampliem seus conhecimentos do mundo físico e sociocultural e possam utilizá-los em seu cotidiano.

  • 3.7. Objetivos e Aprendizagem e Desenvolvimento

  • 3.8. Organização de Planejamento dos Campos de Experiências

A realização do planejamento se dá em forma de projetos a serem desenvolvidos em períodos correspondentes a trimestres havendo assim o desenvolvimento de três projetos anuais. 

Para que a educação inclusiva aconteça de forma efetiva as professoras de sala multifuncional participam da elaboração do projeto anual, junto as professoras. A partir do projeto desenvolvido com todos os alunos da turma a professora de AEE elabora experiências individuais e em grupo a serem desenvolvidas em sala multifuncional alinhadas as necessidades específicas de cada aluno em conjunto as experiências desenvolvidas por todos em sala comum. 

  • 3.9. Competências / Saberes e Conhecimentos Possíveis de Construção nos Campos de Experiências

  • Linguagem como meio de comunicação e interação social;
  • Família; (formas de lazer; profissões; respeito; origem; costumes; crenças; cultura familiar, tradições, estruturas familiares e noções de parentesco);
  • Comunidade; lugar onde moro; minha cidade, minha escola/ outras pessoas, outros espaços, tempos e culturas;
  • Exploração de elementos, fenômenos naturais e estações do ano;
  • Datas comemorativas;
  • Higiene, saúde e bem-estar;
  • Autoestima, autoconhecimento, autoimagem e autonomia;
  • Manifestações de sentimentos, afetividade, confiança e respeito;
  • Características físicas, conscientização corporal e esquema corporal;
  • Sentidos; percepções, discriminações; explorações, texturas, sabores e odores;
  • Atitudes de responsabilidade, cooperação, solidariedade, generosidade e tolerância; 
  • Meus documentos/ nome e sobrenome, dados pessoais / peso, altura, cor da pele, etc.;
  • Minhas preferências/ medos e desejos;
  • Percepção temporal/ Orientação espacial;
  • Pessoas com necessidades especiais; amor e respeito;
  • Regras de convívio social, relações sociais, direitos e deveres;
  • Qualidade de vida;
  • Diversidade;
  • Ampliação do vocabulário, ampliação e organização frasal;
  • Diferentes gêneros textuais, orais e escritos;
  • Organização de ideias;
  • Interpretação de mensagens e transmissão de mensagens;
  • Execução de ações;
  • Controle e aperfeiçoamento de movimentos globais e segmentares/ coordenação motora ampla e fina;
  • Equilíbrio dinâmico e estático;
  • Coordenação viso manual;
  • Observação e manipulação de objetos como forma de estabelecer critérios;
  • Figuras geométricas planas;
  • Noções básicas de dentro, fora, acima, abaixo, longe, perto, grosso, fino, atrás, à frente, ao lado, muito, pouco;
  • Classificação e identificação e formação de conjuntos tendo como base os conceitos matemáticos;
  • Semelhanças e diferenças;
  • Atributos (tamanho, cor, peso, forma, quantidade e contagem);
  • Expressão corporal;
  • Habilidades manuais;
  • Recursos tecnológicos e midiáticos;
  • Curiosidade, criatividade, atenção, concentração e imaginação;
  • Mundo físico, tempo e natureza (Animais e seus modos de vida, plantas e meio ambiente);
  • Reciclagem;
  • Musica/ musicalidade/ ritmos e sons;

  • 3.10. Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento na Educação Infantil

  • 3.11 Organização do Projeto

3.11.1 Objetivo Geral: Anual

Proporcionar a criança pequenina de zero a três anos e onze meses  condições de desenvolver suas potencialidades, promovendo aprendizagem significativas possíveis de serem realizadas para intensificar o conhecimento, favorecendo os processos de construção da identidade e autonomia, de si e do mundo, por meio da ampliação de experiências sensoriais, expressivas e corporais, movimentação ampla, expressão da individualidade e respeito pelos seus ritmos e desejos, envolvendo aspectos físicos e psicossociais em um ambiente estimulador, para que tenham condições de desenvolver atitudes e habilidades para fases posteriores.

3.11.2 Experiências

Serão traçadas pelas professoras de acordo com seus objetivos propostos segundo BNCC. Para tanto as professoras deverão ter pleno conhecimento das fases de desenvolvimento infantil ao que se refere à idade correspondente a sua turma, para que possa ter claro o que deseja desenvolver e experiência adequada à idade e objetivo traçado. Cabe lembrar que a cada objetivo traçado se faz necessárias várias experiências propostas para seu alcance bem como a mudança de material, ambiente e metodologia.

3.11.3 Sistema de Planejamento do Projeto (Anexo 4.8)

Trimestral:

# Rotina na Educação Infantil;

# Conteúdo/ Saberes;

# Experiências;

# Objetivos de Aprendizagem e desenvolvimento/ BNCC;

# Direitos de Aprendizagem e desenvolvimento na Educação Infantil/BNCC;

# Competências gerais/BNCC;

# Avaliação do Projeto

3.11.4 Planejamento Diário 

Berçário I/ Berçário II/ Maternal I/ Maternal II.

Envolve experiências a desenvolver eixos como:

  • Campo;
  • Objetivo;
  • Experiências;
  • Direito;
  • Estratégias;
  • Avaliação diária.
  • 3.12 Processo de Avaliação do Desenvolvimento das Crianças

3.12. 1 Turmas de Berçário a Maternal II

A observação das formas de expressão das crianças de suas capacidades de concentração e envolvimento nas experiências, de satisfação com sua própria produção e com suas pequenas conquistas é um instrumento de acompanhamento do trabalho que poderá ajudar a avaliação e no replanejamento da ação pedagógica.

A valorização de suas conquistas pessoais seja ela, comer sem ajuda, conhecer o nome de todos, cantar uma música, fazer um desenho etc.; pode ser uma atitude esperada das crianças a perceberem seu desenvolvimento e promover situações que favoreçam satisfazer-se com suas ações.

No que se referem à observação das crianças, algumas de suas manifestações podem sinalizar desconforto, e devem ser compreendidas e consideradas pelo professor no planejamento de suas ações. O choro infantil é uma delas.

Para que as observações não se percam e possam ser utilizadas como instrumento de trabalho, é necessário que sejam registradas.

É com estas preocupações que a ACEIAS adapta em sua proposta pedagógica um sistema de avaliação diária registrada em ficha de avaliação arquivada junto a pasta de planejamento do professor. Tais avaliações serão utilizadas não apenas como acompanhamento do desenvolvimento infantil, mas, como sinalizador de necessidades de mudanças de ações pedagógicas do professor.

As auxiliares de desenvolvimento infantil também dispõem de uma ficha semanal nas quais realizam avaliação das experiências desenvolvidas pela professora a qual prestou auxílio.

O professor por sua vez, também dispõe de uma ficha de acompanhamento individual do aluno para ser preenchida a cada trimestre trabalhado, pela qual poderá analisar a evolução de suas crianças sendo esta entregue aos pais em reunião, objetivando que a família também tenha acesso ao desenvolvimento da criança. 

As turmas de berçário I e II também dispõem de uma ficha antropométrica            (peso e medida), preenchidas todos os meses por entendermos que crescimento e desenvolvimento caminham juntos.

Toda a criança atendida obtém um histórico escolar preenchido ao final de cada ano, arquivado no CEI.

3.12.2 Processo de Avaliação para Sala de Recurso Multifuncional / SRM

Será realizada uma avaliação semanal de cada aluno para registro de seu desenvolvimento. Bem como será realizada uma avaliação trimestral de cada aluno através de ficha individual / boletim, sendo o campo de avaliação de forma descritiva, o mesmo será compartilhado com a família do aluno para que este tenha acesso aos seus progressos dentro da SRM (A.E.E.).

Cada aluno dispõe de uma pasta (portfólio), na qual estará o registro de todos os trabalhos realizados, encaminhamentos, atendimentos, exames, receitas médicas, etc durante o ano, acompanhando-o em cada turma, para que a professora seguinte tenha parâmetros de trabalho, dispondo de avaliações, adaptações pedagógicas, etc.

  • 3.13. Processo de Articulação da Passagem da Educação Infantil para Educação Básica – Desligamento

A passagem da educação infantil para a educação básica representa um marco significativo para a criança podendo criar ansiedade e insegurança. O professor de educação infantil deve considerar esse fato desde o início do ano estando disponível e atento para as questões e atitudes que as crianças possam manifestar. Tais preocupações podem ser aproveitadas para a realização de projetos com objetivo de oportunizar a criança conhecer um pouco da realidade da fase escolar para qual irá.

Por educação entende-se a transmissão de dados culturais, pedagógicos, comportamentais, sociais e também de valores morais e étnicos. Mas será que é só isso? Deve-se também educar emocionalmente. A criança vai aprender a reagir às pequenas e grandes dificuldades do dia a dia, tomando como base àquilo que ela vê diariamente.

Algumas ações do professor de educação infantil, planejadas e desenvolvidas podem ajudar a desenvolver uma disposição positiva frente as futuras mudanças demonstrando que apesar das perdas, há também crescimento.

Acreditando nessas ações a Aceias procura desenvolver uma proposta pedagógica de trabalho que venha contribuir para a construção de conhecimentos destas crianças e que na escola formal tenham condições de acompanhar os conteúdos e obterem avaliações satisfatórias.

  1. ANEXOS

4.1 Documentos de responsabilidade da professora/ coordenadora.

4.1.1 Ficha de registro de hora atividade da professora/coordenadora

4.1.2 Ficha de prestação de contas aos pais e colaboradoras

4.1.3 Ficha de Confirmação de recebimentos para os pais

4.1.4 Ficha de controle da A.P.P por turma.

4.1.5 Ficha de encaminhamento para sede administrativa

4.2 Documentos de responsabilidade da professora

4.2.1 Mapa de freqüência

4.2.2 Estatístico 

4.2.3 Antropometria

4.2.4 Boletim

4.2.5 Ficha de Incidência

4.2.6 Controle de faltas

4.2.7 Controle de atraso

4.2.8 Ficha de alimentação dos Bebês

4.2.9 Ficha de planejamento e avaliação diária

4.2.10 Ficha de Hora Atividade

4.2.11 Histórico escolar.

4.3 Documentos de responsabilidade das professoras de Atendimento Educacional Especializado.

4.3.1 Plano Anual Individual

4.3.2 Diário de classe Atendimento Educacional Especializado

4.3.3 Boletim

4.3.3.1 Ficha de avaliação do Atendimento Educacional Especializado

4.3.4 Ficha de Anamnese

4.4 Documentos de responsabilidade das Auxiliares de Desenvolvimento Infantil (A.D.I)

4.4.1 Ficha de controle de esterilização do trocador

4.4.2 Ficha de controle de esterilização das mamadeiras e bicos.

4.4.3 Fichas de controle de esterilização dos brinquedos

4.4.4 Ficha de avaliação semanal

4.5 Documentos de responsabilidade da Merendeira

4.5.1 Manual de boas práticas para cozinha

4.5.2 Cardápio para crianças de 9 meses a 3 anos e 11 meses.

4.5.2.1 Cardápio para bebês de 6 a 8 meses

4.5.3 Lista de compras

4.5.4 Lista de controle de refeição

4.5.4.1 Ficha de controle de recebimento de carnes, leite, ovos e gás.

4.6 Documentos de responsabilidade de Serviços Gerais.

4.6.1 Normas de boas práticas para higiene e esterilização de ambientes

4.6.2 Controle de esterilização dos colchões

4.7 Ficha de matrícula

4.7.1 Ficha de estudo social 

4.8 Projetos 

4.8.1 Projeto para berçário I e II.

4.8.2 projeto para maternal I e II

.